• 03/03/2020 14:39
Assembleia Legislativa

Condução coercitiva de presidente de ONG é ilegal, diz Gilmar Mendes sobre CPI no Paraná

  • 03/03/2020 14:39
    Ministro Gilmar Mendes durante sessão plenária do STF
    Ministro Gilmar Mendes durante sessão plenária do STF| Foto: Carlos Moura/SCO/STF

    A CPI das ONGs, em curso na Assembleia Legislativa paranaense, sofreu nova derrota. Desta vez, foi o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), quem vetou a possibilidade da condução coercitiva do presidente da ONG Vigilantes da Gestão Pública, Sir Carvalho. A data do depoimento dele aos parlamentares já havia sido suspensa por decisão do desembargador Rabelli Filho. Agora, em decisão assinada nesta segunda-feira (2), no âmbito da Reclamação 39.449 proposta por Carvalho, Gilmar Mendes afirma que o STF “tem entendido que (...) é assegurado o direito de o investigado não se incriminar perante as Comissões Parlamentares de Inquérito”. Mendes diz que a condução coercitiva é ilegal e que cabe a Carvalho decidir se vai ou não à comissão de inquérito. Se ele optar por prestar depoimento, acrescenta o ministro, também fica assegurado seu “direito ao silêncio” e “direito de não ser submetido ao compromisso de dizer a verdade ou de subscrever termos com esse conteúdo”. Carvalho alega que é alvo da CPI apenas por “retaliação” às contestações que sua ONG fez em relação a gastos dos parlamentares. O presidente do grupo, Ricardo Arruda (PSL), nega.

    Tudo sobre:

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.