i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Mudanças em benefícios de servidores custarão R$ 426 mil por mês à Câmara

  • PorCélio Yano
  • 19/09/2019 18:32
Palácio Rio Branco
Palácio Rio Branco, sede da Câmara Municipal de Curitiba| Foto: Anderson Tozato/CMC

A Câmara Municipal de Curitiba deve ampliar em breve o rol de benefícios a que têm direito servidores efetivos e comissionados da Casa. Com a implantação de novos auxílios e o aumento no valor de outros, a Diretoria Contábil e Financeira da Câmara calcula que a despesa subirá R$ 426.480,94 por mês, considerando valores de 2019.

RECEBA notícias do Paraná pelo messenger do Facebook

As mudanças estão previstas em um projeto de lei, protocolado na semana passada, que institui um estatuto de servidores específico para o Legislativo municipal. A proposição é de autoria da Comissão Executiva, formada pelos vereadores Sabino Picolo (DEM), Colpani (PSB) e Professor Euler (PSD) – presidente, primeiro e segundo secretários, respectivamente.

De acordo com o presidente da Casa, a ideia é colocar o projeto em votação nas sessões dos dias 30 de setembro e 1º de outubro. “São benefícios que a iniciativa privada já dá”, diz Picolo. “Temos que caminhar mais ou menos junto, senão daqui a pouco não conseguiremos segurar os funcionários, particularmente os de início de carreira.”

Segundo o vereador, o auxílio-alimentação, que hoje não é concedido pelo Legislativo municipal e está previsto no novo código, foi calculado a partir do valor pago por Casas legislativas de outros municípios, como Araucária e São José dos Pinhais, na região metropolitana. “Fizemos uma média do que outras cidades pagam e chegamos aos R$ 565,25, nem perto do que paga a Assembleia Legislativa do Paraná” – servidores do Legislativo estadual recebem R$ 949,39 mensais para custos com alimentação.

Hoje, os funcionários da Câmara são regidos pelo mesmo estatuto que regula a carreira de funcionários públicos da prefeitura. Como a redação do código data de 1958, diversas leis e resoluções nesses últimos 61 anos alteraram e revogaram dispositivos do texto original, deixando esparsas as regras, que agora se pretende compilar em legislação única.

De acordo com documento anexo ao projeto, assinado pela contadora Aline Bogo, diretora Contábil e Financeira da Câmara, o aumento nas despesas “é compatível com o Plano Plurianual 2018-2021, com a Lei de Diretrizes Orçamentárias para o Exercício de 2019 e com a Lei Orçamentária Anual que fixa a despesa para o Município de Curitiba para o exercício corrente, contendo dotação específica e suficiente para sua realização”.

Confira abaixo as mudanças que devem ocorrer e o impacto financeiro previsto com a instituição do Estatuto dos Servidores Públicos do Poder Legislativo do Município de Curitiba:

Auxílio-alimentação

Desde 1998, servidores públicos da Câmara Municipal não recebem auxílio-alimentação. O benefício estava previsto em ato de 1996, mas foi extinto dois anos depois com a Lei Municipal 9.462. Agora, o novo estatuto prevê pagamento de R$ 565,25 aos 478 funcionários da Casa correspondentes ao auxílio.

Com o beneficio, o acréscimo mensal nas despesas da Câmara será de R$ 270.189,50 para o ano de 2019. Em 2020, quando 37 novos servidores serão contratados, o impacto será de R$ 291.103,75 por mês ou R$ 3.242.274 no ano, considerando o valor atual. O projeto que institui o estatuto prevê um reajuste anual no benefício, “observando a variação positiva do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulada nos 12 meses anteriores”.

Auxílio-transporte

O texto prevê o pagamento de auxílio-transporte, equivalente ao valor de duas tarifas do transporte público de Curitiba por dia útil, sem desconto no salário. Atualmente, conforme a Resolução 1 de 1990, a Câmara custeia apenas a parcela que excede 6% do vencimento ou salário básico percebido pelo servidor.

Com a passagem a R$ 4,50, a Diretoria Contábil e Financeira da Câmara estima um impacto de R$ 198 mensais por servidor (44 passagens/mês) – R$ 94.644 mensais para os atuais 478 servidores. Em 2020, com a contratação de mais 37 funcionários, o impacto ao longo dos 12 meses seria de R$ 1.223.640, sem considerar o provável reajuste na tarifa no início do ano.

Auxílio-creche

A Resolução 2 de 2012 prevê o pagamento mensal de auxílio-creche a servidores e servidoras com filhos de seis meses a cinco anos, regularmente matriculados e frequentando creche ou estabelecimento de educação infantil. O valor, reajustado anualmente no mesmo índice e data de revisão de vencimentos de servidores da Câmara, está atualmente em R$ 545,04 para os pais de alunos em período integral e em R$ 354,28 para os de meio período.

O novo texto prevê estender o benefício para servidores com filhos de até seis anos e deixa de diferenciar o valor por modalidade, concedendo R$ 545 para todos os funcionários com direito ao auxílio. Além disso, conforme o projeto, o benefício será reajustado anualmente “observada a variação positiva do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulada nos 12 meses anteriores”.

Em julho, 12 servidores receberam o auxílio-creche para meio período e 33 para integral. Considerando apenas a diferença no valor do benefício para meio período, o impacto seria de R$ 2.289,12 por mês e de R$ 27.469,44 por ano.

Auxílio-saúde

Outra mudança diz respeito ao auxílio-saúde, que hoje corresponde a um valor único mensal pago aos servidores independentemente de idade. Instituído em R$ 350 na Resolução 8 de 2014, o benefício é revisado anualmente seguindo o índice de reajuste do funcionalismo público municipal e hoje está em R$ 410,97.

Agora, a Comissão Executiva da Câmara quer estabelecer faixas para pagamento de auxílio-saúde de acordo com a idade do servidor:

Faixa etária Auxílio-saúde
18 ou menosR$ 374,84
19 a 23R$ 410,97
24 a 28R$ 447,10
29 a 33R$ 483,23
34 a 38R$ 519,36
39 a 43R$ 555,49
44 a 48R$ 591,61
49 a 53R$ 627,74
54 a 58R$ 663,87
59 ou maisR$ 700,00

Segundo o projeto, os valores serão reajustados “observado o percentual máximo de reajuste dos planos de saúde divulgado periodicamente pela Agência Nacional de Saúde (ANS) ou órgão que a substitua”.

O benefício é destinado ao “ressarcimento das despesas com plano único de saúde, de livre escolha e responsabilidade do beneficiário” e, para ter direito, o servidor precisará apresentar, até 30 de abril de cada ano, comprovante de pagamento referente ao exercício imediatamente anterior, sob pena de suspensão do benefício.

O projeto de lei prevê ainda que servidores que recebem auxílio semelhante ou participem de programa de assistência à saúde custeado integral ou parcialmente pelos cofres municipais não terão direito ao pagamento adicional. Não é previsto auxílio para custeio de planos para dependentes.

Levando em consideração a faixa etária atual dos servidores em exercício, descontando-se os inscritos no Instituto Curitiba de Saúde (ICS) (77) e os que não têm plano de saúde (83), o total a ser pago por mês pela Câmara subiria R$ 50.616,56. Caso os funcionários que não dispõem de plano passassem a receber o benefício, o impacto aumentaria em mais R$ 49.501,41.

Para o ano de 2020, a Diretoria Contábil e Financeira da Casa estima que 30% dos servidores mudariam de faixa de benefício. Nessa condição, o acréscimo no ano seria de R$ 1.372.859,58.

Comissão Disciplinar Permanente

Outra novidade prevista no projeto é a criação de uma Comissão Disciplinar Permanente, formada por oito servidores efetivos estáveis, escolhidos pelo presidente da Câmara “dentre os ocupantes de cargo para o qual se exija escolaridade igual ou superior à do servidor acusado, selecionados sob a forma de rodízio, à exceção dos impedimentos legalmente previstos”. Cada integrante do grupo terá direito a uma gratificação de R$ 1.092,72, o que resulta em um impacto de R$ 8.741,76 por mês ou R$ 104.901,12 por ano.

Outros benefícios que ficariam mantidos

Além da remuneração básica, os servidores da Câmara Municipal de Curitiba têm direito a vantagens como auxílio-funeral, licença-prêmio e adicional por tempo de serviço, além de gratificações de estímulo acadêmico, natalina, de função e encargos especiais, por hora-aula e por substituição.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    J. Campos

    ± 4 dias

    "senão daqui a pouco não conseguiremos segurar os funcionários". Curitiba deve ter perto de 100 mil desempregados. Não terão problemas para segurar ou substituir funcionários.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSE DE PAULA

    ± 4 dias

    quase 500 mil jogado fora.... vereador só serve pra fazermedia e aprovar projetos a favor do prefeito.......ninguem preisa gastar com vereadores...alias nem deveriam existir....um lider de associação comunitaria de bairro sabe tdo e mais um pouco do que o povo precisa...ele nada recebe....apenas manda o pedido pra regional da prefeitura pra fazerem as obras......simples sem politicagem e gasto de dinheiro desnecessario.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    rivelino do nascimento santos

    ± 4 dias

    Bem que governo do estado podia copiar e pagar para nós do baixo clero do estado pelo menos o auxílio alimentação e auxílio saúde já nos ajudaria e muito, já que nos priva da reposição

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maze

    ± 4 dias

    Quer dizer que se escondem na opera para acabar com os poucos benefícios dos servidores municipais para sobrar dinheiro para a Câmara? Põe filhos nos cmeis públicos... Retiraram o VT dos servidores, acabaram com plano de carreiras dos professores. Por isso que nenhum vereador liderados pelo pier não foi eleito na assembleia. 50 mil servidores e seus familiares farão campanha contra esses sugadores e contra o Rei...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]