i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
EDITORIAL 2

Um ciclo a ser rompido

  • 03/06/2010 21:02

Praticamente em uníssono, o mundo condena o ataque de Israel à flotilha que levava ajuda para a empobrecida população de Gaza, no início desta semana. E, embora seja muito provável que o comboio carregasse mais que provimentos humanitários, é fácil entender a reprovação generalizada. Ações como essa, somada a décadas de medidas opressivas, só fazem crescer a revolta e o radicalismo dos palestinos.

É legítimo que Israel impeça que carregamentos de arma cheguem às mãos dos extremistas de Gaza e da Cisjordânia, mas com o nível de sofisticação militar de que dispõe é inaceitável que o faça por meios tão extremos, usando uma força desproporcional à ocasião. Além dos métodos, a própria eficácia dos bloqueios precisa ser posta em xeque. Eles têm se mostrado insuficientes para impedir que armamentos pesados cheguem às mãos dos radicais, mas altamente eficazes para deixar mi­­lhares de palestinos famintos e cada vez mais dependentes do Hamas.

A opção do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pelo confronto só favorece os grupos radicais. É dessa opressão que o Hamas tem tirado suas forças. É com ela que semeia o ódio entre a população palestina ao mesmo tempo em que firma-se como força de amparo e proteção a "seu" povo. A verdade invisível para a população palestina é que ao Hamas não interessa a independência palestina, que lhe retiraria poder e apoio doméstico. A causa palestina é para o Hamas apenas um recurso retórico. É essa a constatação que as autoridades israelenses precisam fazer para mudar os rumos da história. Ao refutar a via diplomática e preferir a força bruta, Israel priva famílias inteiras de uma ajuda vital para sua sobrevivência e dá ao Hamas exatamente o que mais querem os radicais do grupo.

Há um grande número de palestinos filiados aos grupos radicais e os constantes ataques desferidos contra o território israelense comprovam essa assertiva sempre tão lembrada nos gabinetes israelenses. Mas a imensa maioria do povo palestino não está às voltas com bombas e fuzis; em vez disso, passa os dias lutando contra condições indignas de vida. Oito em cada dez habitantes de Gaza e da Cisjordânia dependem da ajuda humanitária internacional para sobreviver. Faltam empregos, escolas e os bloqueios israelenses dificultam o acesso aos serviços médicos. A imensa maioria dos moradores dos territórios ocupados são vítimas das ofensivas militares de Israel, da corrupção da Autoridade Palestina e da opressão dos grupos armados, sempre dispostos a recrutar seus filhos e filhas.

Todo o ciclo está montado a serviço da violência. O reconhecimento de que a maioria dos palestinos é vítima, inclusive de seus patrícios, pode ser um primeiro passo. Ele levaria à constatação de que a ajuda humanitária precisa chegar aos territórios ocupados. Quando as desgastadas táticas dão mais uma prova de sua falência, é sinal de que a situação exige uma atitude diferente. E um novo cenário, em que se vislumbre alguma esperança de paz, depende essencialmente da mudança na estratégia israelense.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.