i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Polêmicas e crenças infundadas sobre o déficit público

  • PorGazeta do Povo
  • 13/03/2020 18:00
Impressão de cédulas na Casa da Moeda.
Impressão de cédulas na Casa da Moeda.| Foto: Divulgação/Casa da Moeda

A economia não é uma ciência exata, é uma ciência social. Essa afirmação pode ter um lado de verdade, mas, em nome dela, vêm sendo trazidas ao cenário do debate científico e político ideias e propostas que haviam sido sepultadas há algum tempo. Em verdade, a economia, como um sistema de produção, circulação, distribuição, acumulação e consumo, tem aspectos típicos das ciências sociais, mas tem também leis científicas típicas das ciências exatas, a exemplo da física e da matemática.

Um dos problemas dos debates a respeito é confundir a economia como um sistema produtivo com a economia no sentido de modo de produção. Para exemplificar, se alguém observar um pão e sua função como produto alimentício, esse produto é exatamente o mesmo em Cuba, Coreia do Norte e China (que são considerados economias socialistas), Canadá, Estados Unidos e Bélgica (consideradas economias capitalistas). A questão é que o processo econômico que dá existência ao pão é igual em todos os lugares. A terra tem de ser preparada, a semente tem de ser plantada, o trigo tem de ser colhido, o moinho tem de transformar a matéria-prima em farinha, a padaria tem de assar o pão para, a partir daí, chegar ao café de manhã de alguém.

Esse processo que começa na terra e percorre toda uma cadeia de plantio, transporte, indústria, comércio, venda e consumo do pão incorpora um conjunto de procedimentos, operações e tarefas cientificamente definidas, sem o que não se obtém o produto. Não importa se o processo produtivo se dá em um país capitalista (sistema baseado na propriedade privada dos meios de produção, organização empresarial do processo produtivo e trabalho assalariado, sob regime de liberdade econômica) ou em um país socialista (sistema baseado na proibição de propriedade privada dos meios de produção, no planejamento, comando centralizado, controle estatal do sistema e ausência de liberdade econômica).

A economia é uma área da atividade humana em que os milagres são poucos e os sacrifícios, muitos

Capitalismo e socialismo (ou comunismo) não são duas economias, são dois modos de produção e realização das mesmas operações produtivas para a elaboração de algum bem ou serviço. Nos dois sistemas, há necessidade de um mecanismo para fixar produção e preços, que requer um estoque de moeda para o funcionamento das trocas, poupança, financiamento e acumulação de capitais. O estoque de moeda em circulação não é uma invenção sem regras, pelo contrário: é fruto de uma decisão técnica e controle rigoroso de circulação, expansão e contração. Em geral, a moeda – que é um sistema de vales obtidos e transacionados pelos agentes que participam do processo produtivo – tem sua fabricação e circulação sob o controle do governo, que é o único agente autorizado a emitir, expandir e retirar dinheiro de circulação.

Para a tarefa de emitir e administrar a moeda, o sistema financeiro e o mercado de crédito, em geral o governo cria uma estrutura com certo grau de autonomia operacional, que é o banco central (BC). Até os anos 1980, houve certo prestígio para uma corrente de pensamento que pregava não haver prejuízos causados por déficits públicos (gasto maior que a arrecadação tributária), já que o governo detinha o monopólio da fabricação de dinheiro e poderia cobrir parte de seus déficits com emissão monetária. Essa corrente perdeu prestígio quando se percebeu que, nos países em que sistematicamente os governos emitiram moeda para cobrir déficits, o excesso de dinheiro circulando era absorvido em forma de inflação ou hiperinflação.

Foi preciso que a inflação mostrasse todo o estrago que faz no sistema econômico e toda a destruição que provoca em termos de recessão, desemprego, pobreza e desmoronamento do mecanismo de preços como medida de valor e reserva de valor, para que o mundo entendesse que o estoque de moeda deve ter correspondência rigorosa no tamanho da produção do país. Como os governos, sobretudo após a Segunda Guerra Mundial, não deixaram de ter déficits por temerem a destruição causada pela inflação (para muitos economistas, inflação não é aumento de preços; é emissão monetária, da qual o aumento de é mero efeito), seguiram-se décadas em que os governos pagaram seus déficits com emissão de dinheiro e fazendo dívida.

Ocorre que o quanto de dívida um governo pode fazer é limitado pelo quanto de poupança nacional a sociedade privada deposita nos bancos a fim de que estes emprestem ao governo. Naqueles países em que o governo se tornou fabricante de déficits exagerados, parte era financiada com emissão de dinheiro e parte com dívida pública, prática que passou a causar inflação e juros altos, além de provocar escassez de fundos disponíveis nos bancos para emprestar aos consumidores e às empresas. Com licença para criar déficits, muitos países, entre eles o Brasil, passaram a gastar toda a arrecadação tributária em custo da máquina administrativa e serviços públicos, ficando sem recursos próprios para investimentos em infraestrutura física e infraestrutura social.

Atualmente vêm ressurgindo propostas para que os governos executem programas de obras e paguem com emissão de dinheiro, pois, segundo seus autores, pelo fato de gerar empregos e aumentar o produto nacional, a emissão de dinheiro não teria consequência inflacionária. Esse simplismo não faz sentido. A relação entre a emissão de dinheiro para cobrir déficits e seus efeitos em termos de aumentar a produção de bens e serviços de consumo é desarmônica no tempo e é sempre causadora de inflação, quando não hiperinflação. Se fosse possível empregar todos os desempregados em obras públicas e pagá-las com emissão de dinheiro sem nenhum dano inflacionário, nenhum país teria desemprego. A economia é uma área da atividade humana em que os milagres são poucos e os sacrifícios, muitos.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rodrigo Moreira

    ± 0 minutos

    Poderiam ler o artigo no Congresso, mais com certeza sabem disso !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ALTEVIR

    ± 7 horas

    Meus cumprimentos pelo texto muito bem elaborado.....só que os patifes inconsequentes que deixaram o Brasil nessa situação, se tivessem um pouco de vergonha na cara. não estariam viajando ao exterior, por conta da nação. Sem mais delongas, para não perder a paciência, quero citar o STF e o Congresso, que são duas casas de mãe joana, impedindo o Executivo de colocar a casa em ordem.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz

    ± 9 horas

    Só mais um: "Como a Estônia - sim, a Estônia - se tornou um dos mais ricos países do Leste Europeu O país é o exemplo vivo de como o progresso humano está diretamente ligado à liberdade econômica"https://mises.org.br/article/2892/como-a-estonia--sim-a-estonia--se-tornou-um-dos-mais-ricos-paises-do-leste-europeu

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz

    ± 9 horas

    Para complementar este ótimo texto leiam: "Como uma redução nos gastos do governo gera crescimento econômico Gastos do governo são uma depredação para a economia; quanto menores, maior será a riqueza privada" https://mises.org.br/article/2013/como-uma-reducao-nos-gastos-do-governo-gera-crescimento-economico

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    marcelo bergerson

    ± 10 horas

    Que se respeite esse fundamento. Excelente texto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sergio Mattar

    ± 10 horas

    muito bom!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Roseilton Porto de Aguiar

    ± 11 horas

    Amei este artigo. Muito bom.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jonsimar Tadeu Catapan

    ± 15 horas

    Muito bom artigo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jonsimar Tadeu Catapan

    ± 15 horas

    Muito bom artigo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LUIZ APARECIDO DE CARVALHO

    ± 15 horas

    É mais ou menos assim que pensa parte do judiciário e dos servidores do andar de cima e claro a classe política ,que o estado é que fábrica riquezas e não o povo trabalhador, e que essa riqueza é inesgotável , por isso temos um estado onde se gasta tudo que arrecada em salário e mordomias para essa parte .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jadoul

    ± 17 horas

    Excelente! Por favor, avise o Congresso...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Joaquim Olivio da Silva

    ± 18 horas

    Muito esclarecedor, meus parabéns

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.