i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial 1

Além da economia

  • Por
  • 24/04/2009 21:02

A redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente sobre os itens da chamada linha branca – geladeiras, freezers, fogões, bebedouros, máquinas de lavar e secadoras – já está apresentando os resultados esperados. Mas as vantagens podem e devem ultrapassar o campo econômico. Paralelamente ao entusiasmo dos fabricantes, do comércio varejista e dos consumidores, o que desenha reflexos positivos para a economia, em razão da cadeia multiplicadora – similar à do setor automobilístico – há que se cobrar rapidez na implantação de um outro programa paralelo, de caráter ambiental, com efeitos mais abrangentes e duradouros.

Perdeu-se, no momento do anúncio da redução de IPI para a linha branca, a oportunidade de tirar do papel a proposta que pretende estimular a troca de geladeiras antigas, que emitem gás CFC (clorofluorcarbono), por outras novas, menos poluentes e mais econômicas. Na proposta que ainda não vingou está prevista, inclusive, a fabricação de um modelo específico de geladeira para consolidar o programa. Embora ainda não tenha sido definido o preço, pelo que adiantou o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, a geladeira ecologicamente amigável deverá custar em torno de R$ 500. A intenção do governo é incentivar a substiuição de geladeiras com 10 anos ou mais de uso. Reduzindo ao máximo o preço das novas unidades, elas se tornarão acessível ao bolso da parcela mais pobre da população, de modo que, no primeiro ano, possa ser trocado 1 milhão de aparelhos e, no segundo, 2 milhões.

Ainda há tempo para que o governo cubra a lacuna. Há duas possibilidades para a data de lançamento do programa: já nas próximas semanas ou ao encerramento do período de vigência da redução do IPI do eletrodoméstico, previsto para daqui a três meses, como forma de continuar estimulando esse segmento da indústria. Embora a pressa seja grande, sabe-se que é importante a montagem de uma aprimorada logística para que o programa logre sucesso em toda a sua cadeia, aliás bastante complexa. Os revendedores terão de recolher os modelos antigos, que serão vendidos a uma empresa especializada. Caberá a essa empresa, por sua vez, retirar o gás poluente e vendê-lo a uma usina. O mesmo precisará ocorrer com a geladeira, que deverá ser repassada a quem atua no ramo do aço.

Espera-se que as pendências sejam rapidamente resolvidas para que não se perca a oportunidade de aliar o incentivo fiscal – tão importante para a manutenção dos postos de trabalho – a uma ação de larga escala, e bastante concreta, para a contenção do efeito estufa. Não se pode esquecer, ainda, do aspecto centrado na defesa do consumidor: por causa da baixa eficiência energética, as geladeiras velhas consomem até 50% mais energia.

É possível fazer girar a roda da economia, cuidar da proteção ambiental e ainda favorecer o consumidor. Por que não?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.