i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Coluna do leitor

Transporte coletivo 1

  • Porleitor@gazetadopovo.com.br
  • 25/08/2014 21:03

Mídias Sociais

Atuação parlamentar

"Se os parlamentares recebessem pelos projetos aprovados, morreriam de fome, junto com seu bando de assessores."

Mário Rosot, via Facebook, sobre o trabalho dos parlamentares paranaenses em Brasília (Gazeta, 25/8).

Centro-Sul

"A pobreza de um povo deriva em boa parte do próprio povo. Educação de qualidade, atitudes morais positivas e ética elevada são itens primordiais para o bem comum."

Wilma Adam, via Facebook, sobre a pobreza na Região Centro-Sul do Paraná.

Rebelião

"Pode colocar isso na conta da educação. Cidadão bem preparado não acaba em presídio."

Carlos Yansson, via Facebook, sobre a rebelião em presídio de Cascavel.

Transporte coletivo

"No mundo inteiro o metrô é um ótimo exemplo de transporte público de qualidade. É incrível a capacidade de alguns setores para achar desculpas para desmerecê-lo."

Melissa Elias Abdalla, via Facebook, sobre a o projeto para implantação do metrô em Curitiba.

Participe

Contribua você também com sua opinião para Gazeta do Povo

• www.facebook.com/gazetadopovo

• twitter.com/gazetadopovo

• google.com/+gazetadopovo

Investir em metrô é mais caro que em ônibus, assim como construir ferrovias é mais caro que fazer rodovias. Mas, no longo prazo, o barato sai mais caro. É essa lógica que empobrece o país: paga-se menos na parcela para gastar mais no final. Se desde 1970 tivessem colocado uma equipe de operários escavando as galerias do metrô, hoje ele já estaria operando. O BRT é um ônibus chique, criado por quem não anda de ônibus. É o sistema que nos iludiu nos últimos 40 anos e que vai fazer o mesmo nos próximos 40.

Marcelo Henrique da Silva

Transporte coletivo 2

O sistema BRT criado pelo arquiteto Jaime Lerner é e continuará a ser muito viável. O sistema está presente em 30 cidades do mundo, então não pode ser tão ruim assim. Quem fala tanto em monopólio das empresas de transporte público daqui a pouco vai falar do monopólio das empresas de metrô. É uma característica do curitibano achar que o jardim do vizinho é mais bonito, valorizando pouco o que há de bom na cidade.

Sílvio Rossi

Transporte coletivo 3

Para uma cidade verticalizada como Curitiba, a necessidade de metrô não deveria nem ser discutida. Ou então todas as administrações de centenas de cidades do porte de Curitiba no mundo estão erradas. Se a construção do metrô de Curitiba tivesse sido iniciada em 1980, ninguém em 2014 teria dúvida alguma de que ele tinha sido mesmo necessário. Temos de parar de ser míopes e só pensar em soluções imediatas de rápido retorno que não passam de "quebra-galhos", e investir pesado em soluções definitivas, mesmo com retorno mais demorado.

Leandro Muller

Atuação parlamentar

Gostaria de perguntar a esses deputados que nada apresentaram em Brasília (Gazeta, 25/8): o que fizeram nestes quatro anos em Brasília? Participaram ativamente em outras demandas legislativas? Trabalharam por suas bases eleitorais? A prestação de contas não é para a Gazeta do Povo, mas para todo o eleitorado paranaense. Será bom o dia em que estabelecerem um mandato por produção. Não trabalhou, meu amigo? Revoga o mandato e vai para casa calçar o chinelinho.

Igor Strasbach, advogado

Representação política

O colunista André Gonçalves (Gazeta, 25/8) foi muito feliz nas suas colocações, esquecendo apenas de comentar a desunião que existe entre os nossos representantes no Congresso Nacional. O Rio Grande do Sul nos dá aula de como se comportar em benefício de seu território. Quando se trata de beneficiar o estado gaúcho, a grande maioria dos seus representantes vota a favor da matéria, não importando quem apresentou a proposta. Já entre os paranaenses, se a matéria for apresentada por deputado ou senador de outro partido, vota-se contra.

Otoniel Santos Neto

Promessas

A frase: "Se eleito for..." é nossa velha conhecida em época de eleição. Todos os candidatos parecem ter estudado pela mesma cartilha. Pena que, após eleitos, esquecem o que prometeram. Antes sabem como resolver todos os problemas, mas depois de eleitos dizem ser preciso estudar com cautela os erros cometidos pelos antecessores. E assim passam dias, meses, anos, termina o mandato e é hora de recandidatar-se. E lá vem a frase: "Se eleito for..."

Dulcelina Aparecida Messias

Rebelião

Sobre a rebelião em presídio de Cascavel (Gazeta, 25/8), torturar, matar, decapitar cruel e selvagemente seus reféns não é privilégio do terrorismo islâmico. Os bandidos do PCC aqui no Brasil fazem isso sem a menor cerimônia em presídios nos quais eles comandam, fazem o que querem, e infelizmente nossa sociedade conserva-se alienada sobre essa questão. O Brasil tem seu Hamas ou algo bem pior nos presídios e fora deles.

Angello Marsari

Antonio Ermírio de Moraes

Perdemos o grande líder empresarial Antonio Ermírio de Moraes, um dos poucos homens que acreditavam que a única saída para o país seria a educação. Que o seu espírito empreendedor e seu caráter ético iluminem aqueles que vão continuar a sua obra.

Izabel Avallone, São Paulo – SP

Jornais

O editorial "A força dos jornais" (Gazeta, 25/8) traz uma análise densa sobre a importância e a força dos jornais na vida do cidadão e, consequentemente, nos países onde imperam os ideais democráticos. Eu gosto particularmente do jornal impresso. Aguardo ansioso, bem cedinho, a sua chegada em minha porta. O contato com o papel e o cheiro de tinta fresca dão a certeza de informações importantes para o nosso dia a dia e do combate sistemático à indigência e privação das liberdades públicas.

Altevir Rocha de Andrade

Orelhões

Elaborar um projeto obrigando as companhias telefônicas a retirar a publicidade pornográfica de orelhões não é o caminho certo a ser tomado. Como sabemos, os orelhões estão caindo em desuso, mas ainda são úteis para algumas pessoas. No entanto, se esse projeto for aprovado, o custo de manutenção irá aumentar muito, tornando os orelhões inviáveis. E quem acabará arcando com esses custos? Certamente os usuários.

Marlon Mendes da Silva

Café

Concordo com Marleth Silva (Gazeta, 23/8): quanto mais café, melhor. Sair e tomar um café com gente querida já se tornou um excelente hábito. Sair às 16 horas não é sinal de desocupação, mas sinal de uma pausa. Hoje em dia não temos mais a jornada de trabalho tradicional das 8 às 18 horas; então, por que não tomar um café de vez em quando às 16 horas? Por que não desacelerar um pouco o ritmo? Não precisamos correr feito loucos para alcançar nossos objetivos; precisamos, sim, é caminhar com qualidade (e com café).

Monica Ohnstein Ehrlich

Reforma ortográfica 1

Gostaria de parabenizar Ophelia Velloso Ribeiro (Gazeta, 24/8) pela carta elaborada nos parâmetros da proposta de alteração ortográfica da língua portuguesa. Imagine o caos em nossa língua com todas essas mudanças sem cabimento, só porque alguns têm preguiça de aprender a escrever corretamente. Onde ficam as reais necessidades do povo brasileiro, que elege esses parlamentares para fazer leis e ajudar o povo, e não fazer coisas desnecessárias como colocar nome em ruas, praças e mudar a escrita da nossa tão bonita língua?

Carla Fernanda Taborda Ribas

Reforma ortográfica 2

Há uma proposta boba que, sob capa de facilitar o aprendizado, tenta deletar da linguagem o emprego dos "ç", "ch", "ss" etc. Que tremenda perda de tempo! Que patuscada! O que o povo brasileiro está a reclamar é da falta de uma exemplar, profunda e dignificante reforma do ensino. Suprimir o que temos de bom e sonoro não alicerça reformas, não constitui melhor didática.

Benedicto Bueno

Ensino

Infelizmente, os governantes querem ampliar o horário dos alunos nas escolas para implantar uma doutrinação ideológica, e não para que eles realmente tenham melhor desempenho. Se colocassem cursos técnicos e profissionalizantes, com treinamentos específicos, e os políticos do nosso Brasil parassem de roubar e passassem a investir em tecnologia, dando todo o suporte para os alunos, então seria importante a ampliação do horário de aula.

Eliazi Paiva da Silva

Crítica

Sobre o homem preso em Sarandi depois de criticar a PM no Facebook (Gazeta, 23/8), a liberdade de expressão é garantia constitucional, ou seja, foi abuso de poder por parte da PM. Ao cidadão restam os meios legais, processar o Estado por esse absurdo e, por responsabilidade subjetiva, o comandante envolvido no caso e o delegado que fez a autuação. A corregedoria da PM e o Ministério Público também deveriam investigar.

Benvindo Ferreira

Juventude

Discordo de alguns pontos do artigo de Ademar Bueno "Não é política, estúpido!" (Gazeta, 23/8). Os verdadeiros jovens, os trabalhadores, que levantam às 4 horas da manhã, pegam metrô, ônibus lotado, esses têm um compromisso político, pois sentem na pele as consequências da escolha de seu candidato. Os outros são mal-intencionados comprados por políticos para semear a discórdia e o horror.

Elias Teles de Lima

Getúlio Vargas

Sobre o artigo "60 anos da morte de Getúlio Vargas" (Gazeta, 24/8), depois de Vargas só tivemos um brasileiro com esse perfil de honestidade na vida pública do país: Joaquim Barbosa, e o resultado foi muitas ironias e difamações. Somos um povo que merece os seus governantes, pois sempre atiramos pedra primeiro em vez de analisar a vontade e atitude de quem quer um Brasil melhor. Se fôssemos um povo sério, com tudo que a natureza nos deu e o potencial que temos, o mundo falaria a língua portuguesa.

Jeferson Luiz Pereira

Petrobras

Gostaria que alguém me convencesse do contrário, mas essa doação de três imóveis feita pela presidente da Petrobras a seus filhos, tão logo ficou evidente que iria estourar o escândalo da compra da refinaria de Pasadena, configura uma fuga de sua responsabilidade. Graça ainda não está naquela fase da vida em que as pessoas se preocupam com testamentos e doações. Não tem outra explicação. Tentou salvar o seu patrimônio.

Ronaldo Gomes Ferraz, Rio de Janeiro – RJ

Indiferença

Sobre a matéria "Seriam os curitibanos indiferentes?" (Gazeta, 23/8), não só o curitibano, mas todo o povo brasileiro é omisso naquilo que não interessa. A bandidagem está solta, agindo silenciosamente nas praças, dentro dos ônibus, dentro das assembleias legislativas, dentro das prefeituras, câmaras municipais, tribunais etc. Tudo está na cara das pessoas, mas a opção é a indiferença.

Marcos Garcia

* * * * *As mensagens devem ser enviadas à Redação com identificação do autor, endereço e telefone. Em razão de espaço ou compreensão, os textos podem ser resumidos ou editados. O jornal se reserva, ainda, o direito de publicar ou não as colaborações.Rua Pedro Ivo, 459 - Centro - Curitiba, PR - CEP 80010-020 - Tel.: (41) 3321-5999 - Fax: (41) 3321-5472.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.