i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A religião na esfera pública e o preconceito “progressista”

  • PorGazeta do Povo
  • 03/10/2020 18:00
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apresenta a juíza do 7.º Circuito dos Estados Unidos, Amy Coney Barrett, como nomeada para a Suprema Corte no Rose Garden da Casa Branca, em 26 de setembro de 2020.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apresenta a juíza do 7.º Circuito dos Estados Unidos, Amy Coney Barrett, como nomeada para a Suprema Corte no Rose Garden da Casa Branca, em 26 de setembro de 2020.| Foto: Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

O presidente norte-americano, Donald Trump, cumpriu a promessa de indicar rapidamente uma mulher para suceder Ruth Bader Ginsburg na Suprema Corte dos Estados Unidos, e escolheu Amy Coney Barrett, juíza do Tribunal de Apelações do 7.º Circuito (os Circuitos são o equivalente às regiões dos Tribunais Regionais Federais no Brasil). A aprovação do nome de Barrett pelo Senado será uma batalha em que os democratas tentarão convencer os republicanos a seguir o precedente que os próprios republicanos estabeleceram em 2016, quando a maioria de oposição no Senado barrou um juiz indicado à Suprema Corte pelo democrata Barack Obama, alegando que aquele era seu último ano de mandato e que a indicação deveria ser feita por quem vencesse a eleição e assumisse a Casa Branca em 2017.

Não é nosso objetivo, aqui, discutir qual a melhor saída para este impasse, mas analisar outro aspecto que salta aos olhos desde que Barrett foi escolhida por Trump. Seu perfil já lhe rendeu diversos adjetivos na imprensa, especialmente “ultraconservadora” – o prefixo não é usado com a mesma frequência quando se trata de autênticos extremistas do outro lado do espectro ideológico. Além disso, afirma-se abertamente que Barrett não pode ser uma boa justice (como são chamados os membros da Suprema Corte) por ser católica convicta, o que a levaria a julgar de acordo com sua fé – um argumento que certamente seria classificado como preconceituoso em muitas outras situações, mas que aparentemente ganha passe livre quando aplicado a cristãos. Assim ocorreu, por exemplo, quando o geneticista Francis Collins, evangélico, foi convidado por Obama para chefiar os National Institutes of Health em 2009. Collins foi desqualificado por cientistas e ateus militantes devido à sua religião, ignorando seu impressionante currículo, que incluía a chefia do Projeto Genoma Humano. A atuação de Collins na agência governamental, no entanto, calou os críticos, e o geneticista está na linha de frente das iniciativas de combate à Covid-19 nos Estados Unidos.

Desqualificar para a vida pública quem leva sua religião a sério é, no fim, desqualificar toda uma parte relevante da população, especialmente em países como os Estados Unidos e o Brasil. Trata-se de postura que, além de preconceituosa e excludente, demonstra agressividade e profunda ignorância histórica, ao esquecer de uma série de grandes personalidades de fé arraigada e que realizaram feitos notáveis nos mais diversos campos, inclusive o político – não raro motivadas justamente pela fé que tinham. De onde, então, surge tamanha hostilidade?

Os ditos “progressistas” combatem a nomeação de uma juíza apontando o risco de que ela coloque as próprias convicções acima da lei, mas aplaudem quando o mesmo comportamento é adotado por magistrados que compartilham de sua ideologia

O laicista radical que gostaria de manter pessoas religiosas longe de cargos públicos parte do pressuposto de que tais pessoas, uma vez investidas de poder, tentarão “impor suas convicções religiosas a todos os demais, independentemente de sua religião”, afirmação quase sempre acompanhada do raciocínio segundo o qual “se determinada religião manda ou proíbe fazer algo, que isso valha para seus seguidores, e que eles não tentem impor a mesma regra a todos os demais”. Mas o que preocupa o laicista não é tanto a possibilidade de a pessoa de fé usar seu cargo para a defesa de um dogma ou a imposição de um preceito religioso. O que realmente incomoda laicistas, “progressistas” e engenheiros sociais são certas posturas em temas como a defesa da vida, a noção de casamento e família, determinados comportamentos, políticas identitárias. Esses, no entanto, não são assuntos que podemos chamar de “religiosos”. São questões éticas ou morais, às vezes até mesmo biológicas e antropológicas, e que dizem respeito a todo ser humano, tenha ou não religião. O fato de igrejas e confissões religiosas às vezes assumirem o protagonismo no debate público sobre tais temas não faz deles “temas religiosos”.

Os “progressistas”, aliás, não se incomodariam com a participação de religiosos na vida pública se os dois grupos estivessem de acordo sobre tais temas – basta ver como partidos de esquerda brasileiros nunca deixam de lançar líderes religiosos como candidatos. O problema, no fundo, não é a presença per se de pessoas de fé na arena pública, mas apenas a dos religiosos dos quais se discorda. Trata-se uma aliança conveniente entre “progressismo” e laicismo para calar as vozes contrárias.

Um dos grandes teóricos contemporâneos da filosofia política, John Rawls – referência, aliás, para muitos “progressistas” –, não vê problema algum na participação de pessoas e instituições religiosas no debate público, defendendo as opiniões que bem desejarem, desde que saibam expressar suas convicções em termos que possam ser compartilhados por aqueles que não têm a mesma fé. Não basta, portanto, pleitear algo porque está nos livros sagrados de determinada confissão ou porque o líder religioso assim o disse; é preciso apelar a princípios que todas as pessoas sejam capazes de compreender, como, por exemplo, a igual dignidade de todos os seres humanos. Foi este o caminho trilhado por um dos exemplos favoritos de Rawls, o pastor e ativista pelos direitos civis Martin Luther King. Ainda que ele empregasse termos religiosos – e não apenas quando falava nas igrejas –, a base de seu discurso era racional e compreensível por qualquer um. Por fim, no caso de um político, as convicções que defende, caso sejam parte importante de sua plataforma, serão submetidas, primeiro, ao crivo dos eleitores; e, depois, encontrarão eco ou resistência no parlamento, onde a lei é construída.

No caso de juízes, no entanto, há uma questão adicional a considerar. Ainda que um magistrado seja capaz de articular da maneira mais racional, mais universalmente compreensível, suas convicções pessoais a respeito de determinado tema, influenciado ou não por sua fé, ele pode simplesmente julgar de acordo com elas? Esta pergunta coloca em uma situação ainda mais constrangedora aqueles que se opõem à indicação de Barrett com base em sua fé. Pois, como lembrou GianCarlo Canaparo em artigo traduzido e publicado pela Gazeta do Povo, eles não apenas são incapazes de citar um único voto da juíza que tenha sido baseado em suas convicções religiosas; eles ainda precisam lidar com o fato de que a escolhida por Trump é uma defensora do chamado “originalismo”, que defende a interpretação da Constituição de acordo com o que está no texto e o que reflete a intenção original do legislador constituinte. E um originalista, portanto, não julga de acordo com suas convicções – independentemente de quais sejam elas, de direita ou esquerda, religiosas ou ateias. “Não acho que um juiz deva torcer a lei para alinhá-la ou para ajudá-la a corresponder de alguma forma às próprias convicções do juiz. (...) Todo mundo tem convicções, todo mundo tem crenças. Isso não é exclusivo para pessoas que têm fé”, afirmou Barrett em entrevista ao site Daily Signal, e há dezenas de outras declarações suas na mesma linha.

E eis a hipocrisia dos ditos “progressistas”, que combatem a nomeação de uma juíza apontando o risco de que, na Suprema Corte, ela coloque as próprias convicções acima da lei, mas aplaudem quando o mesmo comportamento é adotado por magistrados que compartilham de sua ideologia e que, por meio do ativismo judicial que reescreve a lei em vez de interpretá-la, fazem avançar sua plataforma em termos de moral e costumes. É o mesmo debate que se trava no Brasil de hoje, com algumas mudanças na terminologia – os defensores do ativismo judicial, por exemplo, preferem se enxergar como “iluministas”.

Independentemente do debate sobre votar ou não a nomeação ainda neste ano, é inquestionável que Amy Coney Barrett é, sim, uma ótima escolha para a Suprema Corte. Não por ser uma pessoa religiosa, mas pela visão que tem a respeito do papel de um juiz e por como essa visão a guiou em sua carreira na magistratura. A desconstrução que vem sendo feita por setores “progressistas” é resultado de um misto de preconceito – ao desqualificar alguém para um posto devido a sua fé – e hipocrisia, ao condenar um hipotético comportamento que eles mesmos aprovam quando é usado para fazer prevalecerem suas convicções.

19 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 19 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • D

    Dissenha

    ± 10 dias

    "Filosofia política é meramente uma máscara para o egoísmo econômico dos opressores". Assim Karl Marx expõe o "modus operandi" dos progressistas; não há interesse por saúde da mulher, Gays, negros ... é só pretexto obter o poder.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    IvoHM

    ± 10 dias

    O termo "progressista" é só mais um rótulo bonitinho, limpinho e cheiroso, com aparência de humanista, mas não passa de um sinônimo de comunista, esquerdista, socialista, gayzista, feminista, social-democrata, libertário, neoliberal, dentre outras inúmeras denominações que o marxismo se apresenta. Qualquer semelhança com uma certa entidade que vive nas profundezas não é mera coincidência.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    jose rodorval ramalho

    ± 10 dias

    Matéria impecável. Nunca vi pesquisadores esquerdistas fazerem uma crítica a participação política de um Leonardo Boff, Frei Beto ou Helder Câmara. Menos ainda às comunidades eclesiais de base. Portanto, essas supostas críticas ao discurso religioso na esfera pública é puro cinismo e desonestidade intelectual.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Ismael

    ± 10 dias

    Teste

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Antonio Cousseau

    ± 11 dias

    OS PRECONCEITOS, A PERSSEGUIÇÃO, E A INVERSÃO DE VALORES: FAZEM PARTE DESSA GERAÇÃO, INFELIZMENTE...24: 6-8 diz: “E ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; olhai não vos perturbeis; porque forçoso é que assim aconteça; mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino; e haverá fomes e terremotos em vários lugares. Mas todas essas coisas são o princípio das dores” (Mateus 24:6-8). No

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marco Polo

    ± 11 dias

    Essa qualidade que se traduz por hipocrisia, nada mais é do que às falácias dos desajustados revoltosos em mudar o mundo às suas necessidades, jamais o inverso, de tentarem se ajustar à realidade. As pessoas amorais possuem essa facilidade de dualidade moral a depender do que e de como passa por seus interesses. Aqui no Brasil, tais como religiosos e/ou seguidores de seitas e crenças, conseguiram ir atuando por baixo dos panos até meados dos anos 80, quando partiram para o ataque, não mais velado, após a Lei da Anistia e a posse de FHC. A vacina é a instrução, principalmente dos mais carentes, o que permitirá a redução das diferenças sociais e da corrupção de suas cabeças pela esquerdopatia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo Maia

    ± 11 dias

    Excelente artigo. O exemplo histórico da legitimidade da atuação de Martin Luther King desmente essa falácia de que qualquer tipo de ética ou moralidade pode ser utilizada no debate público, menos aquela que possui embasamento religioso. Isso é uma descarada intolerância religiosa, especialmente contra o Cristianismo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Salvador

    ± 11 dias

    Enquanto isto os "progressistas" no Brasil aplaudem a escolha do Doutor Kassio !! apoiado por Toffoli, Gilmar, Ciro Nogueira e OAB...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DENISSON HONORIO DA SILVA

    ± 11 dias

    Pena que esse debate tenha chegado tarde em nosso pais. Muitos desses ministros não estariam no STF. Folos tolos em não atentar após a passagem do poder dos militares para os civis. Diziam que tudo seria maravilhoso, a democracia traria o mana e prosperidade. Mas estavamos com inimigo em pele de cordeiro, sujeitaram-nos ditames esquerdistas que tornaram a sociedade ainda mais doentia. A criminalidade nunca diminiu, os indices educacionaisnficaram restritos a saber e ler temas marxistas. Buscar apenas na escravidão e a herança colonial portuguesa o motivo das desigualdades sociais. Sim, os iluminados, discipulos de Voltaire, Condoncert, Rousseau, imbuidos de recalque e narcisistas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Destemido

    ± 11 dias

    Um juiz que leva a sério e põe em prática aquilo que acredita é muito mais valoroso para uma nação e para a aplicação correta da justiça do que um juiz ateu corrupto progressista.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Marco Polo

      ± 11 dias

      Poucas coisas são piores que um corrupto. Progressista é redundância. No entanto, suponho que um cidadão, independente da crença, mas que seja honesto, bem preparado e acostumado à decisões imparciais, é o ideal para a assunção de qualquer cargo em qualquer instância pública!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sérgio Guerra

    ± 11 dias

    Uma cristã progressista? Carimbo. Imagino se indicasse um negro da África ou um japonês do Japão ou ainda um polaco da Polônia? Talvez um americano de nova York? Ta muito chato viver neste planeta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcelo M

    ± 11 dias

    Perfeito, o que comprova o uso da linguagem, pelos "progressistas", distorcido em um sem-fim de retóricas, para impor e atingir sua pauta. Eles nunca desistem dessas taticas, por isso as pequenas distorções como gênero neutro e politicamente correto precisam ser implacavelmente combatidas. E também que não se negocia com a esquerda, o único dialogo é nas urnas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eder Oliveira Cardoso

    ± 11 dias

    Como Cristão que sou, estou feliz pelo texto, más como a Bíblia mesmo fala, nós estamos nos tempos finais, e a agressividade e rejeição aos Cristão só vai aumentar. Para os Cristão Ativos, fica a função de testemunhas do Deus Vivo, para os que não o conhece, a saber Jesus Cristo Salvador.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    C. H. Modesto

    ± 11 dias

    Achei excelente a ideia de usar o termo PROGRESSISTAS entre aspas. Porque a palavra denota positividade e muistas pessoas caem no erro de associar diretamente o progressismo como uma coisa boa ou "o lado bom". Recentemente eu tenho usado bastante o termo MUTUALISTAS para me referir a essas pessoas

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 12 dias

    Progressista/esquerdista é a criatura mais asquerosa, desprezível e abjeta que pode existir!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • R

      Renato Werner

      ± 0 minutos

      Excelente texto!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • D

      Destemido

      ± 11 dias

      Vai pro 247... lá vc vai ficar feliz com as desinformações

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • N

      NH4NO3

      ± 11 dias

      Huuummm. senti cheiro de estrume no ar ....... Te manca. A direita, em qualquer lugar do mundo, é desaculturada e usa a religião para amealhar votos dos bobos. Quem tá ligado, não vota na direita. Não quer dizer que a esquerda é santa, nem quer dizer que esta esquerda se resume ao PT. A bem da verdade, a direita só tem planos (ocultos) para si mesma. Não pagam impostos, não honram leis trabalhistas (aliás, dizem que a lei é um atrapalho), não tem consideração pelo bem estar dos funcionários (acham que a lei é um atrapalho). A direita é tosca e em 2018 teve a chance de fazer alguma coisa de bom pelo país como um todo, mas não tem jeito: pensam só em si e em se perpetuar no poder, igual ao PT.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.