i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O governo e a política cultural

  • PorGazeta do Povo
  • 17/11/2019 18:00
O governo e a política cultural
| Foto: Henry Milléo / Gazeta do Povo

O governo tem o direito de direcionar o apoio que dá à produção cultural de um país? Essa pergunta vem à tona com as críticas dos opositores do presidente Jair Bolsonaro à maneira como ele tem lidado com os incentivos à cultura e órgãos como a Fundação Nacional de Artes (Funarte) e a Agência Nacional de Cinema (Ancine). A redução do orçamento do Fundo Setorial do Audiovisual para 2020, prevista em projeto de lei, foi vista, por exemplo, como um “ataque” do presidente ao setor, por mais que os cortes estejam afetando indiscriminadamente várias áreas do governo. Em abril, o governo reduziu drasticamente o valor máximo de projetos contemplados pela Lei Rouanet, com o objetivo de descentralizar os incentivos e privilegiar produções com ingressos mais baratos. Em outras ocasiões, Bolsonaro já criticou o apoio estatal à produção de determinados filmes. Ainda que a prática atual do governo seja menos hostil que o discurso de campanha, que costumava enxergar em instrumentos como a Lei Rouanet algo a destruir, o presidente não descartou a hipótese de até mesmo extinguir a Ancine caso os filtros para decidir quais obras devem receber apoio não pudessem estar alinhados aos “preceitos que a maioria da sociedade vivencia”, na definição do porta-voz Otávio Rêgo Barros.

A pergunta que abre este texto está intimamente ligada a outra: cabe ao Estado apoiar a produção cultural? Diferentes correntes da filosofia política dão respostas diferentes a essa questão. Um libertário, por exemplo, negará logo de início a simples possibilidade de o Estado apoiar a cultura, pois enxerga nisso uma intromissão indevida em uma atividade que deve ficar a cargo do setor privado. Também muitos liberais de matiz antiperfeccionista farão objeções à participação do Estado no setor cultural, alegando que ela corresponde a uma escolha que reflete concepções abrangentes de valores, o que, segundo essa visão, não cabe ao poder público fazer. Por que incentivar (pensam eles) a cultura, e não o agronegócio, ou a produção industrial?

É possível que o poder público considere o acesso à cultura um valor importante, que precisa ser estimulado e facilitado à população, e há casos em que apenas a ação estatal pode viabilizar este acesso

Outra vertente do liberalismo, a perfeccionista, tem uma resposta a nosso ver mais adequada. De fato, o protagonismo no campo cultural, produzindo, patrocinando e divulgando a cultura, precisa ser do setor privado. Mas é possível que o poder público considere o acesso à cultura um valor importante, que precisa ser estimulado e facilitado à população, e há casos em que apenas a ação estatal pode viabilizar este acesso. Quando é assim, não há motivo para que o Estado se abstenha de incentivar a vida cultural de um país.

Há inúmeros mecanismos para se oferecer esse apoio, desde o aporte direto de recursos até opções como a Lei Rouanet, e que parte de um princípio completamente liberal: uma vez aprovado determinado projeto, seus produtores buscam patrocínio de empresas e pessoas físicas, que podem abater esse valor dos impostos que deveriam pagar. Em outras palavras, o empresário ou o contribuinte ganham poder de escolha sobre o uso de um dinheiro que terão de desembolsar de qualquer maneira; podem pagar seus impostos normalmente, e deixar que o Estado decida onde gastará esse valor, ou podem direcionar pelo menos parte desse gasto a um projeto cultural escolhido pela própria pessoa ou empresa, algo no qual ela acredite e deseje incentivar.

Uma questão mais complexa é a possibilidade de o governo, em qualquer dos modelos, impor determinados critérios qualitativos para escolher que manifestações artísticas apoiar. O já citado liberalismo antiperfeccionista, ao negar ao Estado a possibilidade de estabelecer qualquer tipo de restrição que indique haver uma concepção, por parte do poder público, a respeito do que é bom, belo ou valioso, deixaria o Estado de mãos amarradas. Ainda que um liberal desta corrente aceite a participação do poder público no ramo cultural, essa participação teria de ocorrer segundo diretrizes bem estritas: o gestor teria de apoiar qualquer produtor que batesse à sua porta (o que é economicamente inviável); ou cortar totalmente a possibilidade de apoio, para não ter de demonstrar preferência alguma; ou, no máximo, ater-se a critérios estritamente técnicos, como a ordem cronológica de solicitação ou a possibilidade de o evento ou obra se financiar sem a ajuda estatal. Em todos esses casos, o conteúdo é irrelevante e, segundo essa corrente, o Estado jamais deveria decidir com base no teor da manifestação artística que pretende apoiar.

Esta concepção, como afirmamos, não apenas amarra demais as mãos do poder público como também ignora o fato de que a população, ao eleger determinados representantes, também o faz movida por valores que deseja ver refletidos nas políticas públicas; os governantes, por sua vez, têm o direito de implementar esses valores nas escolhas que fazem: desde incentivar uma vocação econômica regional até decidir quais manifestações artísticas apoiar.

Um governo pode acreditar que uma orquestra sinfônica e as chamadas “belas artes” merecem e precisam de apoio financeiro, pois, mesmo não tendo o mesmo apelo popular de outros gêneros musicais ou artísticos, oferecem algo valioso a quem entra em contato com essa arte – e é inegável que, no Brasil e fora dele, muitas orquestras sobrevivem apenas porque podem contar com esse apoio. Aqui, não negamos, está embutido um juízo de valor. Mas o poder público tem o direito de fazer essa avaliação e de agir de acordo com ela. E, da mesma forma, o governo pode recusar o apoio a obras que promovam visões degradantes a respeito do ser humano, ou que agridam valores caros à sociedade brasileira.

Evidentemente, há limites a esse poder de decisão, que não pode ser usado com critérios puramente políticos, arbitrários ou de autopromoção – seria inaceitável, por exemplo, que o poder público incentivasse, mesmo que por meio de renúncia fiscal, uma cinebiografia ou documentário sobre um presidente da República durante o seu mandato. Os critérios precisam ser sempre explícitos, institucionalizados, transparentes e objetivos – um exemplo seria a não concessão de incentivo a obras ou produções com determinada classificação etária que as tornassem contraindicadas ao público infantil ou juvenil.

Surpreende a ligeireza com que a palavra “censura” aparece em declarações e textos que tratam simplesmente do fim ou da recusa do apoio estatal a este ou aquele produto cultural

Aqui, é preciso ressaltar que temos tratado, o tempo todo, do incentivo às manifestações culturais, ou seja, da possibilidade de que elas contem com ajuda estatal e dos critérios que o governo pode usar também para recusar esta ajuda. Em nenhum momento se levantou a hipótese de o poder público proibir determinada obra de arte. Por isso, surpreende a ligeireza com que a palavra “censura” aparece em declarações e textos que tratam simplesmente do fim ou da recusa do apoio estatal a este ou aquele produto cultural, pois não se cogita impedir a sua produção ou exibição – quando Bolsonaro criticou, por exemplo, o filme Bruna Surfistinha, disse claramente ser contrário ao fato de o longa ter sido feito “com dinheiro público”, sem nem mesmo insinuar que o poder público poderia ou deveria ter proibido sua realização ou exibição. De fato, havendo patrocinadores privados, financiamento coletivo ou mesmo autofinanciamento, um filme, uma exposição ou qualquer outra manifestação artística pode perfeitamente ser produzido e exibido, aplicando-se apenas as limitações legais – por exemplo, vedando-se a apologia ao crime, ou estabelecendo restrições de idade de acordo com o conteúdo.

O ambiente cultural brasileiro tem espaço para todos, mas os recursos do governo e as renúncias fiscais não são ilimitados, e a sociedade, por meio dos representantes eleitos, deve ter o direito de fazer suas escolhas também nesta área. Sabendo evitar extremos e abusos, como escolhas guiadas por critérios exclusivamente políticos ou ideológicos, sem transparência e deixados ao arbítrio de um burocrata, o governo pode ser um agente importante no apoio à cultura; os próximos movimentos nesta área dirão se também aqui o país entrará no rumo certo.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Marcos Glienke

    ± 2 dias

    Interessante a matéria, que ostra os diversos pontos de vista críticos sobre o tema.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 2 dias

    Por mim, o Estado não deveria colocar dinheiro algum em cultura. Cultura deve ser mantida somente com verba privada. Se o produto não dá dinheiro, é porque os consumidores não estão interessados em assistí-lo. E não é por isso que o "papai Estado" tem que entrar e financiar uma atividade cultural em que as pessoas não estão interessadas. "Ah, mas e formas mais sofisticadas de arte, como a música clássica, ópera, etc., que hoje em dia não se sustentam sem o apoio de verbas públicas?". A resposta para isto é: Educação - esta sim, a cargo do Estado. Mas não ficar bancando diretamente atividades culturais - com verba pública - que dão prejuízo hoje.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    RMSL

    ± 2 dias

    Votei neste governo para que reduzisse os investimentos não prioritários e que a Rouanet autorizasse somente obras culturais que não sejam depravadoras. Chega de financiar Marighela ou Trenzinho do dedo no... ou nudez para crianças em teatro público.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MBen

    ± 2 dias

    Em tempos de vacas magras cultura vem por último, se é que deva receber qualquer dinheiro público...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    5 Respostas
    • V

      Vinicius Ventino

      ± 19 horas

      Ignorância que mata hein?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • R

      Rubens Marques Farias

      ± 2 dias

      Mirtão: meu caro TODOS os países desenvolvidos, inclusive os USA investem em políticas culturais, como que você acha que as orquestras, os museus são mantidos, somente com a venda de ingressos? É porque você não sabe quanto custa para obter e manter um bem cultural. SIM todos países sejam capitalistas ou socialistas tem alguma forma de renúncia fiscal para a CULTURA. O problema no Brasil é que o dinheiro não vai para o destino correto e sim para figurões da mídia.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • M

      Mirtão

      ± 2 dias

      Rubens Marques Farias: Leia direitinho o que o Vitor escreveu.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 2 dias

      A Cultura é importante, sim. O errado é o Estado estar direcionando sua verba já escassa para a Cultura - que pode e deveria se sustentar somente com o setor privado - quando há questões mais urgentes que deveriam ser prioritárias, como saúde e segurança. Aliás, acho que o Estado não deveria financiar atividade cultural nenhuma. Isso deveria ser um problema entre os consumidores e os produtores de cultura - ponto.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • R

      Rubens Marques Farias

      ± 2 dias

      Meu caro anónimo o que a ciência nos diferencia homo sapiens dos restantes dos animais é que nossa espécie é capaz de produzir CULTURA. Mas é óbvio que certos homo não tão sapiens assim acham que a CULTURA não é importante.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Moreira Filho

    ± 2 dias

    O governo é composto de pessoas. Qualquer critério a ser criado, pode ser modificado pelos governantes subsequentes, ou seus correligionários. Assim, por mais bem intencionado que um possa ser, nada garante a continuidade da política de isenção. Isso é um ponto. Outro ponto, é que não consigo compreender porque quando um mendigo compra um pãozinho na padaria, parte do dinheiro deve ir para orquestras sinfônicas. Se não têm patrocinadores privados, nem deveriam existir.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Leivas Bastos

    ± 2 dias

    A função do governo não é patrocinar cultura. Isso tem que ficar a cargo da iniciativa privada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 2 dias

      Concordo plenamente.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.