Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Diante do protesto de caminhoneiros que desejam a renúncia da presidente Dilma Rousseff, o governo reagiu mais uma vez abusando do direito de editar medidas provisórias. O texto publicado no Diário Oficial de quarta-feira, que altera o Código de Trânsito Brasileiro, só pode ser lido de uma forma: como uma retaliação ad hoc a um movimento hostil à presidente. A multa para o bloqueio de estradas subiu de R$ 1.915 para R$ 5.746; os organizadores dos bloqueios podem ter de pagar até R$ 19.154. Em alguns casos, o caminhoneiro não poderá contrair financiamento para compra de veículos por dez anos. A reação do governo – já contestada pela oposição no Congresso –, bem como a repercussão da paralisação dos caminhoneiros, é sinal de que aos poucos se está perdendo a capacidade de avaliar as ações pelo que elas realmente representam; o critério de certo e errado passou a ser pessoal: a filiação ideológica daqueles que agem e daqueles que são prejudicados pelos atos. Assim, uma mesmíssima modalidade de protesto é considerada defensável ou ilegítima dependendo única e exclusivamente de quem são os participantes e de quem são os alvos – é praticamente a aplicação do duplipensamento consagrado por George Orwell em 1984.

Por mais que discordemos dos métodos do movimento dos caminhoneiros – como explicamos no editorial de quarta-feira, dia 11 –, é inegável que o mesmo governo que emprega a mão pesada contra eles age de forma muito diferente quando as estradas são bloqueadas por grupos aliados ao petismo, como o Movimento dos Sem-Terra, ou minorias que contam com a simpatia do Planalto. A manchete de um site humorístico de notícias fictícias segundo a qual “para terem direito de protestar em rodovias, caminhoneiros se disfarçam de MST” nada mais é que a aplicação perfeita do adágio latino Ridendo castigat mores: por meio do humor, escancaram-se os maus hábitos – no caso, os maus hábitos de um governo que só aplica a lei quando se trata de seus adversários, não de seus aliados. O empenho que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, coloca contra os caminhoneiros que bloqueiam estradas jamais é visto em situações idênticas nas quais é o MST, ou qualquer outro dos “movimentos sociais”, a agir da mesma forma. Pelo contrário: tais movimentos são repetidamente prestigiados pelo governo, mesmo quando levam a baderna às portas do Palácio do Planalto, como ocorreu em fevereiro de 2014.

Avaliar a moralidade de uma ação pelo único critério das pessoas envolvidas, e não pela ação em si, é um caminho não só incoerente, mas também perigoso

O mesmo duplipensamento é aplicado pelos aliados do governo, tenham ou não atuação pública. É por isso que políticos, militantes e simpatizantes do petismo veem com bons olhos a repressão aos bloqueios dos caminhoneiros, mas defendem bloqueios idênticos quando realizados pelos “movimentos sociais”. É por isso que as mesmas pessoas que em 1992 participaram do “fora Collor” e também gritaram “fora FHC” qualificam como “golpistas” os que agora pedem o impeachment da presidente Dilma. Nos três casos, trata-se do recurso ao mesmíssimo instrumento constitucional (e, no caso de Dilma, os motivos para tal parecem ser ainda mais evidentes que nos casos de Collor e FHC); por que, em dois deles, a ação era plenamente justificável, mas no caso mais recente trata-se de “golpe” ou “atentado à democracia”?

Mas a falta de coerência não se observa apenas no governo e entre os que o apoiam. Exemplo disso está na maneira como muitos que são contrários a Dilma e pedem seu impeachment reagiram à paralisação dos caminhoneiros, apoiando entusiasticamente um movimento que recusa negociação, tenta forçar uma renúncia presidencial e viola o direito alheio de ir e vir. Se a mesmíssima ação fosse articulada pelo MST, essas pessoas estariam clamando pela restauração da lei e da ordem; mas, como o objetivo é atingir Dilma, de repente essa atitude se torna justificada e até mesmo elogiável.

Como se vê, avaliar a moralidade de uma ação pelo único critério das pessoas envolvidas, e não pela ação em si, é um caminho não apenas incoerente, mas até mesmo perigoso: quem hoje elogia e incentiva um movimento apenas por ser feito pelos “nossos” contra os “deles” pode estar do outro lado desta equação num futuro muito próximo e não terá autoridade moral para reclamar. Essa autoridade moral só vem quando há a capacidade de analisar as atitudes pelo que elas realmente são, e restaurar essa capacidade é essencial se queremos tirar o país do atoleiro moral em que foi colocado justamente pelos que relativizam as piores atitudes quando cometidas pelos companheiros de grupo ou ideologia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]