i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Friedmann Wendpap

Democracia conjugal

  • Porfried­mann­wend­pap@­gmail.­com
  • 24/08/2014 21:03
 |
| Foto:

Nesses tempos de eleição para quase todos os cargos políticos graúdos, fala-se da festa da democracia, dos votos, eleitores, urnas, campanhas. Coisas boas e ruins que acompanham o momento de afirmação da vontade da maioria. Os menos votados de hoje sonham com a vitória em 2018. Ansiedades, pesquisas de opinião, publicitários dão banho de mídia nos candidatos. Urnas eletrônicas emitirão milhões de sinais sonoros – dó, ré, mi, dó – que indicam a finalização de cada voto e logo os novos governos estarão formados.

A experiência da democracia feita por manifestações individuais de escolha entre os muitos candidatos que se apresentam remanesce restrita às atividades públicas, às questões de política. A maior quantidade de votos vence e pronto. Como praticar a democracia em ambientes sem possibilidade de maioria, a exemplo da vida conjugal? Varão e virago votam em direções opostas sobre algum tema. Como resolver?

A antiguidade resolvia com a exclusividade masculina. Tirania e sujeição. Lesbos e amazonas são lendas. A realidade sempre foi de desconsideração da opinião do virago. Mulheres serviam para tirar cria e zelar da casa. Mulheres de Atenas que têm medo, apenas. Medo do opróbrio da viuvez, da gravidez solteira. Palidez de secar por seus maridos. Escravidão branda, mas ainda assim odiosa, porque não só lhes exigiam obediência, também queriam afeto, como dito por Stuart Mill na obra Sujeição das Mulheres.

O Ocidente viveu modificações revolucionárias e reformistas que mudaram a relevância da mulher na vida pública e privada. O controle da concepção acelerou o processo, tornando a sexualidade feminina tão livre de consequências quanto a masculina. O casal da atualidade é composto de duas pessoas que têm igual estatura política, jurídica, econômica, moral, sexual. Permanece o problema: como resolver as diferenças de opinião se não há maioria/minoria, mando/obediência?

Existe crônica de Rubem Alves, que prefiro resgatar da minha débil lembrança a buscá-la na onisciência do Google e afins, versando sobre casamentos que se assemelham a jogos de tênis ou de frescobol. Em ambos a bola vai de um jogador a outro impelida pela raquete, mas no frescobol há esforço do lançador para que o receptor receba bem a bola e consiga devolvê-la redonda, suave. O frescobol é cooperativo; o tênis, competitivo. Num, o prazer da vitória; noutro, o do jogo que refrigera a alma.

A chave para a democracia conjugal é a reciprocidade do altruísmo: estimular os acertos, mitigar as consequências dos erros do cônjuge. A alegria da convivência perene na compensação das fragilidades mútuas e potencialização das fortalezas para alcançar a finalidade da união, qualquer que seja a forma de amor que valha a pena. Frescobol, não tênis.

O desenvolvimento da democracia conjugal faz mais compreensíveis as altas abstrações da democracia política, mesmo que ela carregue em seu âmago a competição para a solução de conflitos de opinião. A casa e a rua se comunicam no modo como as pessoas entendem as relações intersubjetivas diretas (cônjuge, família, amigos, colegas) e indiretas (munícipes, patrícios, humanos).

Dê sua opiniãoO que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.