i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial 1

Nações Unidas em xeque

  • Por
  • 10/02/2010 21:01

A apreensão da comunidade internacional em relação à iniciativa do Irã de estabelecer um novo programa nuclear de larga escala, com o enriquecimento de urânio a 20% e a construção de outras dez usinas, chegou a limites que lembram muito bem a época da Guerra Fria. Tanto que as potências ocidentais, lideradas pelos Estados Unidos e França, deram por encerradas as atuais negociações nucleares com o Irã e pediram ao Conselho de Segu­­rança das Nações Unidas novas e mais severas sanções contra Teerã.

O comunicado do Irã à ONU sobre o desdobramento de seu programa nuclear colocou o Oriente Médio em estado de alerta. Com exceção da Síria, que mantém uma aliança estratégica com Teerã, todos os de­­mais estados árabes deixaram clara a grande preocupação com as ambições nucleares daquele país. Um Irã armado com ogivas nucleares e um arsenal de mísseis de médio e longo alcance, tendo como líder o radical Mahmoud Ahmadinejad, presidente do país, significaria uma ameaça direta à ordem regional e à estabilidade dos governos.

Como resultado, a declarada ambição do regime iraniano de alcançar a hegemonia regional está deflagrando uma corrida armamentista. Já que os Estados árabes aliados ao Ocidente têm a convicção de que o programa nuclear civil de Teerã é apenas um pretexto para construir armas nucleares de guerra. Diante disso, nos últimos meses, a maioria dos países do Golfo Pérsico buscou, silenciosamente, garantias estratégicas dos Estados Unidos e adquiriu os mais modernos equipamentos militares da atualidade. Segundo o Instituto Internacional de Estudos Estraté­­gicos do Reino Unido, os governos dos Emi­­rados Árabes Unidos e da Arábia Saudita in­­vestiram em armas R$ 17,4 bilhões e R$ 15,6 bilhões, respectivamente, para fazer frente a esta situação.

Mesmo com as evidentes tendências do belicismo nuclear do Irã, a questão diplomática não é tão simples. Estados Unidos e França estão exigindo que o Conselho de Segurança da ONU deve impor novo lote de sanções econômicas e comerciais ao Irã (já submetido a três ciclos de punições desde que dissidentes denunciaram uma parte oculta do programa nuclear de Teerã, em 2002). A possibilidade de novas sanções, no entanto, pode esbarrar nos governos de China e Rússia. Não está claro se endossarão resoluções punitivas no Conselho, onde têm poder de veto. Os dois países, geralmente se abstêm de apoiar punições contra o aliado Irã.

A posição do governo brasileiro também é mais um fato complicador. O Brasil havia assumido o papel de interlocutor entre o Irã e o Ocidente, com a recente vista de Mahmoud Ahmadinejad ao país. Contudo, o Itamaraty ainda defende um acordo entre os dois países para a troca de urânio enriquecido por combustível nu­­clear com o Irã. A diplomacia europeia apon­­ta a atitude brasileira como um empecilho à aprovação de novas sanções a Teerã, mas os EUA estão tentando fazer o Brasil mudar de posição, porque só uma decisão em bloco vai garantir as novas sanções.

A verdade é que, diante deste quadro, só um firme posicionamento do Conselho de Segurança da ONU, impondo novas sanções ao Irã, vai mudar este quadro belicista, ge­­rado pela arrogância política do presidente Mahmoud Ahmadinejad. Caso o contrário, a impressão que fica é que a ONU só serve para figuração. Além disso, o Brasil, ao apoiar o Irã neste perigoso intento, está demonstrando mais uma vez que o Itamaraty na era Lula representa um fiasco para a diplomacia do país.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.