i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Um novo plano para o Oriente Médio

  • PorGazeta do Povo
  • 29/01/2020 18:00
Palestinos protestam contra o plano de paz de Donald Trump em um campo de refugiados no Líbano.
Palestinos protestam contra o plano de paz de Donald Trump em um campo de refugiados no Líbano.| Foto: Mahmoud Zayyat/AFP

Jimmy Carter, Ronald Reagan, Bill Clinton e George W. Bush: todos esses presidentes norte-americanos tentaram, sem sucesso, colocar um fim definitivo às hostilidades entre israelenses e palestinos. Nenhum deles conseguiu, apesar de seus planos terem obtido alguns avanços – a própria criação da Autoridade Palestina foi resultado de um desses esforços. Agora, Donald Trump também abraça o desafio com um novo plano para a paz no Oriente Médio, anunciado na terça-feira, ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, mas que já teve rejeição imediata por parte dos palestinos, que não participaram da elaboração da proposta.

O relatório distribuído pela Casa Branca, que inclui dois mapas, mostra alguns pontos centrais do acordo, e não é muito difícil entender as razões da indignação palestina. Em vez das fronteiras tradicionais da Cisjordânia, a região seria bastante retalhada para a constituição de parte do futuro Estado palestino, que não teria acesso nenhum nem ao Rio Jordão, nem ao Mar Morto. Além disso, mesmo dentro desse território palestino continuaria a haver enclaves israelenses, ligados ao território de Israel por estradas exclusivas. O resto da Cisjordânia seria incorporado a Israel, considerando os assentamentos judaicos existentes ali como fato consumado e irreversível.

Há muitos que lucram com o estado atual de beligerância, especialmente os terroristas do Hamas

A compensação, para os palestinos, seria o acesso a dois portos – Haifa e Ashdod –, além da concessão de um território adjacente à Faixa de Gaza, para a instalação de um setor industrial de alta tecnologia e de outra área residencial e agrária, ambos próximos à fronteira com o Egito, mas sem contato direto com o país vizinho. A Cisjordânia palestina e a Faixa de Gaza seriam ligadas por um túnel. Além disso, os palestinos teriam à disposição US$ 50 bilhões para investimentos que gerariam cerca de 1 milhão de empregos.

E, na tentativa de conquistar o apoio dos dois lados, Trump fez de Jerusalém uma “capital de Schrödinger”, ao mesmo tempo palestina e israelense, “indivisível” e dividida. O plano trata a cidade como capital “indivisível” de Israel, e simultaneamente estabelece a capital do futuro Estado palestino no setor de Jerusalém Oriental que compreende os bairros árabes, onde haveria até mesmo uma embaixada norte-americana, mas sem o direito ao “nome” Jerusalém (o plano sugere que a capital palestina se chame Al-Quds). A única medida de implementação menos controversa seria o acesso livre dos palestinos muçulmanos à Mesquita de Al-Aqsa, na Cidade Velha. O status de Jerusalém sempre foi um entrave a qualquer entendimento entre israelenses e palestinos. Com os dois lados reivindicando a cidade para si, seja inteira (caso de Israel), seja a parte oriental (caso dos palestinos), qualquer solução haverá de desagradar pelo menos uma das partes, quando não ambas, a ponto de inviabilizar o processo de paz.

Uma das palavras mais usadas para descrever o plano de Trump foi “realista”. Ele reconhece, por exemplo, que a presença judaica na Cisjordânia já é suficientemente consolidada para que não seja mais possível transferir todo aquele território para um futuro Estado palestino – não sem que houvesse forte resistência dos assentados, com derramamento de sangue caso houvesse tentativas de desalojá-los. A troca dessas áreas por outros territórios, hoje israelenses, surge como opção, mas, com o mapa desenhado por Trump, os palestinos inevitavelmente questionariam o fato de terem acesso bloqueado às principais fontes de água da região, o que leva a perguntar se não haveria outras áreas disponíveis para essa troca.

A reação palestina parece indicar que o plano surge praticamente natimorto. Parte disso pode ser atribuída a um descontentamento legítimo com termos propostos, mas não se pode perder de vista que há muitos que lucram com o estado atual de beligerância, especialmente os terroristas do Hamas, que governam Gaza. Basta lembrar que, em 2000, o então premiê israelense, Ehud Barak, fez concessões muito mais amplas que as previstas pelo plano de Trump, mas foram recusadas por Yasser Arafat. O povo palestino tem muito mais a ganhar com o fim dos conflitos e o retorno a uma vida normal, que lhe permita trabalhar e prosperar em paz; a continuação das hostilidades apenas alimenta o ressentimento que cria terreno fértil para os extremistas, e é justamente por isso que as perspectivas de um entendimento definitivo entre israelenses e palestinos, no momento, são tão escassas.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    JoJr

    ± 4 dias

    FEITO A 4 MÃOS COM BIBI E LEVADO PRONTO E EMBRULHADO PARA OS PALESTINOS...NÃO PODE DAR CERTO NUNCA MESMO!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    J L

    ± 4 dias

    Enquanto estes planos estiverem sendo encabeçados por aliados de um dos lados, é evidente que tende ao fracasso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rodrigo Abranches Casero

    ± 4 dias

    Gostaria de ver os mapas propostos, não podem publicar ?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fernando Lage

    ± 4 dias

    Porque vocês não fazem nenhuma cobertura jornalística na Amazônia, em especial aqui no Acre? Esperamos que isto venha A acontecer em breve!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.