i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Os desafios da RMC

  • Por
  • 28/12/2005 16:25

A série de reportagens sobre os desafios representados pelo vertiginoso crescimento de Curitiba e região metropolitana, cuja publicação iniciamos ontem, evidencia a existência de necessidades ainda maiores do que aquelas situadas no âmbito local. Na verdade, só mesmo um projeto de desenvolvimento de todo o interior do estado poderá representar a solução mais adequada e mais definitiva para os problemas atuais e vindouros da megalopolização da capital e de seus arredores.

A história recente do Paraná demonstra cabalmente esta realidade. Basta lembrar-nos que Curitiba detinha 700 mil habitantes e a RMC cerca de 1 milhão quando da ocorrência da grande geada de 1975 – um cataclismo que mudou por completo o perfil agrícola do interior e alterou de modo radical a sua demografia. Até então, sua economia estava assentada basicamente na monocultura do café, grande absorvedora de mão-de-obra, mas o fim desse ciclo e sua substituição pelos campos mecanizados de soja e trigo decretaram a expulsão de enormes contingentes do meio rural. Cidades inteiras desapareceram, a população do estado diminuiu. Pelo menos 1 milhão de pessoas engrossaram o êxodo de emigrantes em busca de emprego em Curitiba e nas novas fronteiras agrícolas que se abriam na região Norte.

Foi a partir desse período que a capital e os municípios periféricos experimentaram um repentino inchaço populacional. Ao longo dos anos seguintes, os censos demográficos apontaram a ocorrência de um ritmo de crescimento recorde no país. Enquanto o Brasil crescia a taxas anuais inferiores a 3%, a região metropolitana de Curitiba chegou a apresentar índices superiores a 6%.

Não havia estrutura para suportar as novas demandas que começaram a surgir. Apesar dos esforços das administrações estadual e municipais, foi impossível dar atendimento aos 2 milhões de habitantes que se somaram à população original da região metropolitana no curto espaço de três décadas. Impossível criar tantos empregos. Difícil e caro implantar sistemas de transporte compatível com o tamanho da população. Precarizaram-se os serviços de saúde. Bairros inteiros surgiram sem nenhuma estrutura viária ou de saneamento, muitos deles frutos de ocupações irregulares de terrenos públicos e privados impróprios à moradia. As cidades da região se conurbaram.

O problema da RMC, no entanto, ainda não terminou. Seu ritmo de crescimento continuará acelerado – caso as políticas públicas de desenvolvimento não se voltem com muito mais vigor para o interior do estado. Aparelhar o interior com infra-estrutura que incentive a agroindustrialização, investir na educação e na qualificação de mão-de-obra, apoiar a agricultura, melhorar os serviços de saúde e de segurança pública – tudo isso, sem dúvida nenhuma, é a melhor maneira para manter sob controle o crescimento, com qualidade de vida, da região metropolitana de Curitiba.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.