i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Coluna do leitor

Segurança aérea

  • Por
  • 10/10/2008 21:16

Semana passada, durante a renovação da minha carteira de saúde de piloto, conversei com um capitão-aviador da Polícia Militar de Santa Catarina, piloto de helicópteros, que me informou que o estado vizinho havia adquirido seis novos helicópteros para missões policiais. Para mim foi uma surpresa, especialmente quando sabemos que o Paraná deve ser um dos poucos (senão o único) estados que ainda não tem uma Divisão de Operações Aéreas Policiais. O capitão catarinense me contou ainda que, neste ano, eles criaram o Batalhão de Operações Aéreas na Corporação e que seriam criadas bases no interior do estado. Investir tanto no serviço de inteligência, como também num centro de operações aéreas, é fundamental para aumentar a capacidade operacional das nossas polícias, e combater com mais eficácia o crime de maneira geral.

Luís Rezende, Guarapuava – PR

Pombas

A famosa Fontana Di Trevi, em Roma, a Piazza San Marco, em Veneza, a da Notre Dame, em Paris, recebem milhões de turistas que compram pacotes de milho para as pombas comerem em suas mãos. Estátuas históricas se cobrem de pombos e ninguém pensa em reduzi-las ou matá-las (Gazeta, 6/10). Por certo, são pombas de primeiro mundo e não como as nossas, de terceiro mundo, que quase não têm árvores para se aninhar porque a Copel parte as copas, privilegiando as fiações nas ruas.

Claudino Ortigara, por e-mail

Vereador faltoso

A justificativa de ausências do vereador Valdemir Soares nas sessões plenárias, apresentada aos eleitores na coluna de 10/9, soa falsa. Fosse ele um trabalhador comum, o "atestado" da falta ao serviço não seria aceito. Saiba o vereador que o amparo aos mais necessitados deve ser feito, mas não em horário de expediente. Para fiscalizar o trabalho da administração municipal nada melhor do que ser assíduo ao trabalho na Câmara.

Monica Belfort, Curitiba – PR

Campeão de votos 1

Caso Roberto Aciolli, o campeão de votos (Gazeta, 9/10), venha a tomar posse normalmente na Câmara Municipal, na próxima legislatura, certamente ele não será o primeiro e nem o último a fazê-lo, apesar da ficha nada recomendável. Outros já estiveram até presos e lá continuam como cidadãos de conduta ilibada, tudo causado, infelizmente, pela falta de condições socioeconômicas da maioria dos eleitores, que trocam seus votos por alguns trocados e elegem figuras desta estirpe. O apresentador faz parte de um grupo de supostos defensores dos menos favorecidos e dos cidadãos de bem, que se apresentam diariamente à população mostrando grande indignação diante das injustiças e do abandono do Estado aos mais pobres.

Julio C. A. Fróes, administrador, Curitiba – PR

Campeão de votos 2

Sobre o caso do sr. Roberto Aciolli, digo que as investigações demoraram pelo acúmulo de serviço da Delegacia de Homicídios, pois todos os crimes contra a vida são por ela investigados No entanto, com certeza o maior problema é a falta de pessoal. E quanto a ser culpado ou inocente, diz a lei que todo cidadão é inocente até que se prove o contrário.

Mario Machado, Curitiba – PR

Campeão de votos 3

Falhou o Ministério Público ao não publicar o nome do candidato. Este, por sua vez, errou duas vezes: uma porque matou um ser humano, outra porque induziu as pessoas ao erro ao pedir votos para si. Com certeza os parentes da vítima estão pedindo que se faça justiça o mais rapidamente possível.

Victorio Librelon, por e-mail

Campeão de votos 4

Em seu programa de 9/9, Roberto Aciolli falou da festa que a associação de delegados do Paraná fez para ele. Uma pessoa, por conta própria, fazer justiça, matar uma pessoa e dizer que é acidente... Que vergonha! Quase dez anos depois está sem julgamento! Quanto corporativismo! Um policial militar quando mata um assaltante em uma abordagem perde o emprego, é julgado e vai para penitenciária em pouco tempo.

Marcos Costa, Curitiba – PR

Campeão de votos 5

Supõe-se que os vereadores que não querem se identificar e também os que falaram que Roberto Aciolli sujou a imagem do Partido Verde é que estejam com "a vida enrolada" na Câmara. Sabem que Aciolli é um político honesto e trabalhador e têm medo que ele assuma a presidência da casa. Parabéns ao sr. Aciolli. Conte com o povo.

Isabel Schultz Neves, Curitiba – PR

ICMS

O ICMS é a resposta que governador está dando. É o "prêmio" pelos resultados da eleição municipal em quase todas as grandes cidades do estado, em que foi derrotado. Em Curitiba, sua derrota deveu-se à insistência em manter parentes no governo. Agora ele quer punir a população pelo seu procedimento que só beneficiava seus parentes e amigos.

Hernani L. Marques Neto, por e-mail

Leis inócuas

Gostaria que alguém me explicasse por que as leis não são cumpridas. Foi votada a lei que proíbe o uso de cães de aluguel, só que parece que algumas empresas conseguiram uma liminar para continuar e outras, acima da lei, funcionam sem nenhum problema. Por que, se nas audiências na Câmara Municipal essas empresas não conseguiram apresentar argumentos para sua existência? Por que, se muitas já respondem na Justiça por maus-tratos? Elas não estão retirando as vagas de trabalho de várias pessoas?

Paulo Persegani, Curitiba – PR

Crise 1

Os exportadores garantem o equilíbrio da balança comercial e precisam ser ajudados. Quanto aos bancos, devemos considerar o endividamento do povo brasileiro e das empresas. Sem crédito, seja para comprar ou para renovar as dívidas, o consumo e produção caem e, conseqüentemente, aumenta o desemprego, caem a arrecadação e os investimentos. Logo, é bom para o próprio governo e para o povo. Se faltar liquidez aos bancos, eles simplesmente aumentam os juros e as operações casadas e ganharão mais.

Antônio C. Wanderley, por e-mail

Crise 2

Os Estados Unidos, um país liberal, estão estatizando empresas problemáticas. Situação contraditória. Medidas protecionistas vêm sendo tomadas a norte, sul, leste e oeste. Faz-se necessária, no Brasil, esta ajuda aos bancos e exportadores. O governo deve agir de forma a garantir que a economia mantenha-se estável, proporcionando ao mercado segurança neste momento complicado para o mundo. Deve ainda assegurar-se de que toda a pirâmide social não seja afetada por essa crise.

Rafael R. B. Batista, por e-mail

Crise 3

Parece que viraram o mundo de cabeça para baixo. As bolsas estão despencando no mundo inteiro. Logo começará cair a taxa de emprego. Os preços cairão na mesma proporção? O dólar está subindo. Será que falta juízo na cabeça dessa gente, ou será que são incompetentes e não sabem montar uma equação matemática para dar equilíbrio à economia mundial? É um tal de sobe e desce que desequilibra o mercado financeiro e a cadeia produtiva. Os agentes econômicos, feito baratas tontas, não sabem o que fazer.

Antonio Pereira, contador, Londrina – PR

Canudinho

Considero a "lei do canudinho" (Gazeta, 9/10) absurda. Para que mais lixo para o meio ambiente? É muito preciosismo. O que deveriam era fiscalizar a limpeza dos estabelecimentos e não criar leis que aumentam o lixo e o custo fixo das empresas. Não acredito que isso aumenta a proteção da saúde das pessoas. Mostrem as estatísticas de doenças para que isso seja necessário. As mais prejudicadas serão as empresas dos grandes centros. Ou alguém acredita que um bar de beira de estrada vai investir nisso?

Francisca Cury, por e-mail

Barulho

O barulho das buzinas e das músicas altas dos carros; dos escapamentos "turbinados" das motos é irritante. O pior é ter de conviver com pessoas que não têm noção de cidadania, de civilidade, de respeito à saúde mental, emocional e física dos seus próprios vizinhos.

Cleusa de Souza, por e-mail

* * * * *

Fale conosco

Praça Carlos Gomes, 4 • CEP 80010-140 – Curitiba, PR Fax (041) 3321-5129

leitor@gazetadopovo.com.br

Em razão de espaço ou compreensão, os textos podem ser resumidos ou editados. O jornal se reserva o direito de publicar ou não as colaborações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.