i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O que vai sobrar da reforma da Previdência?

Para conseguir os votos necessários, relator acena com cada vez mais concessões, deixando a reforma cada vez menos igualitária

  • PorGazeta do Povo
  • 28/01/2018 23:01
 | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Falta menos de um mês para a data em que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), promete colocar em votação a reforma da Previdência, e o relator do tema, Arthur Maia (PPS-BA), pretende desidratar ainda mais a proposta para conseguir os 308 votos necessários para aprovar a matéria no plenário. Na quarta-feira, dia 24, enquanto o país inteiro prestava atenção ao Tribunal Regional Federal em Porto Alegre, o relator se dizia disposto a avaliar que tipo de reivindicação “traz voto”, sinal claro de que o governo ainda não conta com o apoio necessário. O próprio Maia fala em 275 votos garantidos e 50 a 60 “indecisos”.

Mas que ninguém se iluda pensando que, entre esses indecisos, haja quem defenda o trabalhador da iniciativa privada. Todas as pressões para novas alterações na reforma da Previdência têm o objetivo de melhorar as regras – e, se possível, manter o que vigora hoje – para grupos específicos dentro do funcionalismo público. Arthur Maia se referiu a pedidos feitos pela bancada da segurança pública a respeito de regras de transição para policiais e pensões para famílias, e reivindicações referentes a servidores admitidos antes de 2003.

Que ninguém se iluda pensando que, entre os deputados “indecisos”, haja quem defenda o trabalhador da iniciativa privada

Algumas destas reivindicações podem até ser perfeitamente razoáveis, mas não é nosso objetivo analisá-las uma a uma aqui. O fato inegável é que, aos poucos, o discurso do governo a respeito de uma reforma que “acabe com os privilégios” vai ficando cada vez mais difícil de sustentar. “O que trouxer voto, e que não traga alterações nos pontos essenciais, fim dos privilégios e idade mínima, podemos, sim, absorver essas mudanças”, promete o relator. Mas a manutenção de regras especiais para diversas classes, sem falar daquelas que foram simplesmente deixadas de lado na reforma, como os militares, não consistiria em um privilégio?

Os trabalhadores urbanos da iniciativa privada, ressalte-se, respondem por apenas uma parte do rombo da previdência, e são o grupo no qual há menos disparidade entre arrecadação e despesa – entre 2010 e 2015, chegou até a ser superavitário. Na ponta oposta, estão os trabalhadores rurais (que, no entanto, recebem em média pouco mais de um salário mínimo) e, no meio, estão os servidores civis – em que a arrecadação cobre menos da metade dos gastos – e militares, cuja arrecadação não cobre nem 20% das despesas com suas aposentadorias e pensões.

Leia também: O rombo só aumenta (editorial de 22 de janeiro de 2018)

Leia também: Por que o Brasil foi rebaixado (editorial de 15 de janeiro de 2018)

Com a reforma ficando cada vez menos igualitária, a maior parte do sacrifício fica nas costas do trabalhador da iniciativa privada, uma maioria sem bancada que brigue por ela durante as negociações na Câmara. Sim, a reforma é necessária, e mesmo uma versão desidratada é melhor que mudança nenhuma, mas, com os déficits em crescimento constante, mais cedo ou mais tarde o funcionalismo – que na comparação com a iniciativa privada já tem a grande vantagem da estabilidade – também terá de ceder, e de forma talvez mais forte que na proposta original do governo, há muito enterrada sob as pressões setoriais.

O governo tem buscado conquistar o apoio da população à reforma da Previdência com campanhas publicitárias que colocam o foco justamente no “combate aos privilégios”, como se as regras passassem a ser iguais para todos. Mas as concessões tornam a realidade cada vez mais distante da propaganda, e convencer o brasileiro será uma missão mais difícil quando o cidadão perceber que a reforma desenhada na Câmara joga quase todo o ônus sobre a maior parte dos assalariados, enquanto alivia o peso de uma minoria da qual se exigirá um preço menor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.