i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O custo do crescimento

  • PorGazeta do Povo
  • 27/04/2020 18:52
Governo quer estimular obras de infraestrutura com verba pública no programa Pró-Brasil. Na imagem, registro da obra daferrovia Transnordestina.
Obra da ferrovia Transnordestina: governo quer estimular obras de infraestrutura com verba pública no programa Pró-Brasil.| Foto: Delfim Martins/Blog do Planalto

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem dito que o Brasil terá uma trajetória em “V”, ou seja, os efeitos da pandemia do coronavírus vão piorar muito a atividade econômica, mas o país não passará muito tempo no fundo do poço (evitando, assim, uma “trajetória em U”), voltando a crescer rapidamente. É o que todos desejamos, mas para isso é preciso haver um planejamento abrangente e inteligente, com papéis bem definidos e prognósticos realistas a respeito do que pode ser feito, com que dinheiro e de quem será o protagonismo.

Uma coisa, portanto, são as ações emergenciais para que a perna decrescente do “V” não seja longa demais, indicando uma queda forte: trata-se de preservar o máximo possível de empregos e manter vivo o maior número possível de empresas. Outra coisa é o plano de retomada do crescimento econômico, que até o momento se concentra no Pró-Brasil, anunciado na semana passada e que tem um forte viés nas obras de infraestrutura. Considerando a quantidade de obras públicas paradas país afora, é uma escolha que faz sentido, mas que apresenta uma série de dificuldades.

A retomada exige planejamento abrangente e inteligente, com papéis bem definidos e prognósticos realistas a respeito do que pode ser feito, com que dinheiro e de quem será o protagonismo

A primeira delas está no fato de que os responsáveis pelo Pró-Brasil – que será liderado não pelo Ministério da Economia, mas pelas pastas da Casa Civil e da Infraestrutura – parecem contar com um dinheiro ainda incerto, como os R$ 250 bilhões em concessões e parcerias público-privadas. “Vamos dar continuidade a coisas que já estavam andando, por exemplo, o vigoroso programa de concessões”, afirmou no lançamento o ministro Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura. O calendário dos leilões não sofreu alteração, mas no mesmo dia do anúncio do Pró-Brasil o secretário de Desestatização, Salim Mattar, tinha afirmado que não havia “clima” para uma série de operações como privatizações e venda da participação da União em estatais e empresas privadas em 2020. Se os grandes players nacionais e internacionais do setor de infraestrutura – que, em circunstâncias normais, teriam interesse nas concessões e PPPs – colocarem o pé no freio em seus investimentos no futuro próximo, o grosso do Pró-Brasil corre risco.

Isso daria uma relevância maior ao gasto direto do poder público, previsto para ser de R$ 30 bilhões em três anos; o governo diz já ter uma lista de 70 obras que já têm projetos de engenharia e licenciamento ambiental encaminhados. O desafio, aqui, está em conseguir o dinheiro sem estourar ainda mais o orçamento – em 2020, o estado de calamidade pública dá ao governo margem para gastos maiores, mas e depois? Há um ajuste fiscal a realizar e um teto de gastos a respeitar. Em entrevista coletiva na segunda-feira, Guedes defendeu que os investimentos sejam realizados sem perder o horizonte do ajuste que precisa ser feito. “Para que falar em derrubar o teto, se é o teto que nos protege contra a tempestade? (...) Infraestrutura é importante e faremos [investimentos], mas sempre dentro da responsabilidade fiscal”, afirmou.

Se o governo quer demonstrar que já está planejando a retomada do crescimento – e é mesmo algo que precisa ser feito o quanto antes –, também precisa ir além do que, no momento, parece ainda uma enorme carta de intenções em que se sabe apenas o volume de investimento planejado e o número de empregos que se pretende criar, nada mais. Compreende-se a importância do gasto público em um momento excepcional como este, mas o alerta de Guedes precisa ser ouvido: “O excesso de gastos corrompeu e estagnou a economia brasileira”. Mesmo as melhores intenções, sem um bom planejamento, acabarão frustradas, trazendo consequências negativas para a confiança que o Brasil começava a reconquistar no mercado internacional com sua agenda reformista.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Meuricks

    ± 4 horas

    Concordo com Guedes quando diz que o excesso de gastos públicos pode ser problemático para o país a longo prazo, porém olha nossa infraestrutura e quanto temos espaço para crescer.. ferrovias tanto de carga quanto de passageiros... Rodovias hidrovias etc... Acho que o governo pode sim começar com alguns investimentos em infra e depois desacelerar quando a iniciativa privada voltar, ajudando a reduzir o custo Brasil.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]