Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Sede do TRF4, em Porto Alegre
Sede do TRF4, em Porto Alegre| Foto: Divulgação/TRF4

O empresário curitibano Rodrigo Massoqueti foi condenado a oito anos e dez meses de prisão em regime fechado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) por vender produtos importados ilegalmente através da internet. Segundo a Receita Federal, a empresa dele vendeu cerca de R$ 2,8 milhões em mercadorias entre 2011 e 2016, através de sites de e-commerce e redes sociais.

CADASTRE-SE e receba notícias de Curitiba e do Paraná em seu celular

Auditores fiscais apuraram que, além de itens eletrônicos, a empresa de Massoqueti comercializou produtos de importação proibida no Brasil, como aparelhos para eletrocardiograma sem registro junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e armas para paintball, que necessitam de registro junto ao Exército porque, por serem semelhantes a armas verdadeiras, podem ser utilizadas em assaltos.

Ainda de acordo com a Receita, para não levantar suspeitas o casal fragmentava as compras utilizando cartões de crédito e realizavam saques usando contas bancárias de outros sete familiares, incluindo menores de idade.

A esposa de Massoqueti, Sandreli de Paula Ferreira, que administrava a empresa com o marido, foi condenada a seis anos, dez meses e 15 dias de prisão. Entretanto, ela e outros três condenados que não haviam sido apenados em primeira instância e agora foram condenados pelo TRF4, os pais de Rodrigo, Ducileia e Wellington Massoqueti, e o pai de Sandreli, Messias Alves Ferreira, irão para o semiaberto.

O empresário foi condenado pelos crimes de contrabando, descaminho e lavagem de dinheiro; a esposa e os outros familiares foram apenados por descaminho e lavagem de dinheiro.

Na sentença de primeira instância, a Justiça Federal de Curitiba havia condenado apenas o casal curitibano a penas restritivas de direitos, com previsão de pagamento de multa, em 2019. A Gazeta do Povo não conseguiu contato com os advogados dos réus. O espaço segue aberto para manifestação da defesa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]