i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curva descendo

Em queda, média móvel da Covid-19 no Paraná volta aos índices de julho

  • 10/09/2020 19:24
UTI do Centro de Reabilitação do Paraná que tem atendimento exclusivo para pacientes com Covid-19.
Curitiba –  04/06/2020 – Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Mesmo com oscilações, curva da Covid-19 mantém tendência de queda no Paraná| Foto: Geraldo Bubniak/AEN

A média móvel de óbitos por Covid-19 no Paraná vem em tendência de queda há mais de um mês. Desde 4 de agosto, quando o estado atingiu seu pico da pandemia, com média de 54,7 mortes por dia, o número vem caindo, chegando a 37,3, de acordo com o boletim epidemiológico da última quarta-feira (9). A média móvel atual é semelhante à que o estado apresentava em 13 de julho, quando a curva estava na ascendente. Mantida essa velocidade de queda, o estado deve chegar, em outubro, a números semelhantes aos de junho, quando eram registradas menos de 15 mortes por dia, prevê o pesquisador e professor do Departamento de Estatística da Universidade Federal do Paraná Wagner Bonat, responsável pelo estudo que monitora os índice de retransmissão do coronavírus no estado.

As principais notícias do Paraná no seu WhatsApp

“O Paraná vem mantando a retransmissão (Rt) abaixo de 1 por um tempo razoável, isso impacta diretamente na redução dos casos e óbitos. A curva tem se mostrado assimétrica, mas a tendência de queda é nítida. Mantido esse modelo matemático no próximo mês, [vamos] alcançar números semelhantes aos índices de junho, com média de mortes próxima à de 15 por dia”, comenta Bonat. Ele cita que a média de 37,3 óbitos diários já havia sido alcançada em 28 de agosto, mas, na última semana, ocorreu uma oscilação que ele entende como normal, com a curva voltando a registrar crescimento.

“É normal que, logo após o pico, a variabilidade seja maior, conforme for caindo, a variabilidade também vai diminuir. A curva de declínio tende a espelhar a de crescimento”, cita, ponderando, ainda que a oscilação ocorreu pouco mais de duas semanas após o dia dos pais, quando houve movimentação maior de pessoas e maior descumprimento das medidas de isolamento e distanciamento social. “Nas próximas semanas, poderemos ver o reflexo do último feriadão, quando vimos muita movimentação de pessoas e aglomerações em bares e praias”, lembra.

Na média móvel de novos casos diários, a oscilação é maior. Os 1.518 casos por dia da média atual, se assemelham aos 1.514 do dia 5 de julho. Mas, desde o pico de 2.032 casos, em 5 de agosto, a curva tem registrado altos e baixos, batendo em 1.950, segundo maior número de todo o período de pandemia, recentemente, em 3 de setembro. Os estudos sobre a curva e a taxa de retransmissão do vírus utilizam, no entanto, a base de dados do número de óbitos, por considera-la menos suscetível a variações sazonais e de mudanças de estratégia de testagem, por exemplo.

Mantido o espelhamento da curva, como calcula Bonat, o mês de novembro deve refletir os números de maio, com menos de cinco mortes por dia; e, os de dezembro, podem indicar números semelhantes aos de abril, no início da pandemia, com uma ou duas mortes diárias.

Colega de Bonat no estudo sobre a retransmissão do vírus, o infectologista Bernardo Montesanti Machado de Almeida faz projeções mais cautelosas. “Não vejo, ainda, que estamos em uma queda sustentada, apesar de crer que podemos estar iniciando este ciclo, em um ritmo lento e instável, mas toda a queda sustentada começa desta forma”, diz. “Podemos estar entrando em um ciclo de queda, mas, neste momento ela ainda é tênue, lenta e instável”, acrescenta.

O médico reforça que o mais importante para o estado, agora, é manter a taxa de transmissão do vírus abaixo de 1 (atualmente está em 0,89), o que o estado vem conseguindo fazer, quase que de forma constante, desde a segunda semana de agosto. “Se mantivermos o R entre 0,8 e 0,9 mesmo com as flexibilizações recentes, já considero uma manutenção da queda bastante razoável. Mas o momento ainda é de instabilidade”, diz.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    MARCOS

    ± 17 horas

    A nossa secratária de saúde é uma *******, curva em queda e retorna a bandeira laranja, ***, pede para sair, infeliz.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • I

      Injustus

      ± 18 horas

      É a maluca da secretaria? Como fica essa bandeira laranja sem nenhum critério técnico? Desde que mudou o índice de morte e contaminação só baixa. E não tem nem uma semana de restrições. Ou seja, a decisão, como sempre, foi precipitada e esse Grecanalha como tudo com farinha.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.