i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Heitor Cony

Palavra de rei

Fosse qual fosse o pretexto que levou Chávez a interromper a fala de Aznar, que foi o motivo para o “cala a boca”, a norma civilizada em reuniões de cúpula não prevê o bate-boca

  • 15/11/2007 20:39

Rio de Janeiro – Até agora não me dei ao respeito de saber o motivo que obrigou o rei da Espanha a mandar Hugo Chávez calar a boca numa reunião de cúpula, dessas que a política internacional promove sistematicamente. Sei apenas, e desde pequeno, que palavra de rei não volta atrás, embora sejam muitas as exceções ao longo da história.

Fico até sem jeito de dar razão a um rei – que, em princípio, não deve ter razão em nada –, mas, desta vez, como em outras, acho que Hugo Chávez fez aquilo que os entendidos condenam: extrapolou.

Ele justificou sua intervenção alegando que Juan Carlos fez parte da conspiração que o depôs, anos atrás. Mas não era hora e local para cobrar o apoio que não teve.

Lembro um incidente ocorrido aqui no Rio, por ocasião da Eco-92. Mais de cem chefes de Estado reunidos numa cerimônia protocolar no Teatro Municipal. O Daniel Ortega, da Nicarágua, abordou George Bush (pai) num corredor e puxou um assunto fora da agenda. Bush se esquivou. Ortega insistiu, segurou o presidente dos Estados Unidos pelo braço. Bush reagiu, empurrando o presidente da Nicarágua. Um segurança o afastou e tudo deu em nada. Os dois países viviam uma crise prolongada.

Fosse qual fosse o pretexto que levou Chávez a interromper a fala de Aznar, que foi o motivo para o "cala a boca", a norma civilizada em reuniões de cúpula não prevê o bate-boca. Cada qual tem um tempo para dizer o que pretende. Na crise dos mísseis de Cuba, em 1962, o representante da então União Soviética negava a evidência, garantia que não havia armamento nuclear na ilha, falou o que quis durante as reuniões, ninguém o interrompeu – somente os fatos fizeram com que ele calasse a boca.

Nunca perdoarei a Chávez a oportunidade de se dar razão a um rei.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.