i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Diante das circunstâncias, o acordo possível

  • PorGazeta do Povo
  • 24/10/2020 18:00
Os presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro: alinhamento automático entre os países acelerou tratativas de acordo comercial.
Os presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro: alinhamento automático entre os países acelerou tratativas de acordo comercial.| Foto: AFP

Brasil e Estados Unidos fecharam, dias atrás, um pacote de acordos com o objetivo de facilitar o comércio entre os dois países. As negociações haviam começado em 2011, mas estavam em banho-maria até a eleição de Jair Bolsonaro, que voltou a priorizar as relações com os norte-americanos. Para facilitar a costura do texto, sem que ele dependesse do aval dos Legislativos em ambos os países, ou do Mercosul, no caso brasileiro, não houve nenhuma alteração de tarifas. Ainda assim, as medidas previstas no pacote serão importantes para a recuperação do comércio bilateral, profundamente afetado neste ano pela pandemia do coronavírus, e servem de prelúdio ao grande objetivo, a assinatura de um acordo de livre comércio entre as duas nações.

A redução da burocracia nas operações de importação e exportação é um dos principais itens do pacote. Alguns procedimentos necessários hoje serão extintos, e outros serão simplificados; documentos eletrônicos substituirão a papelada hoje necessária para enviar ou trazer produtos. Ambos os países reconhecerão programas de Operador Econômico Autorizado (OEA), empresas importadoras e exportadoras credenciadas pelos governos e que, com isso, poderão desembaraçar suas mercadorias de maneira quase automática nas fronteiras. O resultado será uma redução tanto no tempo quanto nos custos das transações comerciais entre os dois países.

Com o complicado cenário eleitoral americano, assegurar melhores condições de comércio agora, mesmo que não sejam ainda as ideais, é a solução mais pragmática

Outro aspecto importante do acordo está nas chamadas “boas práticas regulatórias”, que aumentam a transparências nas negociações e harmonizam regras entre os dois países; está prevista, por exemplo, a criação de um órgão central de coordenação, mas desde já as agências reguladoras de um país terão de ouvir os exportadores do outro país antes de alterar qualquer regra a respeito de produtos. Isso deve levar à remoção de obstáculos desnecessários ao comércio entre Brasil e Estados Unidos. Por fim, também há uma terceira parte do pacote que trata de medidas anticorrupção, o que é praticamente inédito em acordos comerciais.

O impacto das medidas acertadas entre os dois governos em termos de fluxo comercial ainda é incerto, mesmo porque a base de comparação está bastante alterada – o caos econômico causado pelo coronavírus derrubou em 25% o comércio entre Brasil e Estados Unidos nos nove primeiros meses de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado. Ainda assim, entidades empresariais de ambos os países saudaram a medida com entusiasmo. O vice-presidente-executivo da Câmara Americana de Comércio para o Brasil (Amcham), Abrão Árabe Neto, usou dados da Organização Mundial do Comércio para dizer, ao site BBC Brasil, que a facilitação do comércio diminui os custos dos exportadores em até 13%, enquanto a adoção de boas práticas regulatórias pode baixar essas despesas em até 20%.

Um acordo abrangente de livre comércio é o objetivo desejável, mas ainda distante; há entraves de todo tipo, como pressões protecionistas e questões ligadas a barreiras fitossanitárias; o próprio Donald Trump, apesar de sua afinidade com Jair Bolsonaro e de seu discurso em defesa do livre comércio, não hesitou em dificultar recentemente a entrada de produtos siderúrgicos brasileiros, em um aceno à indústria local. Além disso, há as exigências legais, como a já mencionada necessidade de aprovação do Mercosul a qualquer acordo bilateral desse tipo assinado pelo Brasil. Por tudo isso, o pacote acertado entre Brasil e Estados Unidos é o avanço possível neste momento. E era preciso que fosse assinado logo, pois a disputa presidencial norte-americana não permite prever vencedor; com chances reais de que Donald Trump já não esteja na Casa Branca em 2021, assegurar melhores condições de comércio agora, mesmo que não sejam ainda as ideais, é a solução mais pragmática. Se Trump conseguir a reeleição, as negociações poderão continuar de forma mais tranquila; caso o democrata Joe Biden vença, ao menos os empresários dos dois países já terão garantido algum avanço antes de tempos mais complicados na relação entre a Casa Branca e o Planalto.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Marco Polo

    ± 20 horas

    Os dois gigantes das Américas tomam assento para o mesmo sentido: operacionalizar acordos bilateral de benefícios mútuos. Fora o aspecto comercial, ganhamos todos em reforço às liberdades individuais, visto que ambos povos, com poucas exceções seccionadas em corruptos e alienados, primam pela independência, autonomia e soberania de seus respectivos cidadãos!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • C

      Cético

      ± 0 minutos

      Vou acrescentar ao seu comentário o respeito à democracia como característica dos pois povos. De fato corruptos e alienados são o mal do século. Mas o pior de todos é o omisso, o isentão.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vinicius Montgomery de Miranda

    ± 23 horas

    Até que enfim um acordo com os EUA. Ridículo o complexo de inferioridade dos governos anteriores que evitavam a competição e a cooperação com o mais desenvolvido. Chega de parecer aquele garoto mimado que chama a mãe com medo de jogar bola com o colega só porque o colega é mais forte.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    carlos

    ± 23 horas

    Dois ratos, dos quais precisamos nos livrar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JP

    ± 1 dias

    Se o Brasil não melhorar muito, mas muito mesmo, nas relações exteriores e diplomacia, corre o risco de perder os 3 maiores parceiros comerciais: eua, China e Argentina. Será que só tem cegos irresponsáveis no governo?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]