Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Em um ano, preços dos combustíveis subiram mais de 30%.
Em um ano, preços dos combustíveis subiram mais de 30%.| Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A disparada da inflação completou um ano neste mês de agosto. O processo de elevação constante e forte dos preços começou em setembro do ano passado, e desde então apenas dois meses tiveram IPCA abaixo de 0,50%. Agosto de 2021 confirmou a escrita, com uma elevação de 0,87%, segundo os dados divulgados pelo IBGE. Se no segundo semestre do ano passado as principais causas eram a redução na oferta doméstica de alimentos, aliada à desvalorização do real, mais recentemente energia elétrica e combustíveis se tornaram os grandes vilões.

Em julho havia sido a vez da energia, com o início da bandeira vermelha 2; em agosto, os combustíveis assumiram o papel de puxadores da inflação. O grupo de combustíveis subiu 2,80% – mais especificamente, o etanol teve alta de de 4,50%; o gás veicular, de 2,06%; o óleo diesel, de 1,79%; e a gasolina, de 2,80%, correspondendo a 0,17 ponto porcentual do IPCA de agosto. Em 2021, a gasolina registra aumento de 31,09%, um movimento provocado pelo câmbio, que continua desvalorizado, aliado à redução na oferta de etanol (que é adicionado à gasolina) e ao aumento do preço internacional do petróleo: o barril Brent custava quase US$ 50 na média de dezembro de 2020; em agosto de 2021, o valor já estava em quase US$ 75 – aumento de 50%.

As perspectivas para a inflação não são nada animadoras, pois setembro promete o retorno da energia elétrica ao posto de vilão principal do IPCA

Nessas condições, o aumento dos combustíveis se torna quase inevitável; as rusgas entre governos federal e estaduais a respeito da tributação sobre combustíveis não levará a lugar algum, já que a participação do ICMS nas receitas estaduais é muito maior que o peso dos impostos federais (que continuam sendo cobrados, apesar da propaganda falsa divulgada em mídias sociais) na arrecadação da União, inviabilizando reduções pesadas de alíquotas por parte dos governadores. A outra opção seria fazer o país voltar aos temos de Dilma Rousseff, que interveio pesadamente na economia fazendo a Petrobras represar artificialmente o preço dos combustíveis para conter a inflação, processo que ajudou a destruir a empresa.

E as perspectivas para a inflação não são nada animadoras, pois setembro promete o retorno da energia elétrica ao posto de vilão principal do IPCA. Se em agosto a energia subiu 1,1%, foi apenas porque não houve mudança de bandeira tarifária, ao contrário do que havia ocorrido em julho (quando a energia saltou 7,88%); no entanto, o aprofundamento da crise hídrica levou à criação de uma bandeira tarifária especial que passou a vigorar em setembro e que deve forçar um aumento de quase 7% nas contas deste mês. E, como tanto combustíveis quando energia elétrica fazem parte dos custos de produção e comercialização de inúmeros outros itens, “contaminam” também todos esses preços.

Com a inflação acumulada de 2021 em 5,67%, já tendo rompido o limite máximo de tolerância estabelecido para este ano – que é de 5,25%, considerando a meta de 3,75% –, e o acumulado de 12 meses subindo para 9,68%, já há quem considere necessária uma intensificação do aperto monetário na próxima reunião do Copom, em 21 e 22 de setembro. Na reunião anterior, o comitê havia elevado a Selic em um ponto porcentual, e o comunicado antecipava a possibilidade de aumento idêntico em setembro. Mas uma elevação de 1,25 ponto já parece uma realidade plausível, diante da persistência da pressão inflacionária.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]