i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial 2

Não fez falta

  • Por
  • 01/01/2009 21:02

Ninguém gosta de pagar impostos, um comportamento que acompanha a humanidade desde que os tributos foram inventados há milênios. A educação tributária, algo próprio do processo civilizatório, pelo qual o homem passou a entender que a contribuição de cada um pode beneficiar o todo, é frequentemente conspurcada pelo evidente mau- uso que governos fazem do que arrecadam. E o que seria um ato de justiça social e de distribuição de benefícios passa a ser encarado pelo contribuinte como um assalto ao seu bolso. Este argumento é um dos mais poderosos para justificar o crime da sonegação. Mas se é ruim e doloroso sofrer as mordidas do fisco, pior ainda é pagar a mais ou o que não seria necessário. Tudo isso vem a propósito do aniversário completado ontem do fim da CPMF – tributo que o governo federal considerava indispensável em seu caixa. Os contribuintes brasileiros agora podem ter certeza de que pagavam além do necessário e do justo, pois mesmo sem a CPMF, a carga tributária brasileira chega ao fim do ano batendo um novo recorde. A arrecadação no exercício chegará a 35,5% do Produto Interno Bruto (PIB), o que significa 0,7% ponto porcentual a mais do que os 34,8% de 2007.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.