i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Concessão

Projeto quer manter no Paraná parte do que é arrecadado nas Cataratas do Iguaçu

  • 03/03/2020 19:16
Governo autorizou a concessão de três parques nacionais.
Passarela nas Cataratas do Iguaçu.| Foto: Marcos Labanca/Arquivo Gazeta do Povo

O fim do contrato de concessão do Parque Nacional do Iguaçu ao Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio), em novembro deste ano, pode colocar o estado e o governo federal em rota de colisão. É que tramita na Assembleia Legislativa um projeto de lei para garantir ao Paraná parte do que é arrecadado com o uso turístico da área (bilheteria das Cataratas, hotel, tours, etc...). Embora ganhe com o fluxo de turistas em Foz do Iguaçu, atualmente, o estado não recebe nada do bolo milionário gerado diretamente na segunda atração turística mais visitada do país.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Desde 1999 a União administra o Parque. Em 2012, no entanto, o governo paranaense comprovou por documentação ser proprietário de uma área de quase 11 milhões de metros quadrados onde está boa parte dos pontos turísticos, como as Cataratas do Iguaçu. Em 2013, o ex-governador Beto Richa (PSDB) sancionou lei cedendo gratuitamente esta área ao ICMBio. Porém, o órgão, que é vinculado ao governo federal, “subloca” a área turística a uma empresa privada, a Cataratas do Iguaçu S.A.

De autoria do deputado Luiz Fernando Guerra (PSL), o PL 743/2019 pretende justamente alterar a redação dessa lei estadual, estipulando que a concessão de uso ao ICMBio se torne “onerosa”. Ou seja, que a União pague pela exploração ou terceirização dos atrativos turísticos. “Em 2018, o Parque teve uma arrecadação com bilheteria, macuco safári [passeio de bote inflável] e hotel de R$ 63 milhões, aproximadamente. Cerca de 6% disso, o Grupo Cataratas repassa ao ICMBio. Dá quase R$ 4 milhões. O governo do Paraná não recebe um centavo”, destaca Guerra.

Até a publicação desta reportagem, o ICMBio não havia respondido sobre o montante arrecadado em 2019 e nem sobre o que é reinvestido no estado. Há uma tendência, no entanto, de que esse volume faturado tenha sido bem mais alto do que no ano anterior, já que o parque bateu o recorde histórico de visitação: foram 2 milhões de turistas no ano, marca superada apenas pelo Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Para Guerra, um cenário que tende a se repetir em 2020, com obras de ampliação do aeroporto de Foz do Iguaçu e o preço do dólar fortalecendo o turismo doméstico.

O deputado sugere que o estado assuma a gestão da concessão à iniciativa privada, nos moldes do que está ocorrendo no Parque Estadual de Vila Velha, nos Campos Gerais. Para ele, a alíquota de retorno aos cofres estaduais pode ser elevada, caso haja uma nova licitação para exploração comercial do Parque.

Briga federal

Porém, caso queira ter parte dos dividendos gerados pelas Cataratas, Legislativo e Executivo do estado deverão vencer uma queda de braço com o governo federal. Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro [sem partido] editou decreto classificando o Parque Nacional do Iguaçu como área de interesse para privatização, junto com os parques de Jericoacoara e dos Lençóis Maranhenses.

O movimento, que coincide justamente com o fim do atual contrato de cessão entre governo do Paraná e União, mostra a intenção de o governo federal continuar a centralizar gestão e repasses vindos do Parque. Ainda não há detalhamento de como o novo modelo de concessão se dará, mas, em agosto de 2019, o então ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e a secretária especial do programa de desinvestimento do governo, Martha Seillier, determinaram que as empresas concessionárias dos parques deveriam também prestar serviços públicos de apoio à conservação e à proteção das unidades – tarefa que hoje é assumida pelo ICMBio.

Tramitação

Ainda em 2019, o projeto já avançou na Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante da Assembleia, com a anuência de deputados de situação e oposição. Homero Marchese (Pros), relator do PL 743 na CCJ, classificou o texto como “um dos mais interessantes que passou pela Casa”. Atualmente, a matéria está nas demais comissões legislativas e aparenta avançar sem resistência. Ainda não há previsão, no entanto, de quando deva ir a plenário.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Celito Medeiros

    ± 10 dias

    A grana maior está sendo de uma ONG que deixa muito a desejar, Fundação Chico Mendes. Já o movimento para fechar a Estrada do Colono, que espero seja reaberta com um grande projeto Turístico e tecnologia para a construção de uma Rodovia importante também para os municípios vizinhos, façam parte da reestruturação do Parque Nacional do Iguaçu e as Cataratas. Bastaria um ano da Estrada reaberta para um faturamento superior ao anunciado que o Estado receba. Um dia a mais do Turista em Foz representaria isto. Se existem royalts do Petróleo, de Itaipu, é desejável também para as Cataratas, especialmente o Município de Foz e o Estado do Paraná.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • E

      Emerson

      ± 10 dias

      E mesmo privatizado, deveríamos ter nas cláusulas um repasse mensal ao estado pois as cataratas não foram construídas pelo ser complicado humano e o lucro obtido é trilionário e muitas das vezes o paranaense não vê um tostão sequer em benefícios.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • E

        EDUARDO SABEDOTTI BREDA

        ± 10 dias

        Se a União recebe R$ 4 milhões e o Paraná quer uma pequena parte disso, o saldo final seria insignificante. É mais conversa de político e circo para o povo que resultado efetivo. Esquece a reportagem o quanto o Paraná arrecada diretamente com os turistas, via impostos oriundos da ocupação de hotéis, aluguel de carros, restaurantes, consumo no comércio.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.