i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Lavagem de dinheiro e o combate à corrupção

  • PorGazeta do Povo
  • 07/10/2020 18:50
Em nota, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, criticou o uso do território brasileiro pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, para atacar a Venezuela.
Rodrigo Maia não escolheu nenhum membro da Polícia Federal, Receita Federal ou Coaf para comissão que vai sugerir mudanças na lei da lavagem de dinheiro.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acha que a legislação atual sobre o crime de lavagem de dinheiro tem problemas e precisa ser alterada. Por isso, há cerca de um mês mandou instalar uma comissão com 43 nomes, e chama a atenção a composição bastante peculiar do grupo: 24 membros (ou seja, mais da metade) são advogados, e 18 deles atuaram nas defesas de acusados desse crime, como o ex-presidente Lula, o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha e o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Uma desproporção que pode promover mais um retrocesso no combate à corrupção, entre os tantos que já vêm ocorrendo pelas mãos do Legislativo e do Judiciário.

Entre os problemas que Maia enxerga na legislação atual está o fato de ela permitir que o caixa 2 eleitoral também seja considerado crime de lavagem de dinheiro, o que rende punição maior aos envolvidos – de 3 a 10 anos de prisão, contra 1 a 5 anos para o caixa 2, tipificado pela legislação eleitoral como falsidade ideológica. Ocorre que, dependendo das circunstâncias em que se dão as transações ilícitas, efetivamente é o caso de se falar em lavagem de dinheiro, não havendo o que Maia descreve como “alargamento do tipo objetivo do crime de lavagem contrário à lei e em afronta ao princípio da subsidiariedade do direito penal, promovendo condenações em casos que extrapolam a previsão legislativa”.

Com maioria absoluta de advogados e sem membros da PF, Receita ou Coaf, a comissão criada por Maia é extremamente desproporcional

É da natureza da bandidagem se esforçar para estar um passo à frente da lei, e com a corrupção não é diferente, exigindo, por vezes, que a legislação seja atualizada – a comissão deverá analisar, por exemplo, as possibilidades de lavagem de dinheiro por meio de criptomoedas e do pagamento de honorários advocatícios. Mas é gritante a desproporção criada por Maia ao designar os membros do grupo responsável por rever a lei de lavagem de dinheiro, com 24 advogados contra seis membros do Ministério Público, três ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), nove juízes e desembargadores, e uma deputada federal. Uma única categoria, portanto, tem maioria absoluta e poderá emplacar qualquer tese que desejar, o que é ainda mais absurdo considerando-se que vários outros órgãos e entidades com experiência na investigação de crimes de lavagem de dinheiro foram ignorados na montagem da comissão, como a Polícia Federal, a Receita Federal e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), especializado na identificação de transações suspeitas.

E, dada a atuação da maioria dos advogados indicados, não seria surpreendente se o anteprojeto que a comissão tem de entregar previsse um afrouxamento na lei. Isso não quer dizer, nem de longe, que os advogados integrantes da comissão estariam agindo com a intenção explícita de facilitar a vida dos criminosos que lavam dinheiro, inclusive irrigando campanhas eleitorais com os valores ilícitos. É muito mais provável, na verdade, que eles estejam sinceramente convictos de que a lei atual gera confusão e que as interpretações recentes do Judiciário estejam equivocadas, pendendo para um rigorismo do qual eles discordam. Mas é inegável que, se as teses defendidas por esses advogados nos tribunais se tornarem a letra da lei, haverá um efeito daninho inclusive nos casos já julgados, pois mudanças legais retroagem quando beneficiam os réus.

O resultado do trabalho dessa comissão ainda precisará ser submetido ao crivo dos parlamentares. É bem verdade que, em casos anteriores, o trabalho de comissões semelhantes teve como destino a gaveta de algum congressista – o caso mais notório talvez seja o de uma desastrosa reforma do Código Penal montada por uma comissão de juristas nomeada em 2012 pelo então presidente do Senado, José Sarney. Mas a reforma da lei de lavagem de dinheiro pode ter um fim diferente, a julgar pela insistência do Congresso em tentar votar pautas como uma anistia indireta aos crimes de caixa 2. Além disso, a bancada da impunidade tem colecionado algumas vitórias recentes, como nos casos da Lei de Abuso de Autoridade e da desfiguração do pacote anticrime do ex-ministro Sergio Moro, e está mais confiante. Por isso, a sociedade precisa estar atenta desde já ao que vier desta comissão.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    JP

    ± 0 minutos

    Que delícia! Eu mesmo faço a lei para determinar se o que eu faço é ou não é crime!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo

    ± 3 dias

    A sociedade precisa estar atenta? O que o cidadão pode fazer? Ir pra rua? Aí o STF abre inquérito por atos antidemocraticos. A imprensa precisa entrevistar esses ********** e perguntar porque estão legislando em causa própria. Mas infelizmente a maior parte da imprensa apenas noticia como se fosse uma coisa normal. A sociedade, para surtir efeito, deveria então invadir Brasília e expulsar aqueles ********** do Congresso. Sem isso nada adianta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pzig

    ± 3 dias

    Comentar o que? Deu ânsia de vomito...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.