i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A luta para voltar a crescer

  • PorGazeta do Povo
  • 08/04/2020 22:13
Lojas fechadas em Curitiba.
Lojas fechadas em Curitiba.| Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná

A pandemia do coronavírus gerou uma grande crise, caracterizada por isolamento social, tensões, medo e incertezas, e uma brutal crise econômica, que não se resume apenas à paradeira na atividade produtiva, mas trará consequências negativas no médio e a longo prazo. A crise pegou os quatro lados mais relevantes da economia: a produção, o consumo, o investimento e a renda pessoal. A freada na produção nas primeiras semanas do isolamento social levou as autoridades a manifestarem preocupação com o suprimento de bens e serviços – que obviamente iria sofrer durante o isolamento – e várias medidas foram anunciadas pelo governo federal, governos estaduais e vários municípios. Como sempre ocorre nessas situações, muitas medidas foram boas, outras nem tanto e algumas ruins.

O presidente do Banco Central informou, em palestra on-line no sábado, dia 4 de abril, que houve redução de 80% na demanda de bens de consumo duráveis e serviços desde o início do período de isolamento, e mostrou uma série de estatísticas e medidas sob a competência da autoridade monetária. Ainda não está devidamente dimensionada, mas a redução da renda pessoal – especialmente dos profissionais autônomos, cujo serviço é prestado no contato direto com o consumidor, e dos empregados de empresas que terão dificuldade de pagar salários – atingirá pessoas e famílias que, ao perderem parcialmente ou totalmente sua renda, estarão em situação difícil. Os efeitos de médio prazo e de longo prazo sobre a economia e a estrutura social, principalmente sobre o sistema de produção, renda, investimento e consumo, exigirão alguns anos para concluir um rearranjo.

A crise pegou os quatro lados mais relevantes da economia: a produção, o consumo, o investimento e a renda pessoal

A respeito, vale uma comparação com o corpo humano. Uma doença pode acometer um corpo saudável ou um corpo debilitado. Uma crise econômica pode acometer um país desenvolvido, de renda alta e bem estruturado, como pode acometer um país pobre, com alto desemprego e baixa renda por habitante. O diagnóstico de um evento social negativo deve considerar a saúde econômica do país afetado e é importante para a avaliação dos efeitos e o encaminhamento das soluções. Os desafios brasileiros serão muitos e serão complexos. Os planos e as medidas para a recuperação irão encontrar um país com baixo crescimento, alto desemprego, vários problemas sociais e uma infraestrutura precisando ser recomposta. Há alguns meses, saíram estatísticas oficiais mostrando que o Brasil segue com baixo desempenho econômico e a pobreza atinge mais de 50 milhões de pessoas.

O Brasil abusou do direito de desperdiçar tempo, sobretudo nestas duas primeiras décadas do século 21, período em que o desempenho econômico foi fraco, o PIB cresceu pouco e a pobreza continuou, tudo agravado pela crise política e a crise moral, como o impeachment de um presidente, a corrupção e as redes de desvio de dinheiro público. O país já tinha perdido o bonde do progresso nas décadas anteriores ao início deste século, e a ideia do “Brasil potência 2000” não se realizou, pois o país adentrou o século 21 como nação subdesenvolvida de baixo crescimento. Agora, quando ensaiava uma recuperação econômica, o Brasil se vê atacado por um vírus que impôs e está impondo enormes sacrifícios em todos países afetados, desenvolvidos ou não.

Os estragos na economia ocorrem num momento em que o quadro estrutural anterior já tinha seus problemas e carências antes do surgimento dessa pandemia. Não há saída fácil. O Ministro da Economia, Paulo Guedes, vem liderando um conjunto de medidas ousadas na tentativa de minorar as consequências econômicas decorrentes da crise sanitária, de certa forma dando margem para críticas sobre o que seria um viés intervencionista, ele que faz questão de divulgar suas crenças liberais. O ministro tem respondido que, numa situação de catástrofe sanitária, não há como o governo lavar as mãos e nada fazer. No campo monetário, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, apresentou a análise do órgão sobre o quadro financeiro geral e o conjunto de medidas já tomadas e outras a tomar conforme o rumo da pandemia. O BC tem a obrigação de observar o mundo, ver como estão agindo os demais países, analisar a realidade brasileira e promover medidas sem perder o rumo dos dois objetivos principais do órgão: o crescimento econômico e o controle da inflação.

O fato é que esta é uma crise forte sobre uma economia com fragilidades vindas de há muitos anos, e o trabalho que sociedade e governo terão pela frente será enorme e longo. A rapidez da recuperação dependerá de eficiência, espírito cívico, solidariedade, profissionalismo e muito equilíbrio das autoridades, dos empresários, dos trabalhadores e da família brasileira que, diga-se de passagem, está demonstrando o quanto pode ser responsável perante as dificuldades. Quem sabe o país saia dessa crise mais forte e tendo aprendido lições sobre vida, trabalho, economia e solidariedade social que muito ajudarão na tarefa de crescer e melhorar.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    Jose Silva

    ± 2 dias

    Vamos ver como será o espírito cívico dos funcionários do judiciário e do legislativo na hora de discutir a reforma administrativa, dos governos estaduais quando da reforma tributária e juntam-se a esses o STF e a maioria suja do congresso. Civismo e preocupação com país e sua população são conceitos que não existem nas classes acima mencionadas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • D

      Diogo

      ± 2 dias

      No alvo José

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

  • A

    Aromero

    ± 2 dias

    Opâ um texto inteligente e equilibrado. Parabéns.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • N

      Nícolas

      ± 2 dias

      Quando o editorial quer, ele é capaz. Dureza é ser bombardeado por notícias do Estadão ou Folha (que deixaram de ser fontes decentes há muito...). Gostei do "chamamento" ao ataque aos problemas, mas senti falta de ler sobre aqueles que têm feito nosso país patinar: nossos representantes maiores nas três esferas e sua incapacidade de pensar uma nação equilibrada. Aqueles que deveriam dar o exemplo são os que primeiro falham com o moral e os costumes.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

  • I

    Irineu Berestinas

    ± 2 dias

    Corrijo: "de nada vão valer soluções Deus ex machina"

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • I

      Irineu Berestinas

      ± 2 dias

      Rodeios e volteios pouco esclarecem a população. O lockout só se justificava nos primeiros momentos. Era preciso tomar pé da situação e avançar. Agora, devemos ter, apenas, o desestimulo às aglomerações de pessoas. A economia deve funcionar por turnos escalonados, ônibus com metade da sua capacidade, atendimentos personalizados e delivery. É saudável ter presente essa receita. A economia não entrou em recessão em razão de uma política monetária restritiva, aliás os juros que estavam sendo praticados eram do menor patamar histórico. Foi a paralisação horizontal. Essa é a questão que merece a mira dos editorialistas da Gazeta. De nada vai valer soluções Deus ex machina na economia!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • G

        Guilherme Milone Silva

        ± 2 dias

        Só faltou elencar as responsabilidades do Parlamento. Nossos congressistas vêm provando o enorme descrédito a que fazem juz com este apego ao Fundo Eleitoral. São gananciosos e mal intencionados. Precisamos cobrar lisura destes terríveis senhores feudais

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • C

          Carlos Indio do Brasil de Paula Neves.

          ± 2 dias

          Todos sabemos que o momento é grave e que prescinde de seriedade, contudo como esperar alguma coisa consistente que venha atender toda a sociedade, especialmente os mais pobres, quando temos um congresso que não faz nada. Até agora não conseguiram analisar e aprovar o orçamento de guerra. É uma situação de emergência e o legislativo está empacado, certamente querendo algo em troca. Assim, estamos todos ferrados. E por que não fechar aquele congresso? Não servem para nada mesmo. Vamos fazer um movimento para fechar o congresso. Vamos colocar fogo naquela moita. Só vai sair rato de lá.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.