i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pandemia

Hospitais não têm falta de EPIs, mas estão fazendo “uso racional”, diz dirigente

  • 09/04/2020 14:02
Uso das máscaras contra a covid-19 pode mudar
| Foto: Bigstock

Apesar do aumento colossal no uso, ainda não há falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) para agentes de saúde, apontaram dirigentes de federações e associações de hospitais do Paraná, em coletiva por videoconferência na manhã desta quinta-feira (9). Ainda assim, os profissionais apontaram que existe um “uso racional” desses materiais, além de uma preocupação com o fornecimento nas próximas semanas - até porque o número de casos de coronavírus no Paraná sobe diariamente.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

De acordo com Flaviano Feu Ventorim, presidentes da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa) e do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná (Sindipar), as instituições estão aplicando medidas de contenção no uso de máscaras e aventais cirúrgicos, por exemplo. "Uma máscara N95 só está sendo entregue para quem atende um paciente suspeito ou com confirmação de Covid-19", indicou.

“Claro que isso gera um temor [em outros trabalhadores de um hospital, como funcionários administrativos]. Estamos fazendo treinamentos para diminuir esse temor, além de dar orientação sobre como se paramentar”, apontou.

De acordo com os dirigentes, esse temor tem levado a denúncias falsas de falta de equipamentos de proteção, feitas por funcionários que não precisariam necessariamente usar os EPIs e até mesmo pessoas que sequer têm relação com o hospital. “Eu mesmo registrei um boletim de ocorrência por difamação contra uma pessoa que postou em uma rede social que uma instituição não estava fornecendo máscaras”, disse Ventorim.

O presidente do Sindipar não descarta, no entanto, que possa haver falta de materiais no futuro. Embora muitas empresas tenham começado a fabricar máscaras e aventais, ele destacou que existe uma dificuldade em trazer matéria-prima para tais materiais, sobretudo o tecido especial TNT – com proteção bacteriológica elevada.

“O consumo explodiu. Somente em um hospital que tinha sete pacientes com suspeita de Covid-19, chegaram a usar 300 aventais em só dia”, apontou Ventorim. Além disso, o preço tem se tornado quase impeditivo em meio à pandemia de coronavírus. Máscaras que eram compradas a R$ 0,90, passaram a ter preço de R$ 2,50. Um lote com 100 mil unidades, que custava R$ 9 mil, chega a R$ 250 mil, ele apontou.

Participaram também da coletiva o presidente da da Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná (Fehospar), Rangel da Silva, e da Associação dos Hospitais do Paraná (Ahopar), José Octávio da Silva Leme Neto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.