Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília
Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília| Foto: Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

Ao longo do ano passado, os deputados do Paraná gastaram mais de R$ 11 milhões (R$ 11.689.202,48) com despesas relacionadas ao mandato e que são pagas pela Câmara Federal através da chamada “cota para o exercício da atividade parlamentar”. O valor representa mais de 80% do que seria possível gastar durante um ano, que é quase R$ 14 milhões (R$ 13.993.869,60), considerando que cada um dos 30 deputados do Paraná tem direito a um ressarcimento mensal de até R$ 38.871,86 com despesas do mandato.

O valor máximo mensal da cota parlamentar depende da unidade da federação que o deputado representa - a variação ocorre por causa da diferença nos preços das passagens aéreas no trecho entre Brasília e o estado de origem. Além de passagens aéreas, o deputado pode usar a sua cota mensal para cobrir outras dezenas de despesas, desde telefonia, serviços postais e assinaturas de publicações até manutenção de escritórios, contratação de consultorias e “divulgação da atividade parlamentar”.

Os gastos, e suas respectivas notas fiscais, são inseridos no portal da transparência da Câmara Federal.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Os gastos de 2021 dos paranaenses (R$ 11.689.202,48) foram maiores do que em 2020, mas ainda inferiores a 2019 (sem considerar correção inflacionária). No primeiro ano da atual legislatura, os deputados do Paraná somaram mais de R$ 12 milhões (R$ 12.095.465,37) em despesas via cota parlamentar. No ano seguinte, em 2020, primeiro ano da pandemia do coronavírus, o volume de gastos caiu para cerca de R$ 10 milhões (R$ 10.394.392,46).

No ano passado, os cinco campeões de gastos da cota parlamentar na bancada do Paraná (veja ranking logo abaixo) foram Gleisi Hoffmann (PT), Pedro Lupion (DEM), Sergio Souza (MDB), Luiz Nishimori (PL) e Christiane Yared (PL). Os cinco políticos que menos gastaram, excluindo aqueles que não exerceram o mandato de janeiro a dezembro, foram Paulo Martins (PSC), Sargento Fahur (PSD), Diego Garcia (PODE), Rubens Bueno (Cidadania) e Luizão Goulart (Republicanos).

Outros

A cota parlamentar não se mistura ao salário do deputado – atualmente em R$ 33.763,00 -, nem a outros valores disponíveis para quem está no exercício do mandato, como a chamada “verba de gabinete” para contratação de pessoal, diárias em missões oficiais e auxílio-moradia de R$ 4.253,00 quando não ocupam apartamentos funcionais. Somente em viagens oficiais, os deputados do Paraná gastaram R$ 70.646,46 no ano passado.

Em 2021, a bancada do Paraná gastou R$ 37,5 milhões (R$ 37.504.718,30) com verba de gabinete. Cada deputado tem R$ 111.675,59 por mês para pagar salários de até 25 secretários parlamentares. Eles são contratados diretamente pelos deputados (para trabalhar em Brasília ou nos estados de origem), com salários de R$ 1.025,12 a R$ 15.698,32. Encargos trabalhistas como décimo terceiro salário, férias e auxílio-alimentação dos secretários parlamentares são assumidos pela Câmara Federal – ou seja, estão fora da verba de gabinete.

Ranking

  • Veja quanto cada deputado federal do Paraná gastou com despesas ligadas ao exercício do mandato em 2021:
  • Gleisi Hoffmann (PT): R$ 462.116,79
  • Pedro Lupion (DEM): R$ 461.469,85       
  • Sergio Souza (MDB): R$ 455.358,73        
  • Luiz Nishimori (PL): R$ 452.644,92           
  • Christiane Yared (PL): R$ 447.848,53
  • Stephanes Junior (PSD): R$ 443.383,18
  • Enio Verri (PT): R$ 442.089,28
  • Vermelho (PSD): R$ 440.703,36
  • Felipe Francischini (PSL): R$ 439.850,84
  • Zeca Dirceu (PT): R$ 439.786,43
  • Aliel Machado (PSB): R$ 436.431,94       
  • Roman (PATRI): R$ 434.526,46 
  • Toninho Wandscheer (PROS): R$ 432.298,19     
  • Giacobo (PL): R$ 431.595,23      
  • Aroldo Martins (REP): R$ 430.425,23     
  • Luciano Ducci (PSB): R$ 429.187,09         
  • Filipe Barros (PSL): R$ 424.509,81            
  • Luisa Canziani (PTB): R$ 420.040,75        
  • Leandre (PV): R$ 407.794,69     
  • Gustavo Fruet (PDT): R$ 401.254,89      
  • Ricardo Barros (PP): R$ 399.617,87         
  • Hermes Parcianello (MDB): R$ 382.380,20          
  • Aline Sleutjes (PSL): R$ 377.493,33         
  • Boca Aberta (PROS): R$ 344.821,63 (valor de janeiro a setembro; a cassação do mandato pela Justiça Eleitoral foi formalizada pela Câmara Federal em 16/09/2021)
  • Rossoni (PSDB): R$ 297.129,08 (valor de abril a dezembro; entrou no lugar de Schiavinato)
  • Luizão Goulart (REP): R$ 270.794,36       
  • Rubens Bueno (CID): R$ 256.628,99       
  • Diego Garcia (PODE): R$ 226.381,00       
  • Sargento Fahur (PSD): R$ 208.633,81    
  • Osmar Serraglio (PP): R$ 72.646,73 (valor de setembro a dezembro; entrou no lugar de Boca Aberta)
  • Schiavinato (PP): R$ 62.595,86 (valor de janeiro a abril; faleceu em 13/04/2021)
  • Paulo Martins (PSC): R$ 56.763,43          
  • TOTAL: R$ 11.689.202,48             
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]