i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estreante na Câmara

“Serei na Câmara Municipal o mesmo que sou no rádio”, diz jornalista Denian Couto

  • 27/11/2020 18:51
Denian Couto (Podemos) é jornalista, advogado e professor de direito
Denian Couto (Podemos) é jornalista, advogado e professor de direito| Foto: Divulgação

Jornalista político há 26 anos, “sem mimimi”, como costuma se apresentar, Denian Couto vai para o outro lado da cobertura a partir de 2021. Eleito vereador de Curitiba com a maior votação do Podemos – 7.005 votos –, diz que optou pela candidatura por ter cansado da política tradicional e querer fazer diferente. Natural de Porto Alegre, formado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é ainda advogado, com mestrado e doutorado na área do direito constitucional. “Da mesma maneira que sou no ar, serei na Câmara Municipal”, diz Couto, atualmente apresentador da Rádio Mercosul FM.

As principais notícias do Paraná no seu WhatsApp

O envolvimento com a cobertura política vem desde o estágio, iniciado em 1994 na Rádio Bandeirantes, na capital gaúcha. Passou ainda pela TV Bandeirantes Rio Grande do Sul e pela RBS TV, afiliada da Rede Globo no estado, antes de ser convidado para ser diretor de implantação da TV Assembleia. Na sequência, foi chamado para ser coordenador de comunicação da Câmara Municipal de Porto Alegre. “Fui fazer a unificação da TV Assembleia com a TV Câmara, que passou a dividir a programação do mesmo canal legislativo”, conta.

Em 2005, por motivos pessoais, mudou-se para Curitiba, onde começou a trabalhar como repórter e, na sequência, âncora do SBT Paraná, na TV Iguaçu, à época pertencente ao Grupo Paulo Pimentel. No mesmo período, assinava ainda coluna no extinto jornal O Estado do Paraná. Em 2008, com a aquisição da emissora de TV pela Rede Massa, estabeleceu-se como âncora do Jornal da Massa, o principal noticiário do canal.

Permaneceu à frente do programa até 2015, quando assumiu a diretoria de jornalismo da É Paraná (atual Paraná Turismo), do governo do estado, à época na gestão de Beto Richa (PSDB). Ocupou a posição por poucos meses, até ser contratado pelo Grupo RIC, onde atuou na RIC TV Record, na Rádio Jovem Pan, no Portal RIC Mais e na Revista Top View.

Em paralelo à carreira profissional e também em busca de se aprofundar nos assuntos com que lidava no trabalho, investiu na vida acadêmica. Em 2011, formou-se em direito pela Unibrasil, onde emendou o mestrado, concluído em 2013 com a defesa da dissertação ‘O mito da universalidade de acesso ao direito fundamental de liberdade de expressão no Brasil’. Em 2020, obteve o título de doutor pela Faculdade Autônoma de Direito de São Paulo (Fadisp), com a tese ‘A liberdade de expressão como direito fundamental de dupla face’.

“A vida de jornalista nos força à compreensão do direito e eu sempre achei que poderia estudar mais”, diz. “E, a partir do momento que ingressei na faculdade, eu verdadeiramente me apaixonei pela área.” Em 2014, passou a dar aulas de direito constitucional, teoria do direito e teoria do estado. Atualmente é professor no Centro Universitário Opet (UniOpet), no Centro de Ensino Superior de Maringá (UniCesumar), na Faculdade de Pinhais (Fapi) e na Academia Brasileira de Direito Constitucional (ABDConst). “Se fosse colocar em uma balança, o que eu mais gosto de fazer é dar aula.”

Ele conta que já vinha recebendo convites de diferentes partidos para sair candidato. “Inicialmente tive uma resistência, mas neste ano passei a considerar a ideia de uma maneira mais efetiva”, diz. “Comecei a conversar com pessoas e a ouvi-las, principalmente meus ouvintes e meus alunos, e considerei que, com uma formação acadêmica mais robusta, por ter concluído o doutorado, tenho condições de enfrentar um debate político distinto do que hoje se realiza. Tinha condições técnicas, sobretudo por não ser um imaturo na política, de apresentar meu nome.”

Escolheu o Podemos, por ver a sigla como independente – “não é vinculado às forças políticas que estão postas no tabuleiro de uma divisão do país que eu considero nefasta” – e por estar alinhado àquilo que pensa. “É um partido com vinculação direta à questão da Lava-Jato, do combate à corrupção, do fim do foro privilegiado, da prisão em segunda instância. Há uma atração ideológica e de princípios, portanto foi uma decisão fácil”, conta.

Couto ingressa na vida política já com histórico de questionamentos, que minimiza. Reportagem do The Intercept Brasil de 2019 trouxe à tona áudio de uma conversa telefônica em que Couto, bastante alterado, chega a ameaçar de morte sua ex-noiva e então colega de trabalho no Grupo RIC, além de relatos de outras mulheres que teriam dito terem sido agredidas pelo jornalista. Já em 2020, o jornal Plural divulgou acusações de duas ex-alunas que teriam passado por relacionamentos abusivos com ele – não houve formalização de denúncia desses casos, conforme a reportagem.

“Eu jamais respondi a qualquer processo criminal em torno do que me foi apontado como responsabilidade. O que houve foi o registro de um boletim de ocorrência [no caso noticiado pelo The Intercept] que foi arquivado por unanimidade pelo Tribunal de Justiça do Paraná, que considerou que houve, por parte de quem fez a acusação, o uso indevido da Lei Maria da Penha como tentativa de reatar o relacionamento e se vingar de mim”, defende-se.

Diante da repercussão que o caso tomou, no dia seguinte à publicação da reportagem, pediu afastamento das atividades. Posteriormente acabou desligado da empresa. Para ele, que há cerca de três meses recebeu uma homenagem do Grupo RIC, o episódio está superado. “Primeiro, fui declarado inocente pela Justiça. Segundo, o veículo de comunicação em que eu trabalhava me homenageou. Terceiro, eu tive 7.005 votos. Então eu acho que a situação está muito bem resolvida, eu ando de cabeça erguida, não devo nada a ninguém.”

Alguns meses após sair do Grupo RIC, voltou aos microfones, dessa vez na Rádio Mercosul FM Curitiba, onde trabalha até hoje e pretende continuar atuando paralelamente ao mandato de vereador.

Em maio de 2020, convidado pelo prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), assumiu a Secretaria de Comunicação Social da capital gaúcha, cargo que ocupou por apenas 20 dias e deixou por decisão própria. “O que eu achei que poderia contribuir não estava surtindo efeito. Eu tinha uma visão muito divergente do que deveria ser uma política de comunicação no período da pandemia”, diz. “E naquele momento pesou mais forte também a decisão de disputar a eleição em Curitiba. Se eu ficasse mais alguns meses em Porto Alegre, isso atrapalharia minha campanha.”

Como vereador, seu primeiro compromisso, adianta, será devolver o carro que a Câmara Municipal coloca à disposição de cada gabinete. “Vou abrir mão do vale-combustível e do vale-selo também, logo no primeiro dia do mandato. Uma medida que é simbólica, porque prezo por uma política que não seja de castelo, mas de vida real”, justifica. Pretende propor ainda o fim do aluguel de veículos para os vereadores, com a substituição por vale táxi ou Uber, em valor inferior ao que hoje corresponde aos 200 litros de combustível disponíveis aos parlamentares mensalmente.

Como fiscalizador, quer focar sua atuação no controle, sobretudo, da aplicação do recurso público. O papel de fiscal, diz, vai se estender à própria Câmara Municipal. Por sua experiência com o direito constitucional, quer integrar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) – a composição é definida por meio de indicação dos blocos partidários. “Pretendo atuar no controle rigoroso sobre os projetos de lei que são apresentados. Penso que a CCJ deixa passar muitas matérias formal e materialmente inconstitucionais. Quero me debruçar sobre isso para que consigamos melhorar o nível dos projetos que são apresentados, discutidos e aprovados na Câmara Municipal.”

Outra área a que quer dar ênfase é a educação. Uma das propostas é transformar os Faróis do Saber em espaços para a formação política de cidadãos, sejam crianças, jovens ou adultos. “Penso que é dever do poder público uma educação que seja para a cidadania, com lições sobre direitos fundamentais, direitos humanos, democracia, processo legislativo, sobre como opera a máquina pública, qual é a função de um prefeito. Para além da educação formal, acredito que a prefeitura pode mais.”

Além da atuação na rádio, pretende continuar a dar aulas no período noturno. “Muitas pessoas têm me dito, lá na Câmara principalmente, que terei de me moldar ao jogo da política. E eu tenho repetido e vou reiterar até o fim: eu não vou me moldar. Serei a mesma pessoa. O meu eleitor, tenho certeza, votou em mim por causa disso. Ele quer um enfrentamento à política tradicional, e não uma adequação do Denian”, afirma.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • L

    Lúcia Helena Leinig

    ± 0 minutos

    Acho muito engraçado nosso presidente dizer q vacina não pode ser obrigatório .... mas votar ...é!!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      Lúcia Helena Leinig

      ± 7 minutos

      Não sei o povo tem na cabeça de ficar votando em pessoal da tv .... mesmo analisando o currículo dos candidatos a gente se engana ... imagine votando pela fama !!!!!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        JOSMAR PEREIRA SAMPAIO

        ± 2 horas

        Independente,imparcial ? Trabalhou com Richa e Pimentel,a independência termina na primeira votação a favor do executivo!! Mas o povo curitibano é esquecido, assim como o brasileiro,nem lembrarão desta promessa, após o término desta entrevista! JORNALISMO INDEPENDENTE NÃO EXISTE EM CURITIBA E NO PARANÁ!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • P

          Paulo

          ± 6 horas

          Então é só conversa. Brincadeira.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • P

            Paulo

            ± 6 horas

            Então é só conversa. Brincadeira.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.