i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Operação Sinecuras

Imóvel cedido a empresa é estopim de operação do Gaeco na prefeitura de Araucária

  • PorGazeta do Povo
  • 05/03/2020 13:30
Prefeitura de Araucária
Prefeitura de Araucária foi alvo de ação do Gaeco nesta quinta-feira (5).| Foto: Divulgação/Prefeitura de Araucária

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná (MP-PR) realizou operação nesta quinta-feira (5) para investigar crimes contra a administração pública na Prefeitura de Araucária. Foram cumpridos mandados expedidos pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) no gabinete do prefeito, nas secretarias de Finanças, Urbanismo e Agricultura, além de três escritórios e três residências, todos na cidade da Região Metropolitana de Curitiba.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

A ação faz parte da Operação Sinecuras, deflagrada em abril de 2018. Na fase atual, o foco é uma permuta de um imóvel entre o poder público e uma empresa privada, que chegou a ser desfeita após o MP indicar prejuízo para os cofres municipais, mas que voltou a ser realizada por meio de uma parceria entre prefeitura e empresa para a construção de 600 unidades residenciais.

“O que existe que fundamentou a concessão das medidas pelo desembargador é a evidência de que há um grupo de funcionários que foi colocado no município para agir em proteção ou defesa dessa empresa em especial”, afirmou Leonir Batisti, coordenador estadual do Gaeco, que revelou ainda que está sendo avaliada a legalidade da cessão do imóvel à empresa e como esta se beneficia da parceria.

A prefeitura de Araucária afirmou que, como a ação ainda está em andamento, não teve acesso aos documentos do processo, mas que está colaborando com as investigações. Um posicionamento oficial sobre o caso deve ser emitido até o fim do dia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.