i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial 1

Lições valiosas

  • Por
  • 27/08/2010 21:01

O Paraná está um pouco mais perto daquele que queremos. Esse é o sentimento de todos os que tomaram conhecimento da decisão do ministro José Antonio Dias Toffoli, do Su­­premo Tribunal Federal (STF), de autorizar o Mi­­nistério Público Estadual e a Polícia Fe­­deral a prosseguir o inquérito criminal que apura irregularidades na contratação de servidores fantasmas e desvio de verbas públicas na Assembleia Legislativa. Tal in­­quérito estava paralisado desde junho passado, por decisão do mesmo ministro, que entendeu que as providências até então em curso eram nulas por se constituírem em mera continuidade de um processo antigo que já tramitava no STF.

Na última quinta-feira, porém, soube-se que o próprio Toffoli considerou equivocada a decisão anterior e, atendendo a argumentações novas constantes de recurso interposto pelo Ministério Público, determinou a continuidade das investigações e reconheceu a legitimidade das medidas já adotadas – dentre as quais a da prisão do principal mentor das irregularidades constatadas no Legislativo, o ex-diretor-geral Abib Mi­­guel (o Bibinho), além de outros servidores da Casa. Como resultado dessa revisão, na mesma quinta-feira, voltou para a mesma cela que ocupava no quartel-general da Polícia Militar.

Coincidentemente, essa notícia ocorreu na mesma semana em que a Assembleia Legislativa, em sessão histórica, aprovou o projeto que institui a Lei da Transparência no âmbito dos Poderes estaduais, obrigando-os a tornar públicas e de fácil acesso todas as informações e atos que representem despesas para o erário. O texto legal foi elaborado pela Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Paraná (OAB-PR), e pela Associação Para­­na­­ense de Juízes Federais (Apajufe) – uma iniciativa que, nascida no seio da sociedade, foi abraçada por três parlamentares que o transformaram em um projeto legislativo, o qual, após passar pelas comissões temáticas da Casa, foi aperfeiçoado e aprovado por 46 dos 54 deputados estaduais.

Tanto um fato como outro são fruto in­­conteste do movimento "O Paraná que Que­­remos", nascido a partir das pesadas denúncias publicadas ao longo da série "Diários Secretos" desta Gazeta do Povo e dos demais veículos da Rede Paranaense de Comunicação (RPC). Ganhando o apoio formal de milhares de empresas e pessoas físicas, o "Paraná que Queremos" levou uma multidão à praça pública para exigir a transparência e a moralização das condutas na Assembleia Legis­­lativa – uma intensa mobilização que agora culmina com a importante decisão do STF e com a Lei da Transparência.

De tudo se extraem lições valiosas. Uma delas, a de que, sob o regime democrático e com uma imprensa independente, é possível informar e conscientizar a sociedade sobre fatos que lhe eram sonegados pelos porões; outra, a de que a mobilização popular e de entidades civis é capaz de influir e promover a moralização das instituições, o aperfeiçoamento da democracia e, consequentemente, para o respeito que a sociedade merece.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.