Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Este jornal deu como manchete de sua edição do último domingo a revelação de que o Paraná já perdeu pelo menos R$ 1,3 bilhão de recursos do PAC – o Programa de Aceleração do Crescimento do governo Lula – para investimentos no estado até o fim deste ano. O valor corresponde a cerca de 8% do montante previsto em 2007, quando o PAC foi lançado, de R$ 16 bilhões. Pior: dos 20 projetos que estavam definidos na ocasião, apenas 3 foram concluídos; os demais caminham em marcha lenta, sequer foram iniciados ou, então, simplesmente cancelados.

Tecnicamente, esse baixo desempenho encontra diversas explicações, dentre as quais os entraves financeiros, obstáculos ambientais e má gestão dos contratos. Mas ficou por conta do ministro do Pla­­nejamento, o paranaense Paulo Bernardo, que, juntamente com a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, é um dos coordenadores do PAC, uma explicação que adentra a área política: as poucas obras previstas e os atrasos no cronograma devem-se, em grande parte, também ao pouco empenho do governador Roberto Requião.

Literalmente, disse o ministro: "Muitas pessoas me perguntam por que há menos obras do PAC no Paraná do que em outros estados. É porque há governadores que brigam e vêm aqui para Brasília discutir com os ministros e com o presidente, para obter investimentos em infraestrutura. O Paraná não tem dado tanta ênfase nesse aspecto".

Foi o que bastou para seguir-se uma troca de farpas entre o autor da frase e o governador responsabilizado pela performance insuficiente do PAC. Coerentemente, os petardos disparados por Requião ficaram bastante abaixo da virtuosa linha de firmeza que se deveria esperar de um alto mandatário público e descambou para aquele linguajar característico não recomendado pela liturgia nem reproduzível neste espaço.

Não é objetivo deste comentário imiscuir-se nes­­sa discussão de caráter pessoal, mas de reconhecer que, ao personalizar em Requião a responsabilidade pela preterição do Paraná, relativamente a outros estados, nas obras do PAC, o ministro Paulo Bernardo acabou por expor um problema que não tem nada de novo: os paranaenses, com ênfase para a atuação de seus políticos, lutam muito pouco pelos interesses do estado.

Multiplicam-se os exemplos históricos em que, por falta de empenho de nossos representantes, o Paraná deixou de auferir benefícios aos quais tinha direito ou legitimidade para pleitear. Já se passou, apenas para citar um exemplo clássico, o tempo em que seria politicamente viável federalizar as universidades estaduais, cujo peso financeiro para sua manutenção impede o estado de investir recursos em áreas da educação que são de sua constitucional competência.

Da mesma forma, ano após ano, o Paraná é sacrificado no bolo da distribuição das verbas e programas do Orçamento da União. Estados com o mesmo perfil econômico ou até melhor providos de recursos próprios auferem transferências muito mais substanciosas – a despeito de contribuírem muito menos que o Paraná para a formação da riqueza nacional. Não há como desconhecer que este resultado negativo se deve principalmente à timidez com que defendemos nossos interesses ou ao desvio de nossas energias, tradicionalmente consumidas nas brigas de aldeia entre os que deveriam nos representar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]