i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O novo cálculo da dívida pública

Analistas têm sugerido novos métodos de cálculo da dívida, mas o mais importante é a consciência de que o endividamento do Estado não pode seguir crescendo

  • PorGazeta do Povo
  • 12/12/2017 23:01
 | Rafael Neddermeyer/USP Imagens/Fotos Públicas
| Foto: Rafael Neddermeyer/USP Imagens/Fotos Públicas

A dívida pública é assunto do qual todo mundo fala e poucos sabem o que é, quanto é, e como funciona. Primeiro, setor público é o conjunto de todos os entes federativos que vivem de impostos: municípios, estados e União, autarquias, fundações e órgãos que dependem de dinheiro do contribuinte para cobrir seus gastos. Segundo, a dívida pública total é a soma da dívida pública externa (dívidas para credores internacionais, em moeda estrangeira) com a dívida pública interna (dívidas para pessoas, empresas e bancos sediados no Brasil, em moeda nacional). No caso das pessoas para quem o governo deve, em geral elas têm seu dinheiro aplicado nos bancos em fundos de renda fixa, previdência complementar e outros ativos financeiros, e os bancos emprestam ao governo.

O conceito mais simples é o conhecido DBGG, sigla de Dívida Bruta do Governo Geral, ou seja, dívida de municípios, estados e União e seus órgãos, fora as empresas estatais que vivem de venda de produtos. A DBGG é simplesmente o valor total que o governo geral deve. Em análise técnica, compara-se a DBGG com o Produto Interno Bruto (PIB) do país, como medida da saúde financeira do governo geral. Em 2018, se a economia crescer 3% e a inflação ficar em 4,5%, o PIB encostará em R$ 7 trilhões. A dívida bruta do governo geral pode bater 80%, ou seja, R$ 5,6 trilhões, sabendo que a arrecadação tributária de todo o setor público ficará em torno de R$ 2,5 trilhões (35,7% do PIB) e que os gastos passarão de R$ 2,65 trilhões antes do pagamento dos juros da dívida. É uma situação preocupante.

Os maiores credores da dívida pública não são os bancos; são os milhões de brasileiros que têm dinheiro aplicado

Corre solto na imprensa e nos comentários da população que o governo deve essa montanha de dinheiro para os banqueiros e que só eles ganham quando os juros são aumentados. É ingenuidade crer que os banqueiros brasileiros tenham R$ 5,6 trilhões para emprestar ao governo. Os bancos são instituições que intermedeiam capitais, ou seja, captam dinheiro de pessoas e empresas, e fazem empréstimos para pessoas, empresas e governos. Os maiores credores da dívida pública são os milhões de brasileiros que têm dinheiro aplicado diretamente em títulos do Tesouro Nacional, ou em fundos de investimentos nos bancos, inclusive em fundos financeiros de previdência privada.

Alguns analistas altamente especializados estão propondo que o problema seja olhado por outro ângulo: a DLSP (Dívida Líquida do Setor Público, nas três esferas de governo). Por essa conta, toma-se o valor total da dívida bruta do governo geral e abatem-se os créditos líquidos que os governos municipais, estaduais e federal têm a receber. Um exemplo é o dinheiro que o governo federal tomou emprestado da sociedade vendendo títulos do Tesouro Nacional e colocou no BNDES para que este empreste às empresas privadas e estatais como financiamento de investimentos produtivos.

Leia também: A gravidade da dívida pública (editorial de 9 de janeiro de 2017)

Leia também: Exemplos que não servem (editorial de 21 de fevereiro de 2017)

O dinheiro que a União aportou no BNDES é crédito do Tesouro Nacional (e as empresas devem ao BNDES); portanto, tais valores devem, segundo os defensores do novo cálculo, ser abatidos da dívida bruta da União. Desde 2015 até agora, o BNDES já devolveu R$ 180 bilhões ao Tesouro, e está programada outra devolução de R$ 130 bilhões no próximo ano. A princípio, faz sentido olhar o governo pela dívida bruta (porque esta é o valor da poupança nacional que deve ser emprestada ao governo geral), mas também faz sentido descontar o quanto o setor público tem de créditos líquidos a receber.

Por qual ângulo de análise, é importante saber que há limite para quanto o governo geral pode dever, pois, se os déficits públicos continuarem, chegará o momento em que a dívida estará tão alta que o sistema bancário não terá dinheiro suficiente (soma das aplicações das pessoas, das empresas e do caixa próprio dos bancos) para emprestar ao governo. Eis aí um problema que a população deve acompanhar com atenção.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.