i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Dados abertos

Paraná tem 22% dos leitos de UTI para Covid-19 ocupados; saiba onde estão

  • PorMaria Eduarda Lass, especial para a Gazeta do Povo
  • 18/04/2020 20:39
Inauguração de novos leitos de UTI,do Hospital São Vicente de Curitiba.
Curitiba;12/02/2016
Leitos de UTI exclusivos para coronavírus ainda estão livres no Paraná.| Foto: Venilton Küchler/AEN

O Paraná tem até o momento 496 leitos de UTI “separados” para serem usados exclusivamente por casos de coronavírus, dos quais, 111 estão ocupados no momento, segundo dados divulgados pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa). Na conta, entram somente os leitos de UTI para adultos, acessíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS), tanto novos como os que já existiam no sistema e foram isolados para a Covid-19, em hospitais públicos e privados (alugados para o SUS). Diferentemente do número de internamentos em UTI divulgado diariamente pela Sesa, que considera somente os pacientes com casos confirmados de contaminação por coronavírus, estes 111 contabilizam tanto casos confirmados quanto os de pacientes que apresentam sintomas mas aguardam confirmação da virose.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

O estado, que há menos de um mês foi apontado como um dos menos transparentes na divulgação de dados sobre a Covid-19, passou agora a alimentar regularmente uma plataforma com informações mais completas sobre a doença.

De acordo com as planilhas divulgadas na última sexta-feira (17), o Hospital do Trabalhador, em Curitiba, é o que tem a maior taxa de ocupação, com 68% dos leitos de UTI sendo usados. São 15 pacientes internados em 22 leitos de tratamento intensivo.

Também na capital, o Hospital de Clínicas é o que tem maior número de leitos livres para a doença, 52 de um total de 61. A UTI com maior número de pessoas internadas é a do Hospital do Rocio, em Campo Largo, que tem 23 pacientes no tratamento intensivo. Por lá, são 52 leitos no total.

Entre as regiões do estado, a regional Norte é a mais cheia, com 28% das UTIs ocupadas, seguida pela regional Leste, com 26%. A região Oeste tem 15% de ocupação, e a Noroeste, 14%. O estado tem ainda seis UTIs pediátricas ocupadas, de um total de 37; e 156 dos 921 leitos de enfermaria ocupados.

Ranking dos estados

De acordo com levantamento realizado pela Open Knowledge Brasil (OKBR), organização mundial que advoga na área de transparência pública, no dia 2 de abril o Paraná era um dos piores estados no ranking de transparência sobre dados da Covid-19. Na ocasião, o estado fez apenas 10, de um total de 100 pontos possíveis numa “tabela” sobre o detalhamento e clareza das informações divulgadas.

A organização atualiza o ranking semanalmente e, no dia 16 de abril, após liberar uma plataforma online com dados sobre o coronavírus, o Paraná chegou aos 74 pontos, empatado, em 3.º lugar, com o Rio de Janeiro e Maranhão.

Desde então, o estado divulga informações, separadas por município, sobre a idade e sexo dos infectados pela doença, a quantidade disponível de testes para diagnóstico da Covid-19 e o número de leitos de UTI e enfermaria. De acordo com o diretor geral da Sesa, Nestor Werner Junior, a intenção é atualizar a plataforma diariamente. “Nos organizamos para melhorar a divulgação, mas sempre vai haver um atraso entre o momento em que a informação chega e o momento em que esses dados já estão compilados e prontos para serem divulgados. Mas queremos dar a possibilidade das pessoas entenderem melhor a realidade da doença”, afirma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.