Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O presidente da COP-26, Alok Sharma, é aplaudido na sessão de 13 de novembro da conferência do clima, em Glasgow.
O presidente da COP-26, Alok Sharma, é aplaudido na sessão de 13 de novembro da conferência do clima, em Glasgow.| Foto: Robert Perry/EFE/EPA

As negociações não foram fáceis, a ponto de o encerramento da COP-26 ter sido adiado em um dia, mas a conferência do clima realizada em Glasgow, na Escócia, terminou com um acordo assinado por 197 países sobre a “descarbonização” do planeta. Como em toda negociação que inclui grupos de interesse tão diversos, que vão de ambientalistas a países poluidores ou produtores de combustíveis fósseis, o palavreado de tais documentos acaba enfraquecido e a abundância de metas não parece vir acompanhada de clareza no caminho que se deve seguir para atingi-las.

O objetivo principal continua sendo o de impedir que a temperatura média do planeta em 2100 supere em 2 graus Celsius (de preferência, que não passe de 1,5ºC) a média pré-Revolução Industrial; um grupo de ONGs afirma que, no ritmo atual de execução das políticas ambientais, o mundo chegará à virada do século 2,7ºC mais quente que na era pré-industrial; e, mesmo que as inúmeras promessas de curto prazo feitas por governos sejam cumpridas, o aumento será de 2,4ºC. Ou seja, o ritmo da “descarbonização” precisaria avançar, e muito – e é aqui que começam os problemas, já que a conta é grande demais e não há quem esteja disposto a pagá-la no lugar dos que não têm condições de fazê-lo.

É ilusório crer que uma nação pobre aceitará ser mantida no subdesenvolvimento eterno para cumprir metas ambientais impostas de fora

O acordo assinado no sábado pede reduções “rápidas, profundas e sustentadas nas emissões de gases do efeito estufa, incluindo de dióxido de carbono em 45% até 2030, em relação ao nível de 2010, e para zero em meados do século”. Cumprir tal meta passa necessariamente por um corte drástico no uso de combustíveis fósseis como carvão e petróleo; o documento fala em “acelerar o desenvolvimento, implantação e disseminação de tecnologias e a adoção de políticas para a transição para sistemas de energia de baixa emissão, incluindo o aumento rápido da implantação de geração limpa de energia e medidas de eficiência energética” e em “reduzir” o uso dos combustíveis fósseis, e é aqui que as divergências se acentuam.

Obviamente, países produtores de carvão e petróleo, como Austrália, China, Rússia e Arábia Saudita não aceitariam pacificamente políticas que desvalorizem sobremaneira suas commodities. Em um sinal do Zeitgeist corrente, tais nações não foram capazes de retirar do acordo a menção aos combustíveis fósseis – o máximo que conseguiram foi trocar um “eliminar” por “reduzir”. Mas este não é o principal problema. A corrida por energia limpa é de suma importância, mas a marginalização imediata do combustível fóssil deixará para trás inúmeras nações mais pobres que, para se desenvolver, dependem dessa energia – que, se não é tão barata quanto a hidrelétrica, por exemplo, ainda custa menos que todas as demais opções “verdes”. São nações que, sozinhas, não serão capazes de fazer a transição para uma economia de baixo carbono sem ameaçar seu crescimento. E mesmo a busca por energia limpa não é isenta de controvérsias, como no caso da energia nuclear.

E o mundo desenvolvido já mostrou que não tem tanta disposição de colaborar com o resto do planeta: os investimentos prometidos em conferências anteriores – especialmente a COP-21, de 2015, na qual surgiu o Acordo de Paris – não vieram na quantidade necessária, a ponto de o documento da COP-26 incentivar os países ricos a “pelo menos dobrar a provisão coletiva para o financiamento de adaptação climática de países em desenvolvimento dos níveis de 2019 até 2025”. Em Glasgow, Estados Unidos e União Europeia bloquearam o uso de parte do dinheiro movimentado no mercado de carbono para financiar a adaptação de países mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas.

O dilema, portanto, continua: sem envolver também a transição energética nos países pobres e emergentes, qualquer meta de “descarbonização” do planeta não tem como ser atingida. E tais países não serão capazes de realizar a transição cobrada por ambientalistas e por alguns governos sem ajuda financeira do mundo desenvolvido. É ilusório crer que uma nação pobre aceitará ser mantida no subdesenvolvimento eterno para cumprir metas ambientais impostas de fora. No enfrentamento da crise climática, a cooperação, princípio importante do sistema internacional, tem sido mais pregada que praticada até o momento. O mundo já viu muitas promessas e os anúncios de metas como os feitos na COP-26; falta ver tanta sinalização de virtude transformada em ação real.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]