i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Coronavírus

14 dias depois: qual o efeito da quarentena restritiva na pandemia no Paraná?

  • 28/07/2020 19:05
Hospital de Clínicas atingiu 100% de ocupação das UTIs Covid para adultos na segunda-feira
Hospital de Clínicas atingiu 100% de ocupação das UTIs Covid para adultos na segunda-feira| Foto: Divulgação CHC

O Paraná saía, há duas semanas, em 14 de julho, de uma quarentena restritiva de 14 dias, a medida mais dura adotada contra a disseminação do coronavírus no estado desde o início da pandemia. Ao fim da quarentena, a Secretaria de Estado da Saúde alegou que sua efetividade só poderia ser avaliada 14 dias depois, por causa do período de incubação do vírus. Passados os 14 dias a Gazeta do Povo analisou os principais indicadores da situação epidemiológica no estado e mostra que a quarentena conseguiu segurar a aceleração do crescimento do número de casos e mortes pela Covid-19, bem como o índice de retransmissão do vírus, mas não a ponto de provocar uma redução da curva. Além disso, a ocupação de UTIs segue preocupando.

As principais notícias do Paraná no seu whatsapp

Por decreto do governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), 134 municípios das sete regionais de saúde com piores índices da doença passaram por severas restrições do funcionamento de comércio e serviços, como medida para tentar aumentar o distanciamento social, evitando aglomerações e controlando a curva de crescimento da Covid-19. A quarentena não foi renovada ao seu final e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), bem como a comunidade médica indicou que seus resultados só poderiam ser avaliados a partir de 14 dias depois, o tempo necessário para as medidas tomadas para incentivar o isolamento social surtir efeito no número de casos, mortes, taxa de ocupação de UTIs e índice de retransmissão do vírus.

Platô nas mortes?

Em 30 de junho, véspera do início da quarentena, o Paraná tinha batido seu recorde de mortes diárias até então, com 36 óbitos. E o crescimento era exponencial: dois dias depois, foram 42 mortes e, em 14 de julho, último dia da quarentena, 57. O número de mortes diárias é o indicador que mais demora a sofrer influência da mudança de política, uma vez que pode-se levar até 40 dias entre a contaminação e o óbito do paciente. Desde que bateu outro assustador recorde nos óbitos diários (71 no último dia 22) o estado vem apresentando considerável redução, com 32 mortes registradas no última dia 27 e 39 nesta terça-feira.

Outro dado importante sobre o número de mortes é que, na semana entre 13 e 18 de junho foram registrados 268 óbitos, quatro a menos do que na semana anterior. Na semana entre 20 e 25 de julho o registro de mortes é ainda menor (259), mas estes dados ainda podem ser alterados com óbitos registrados nesta semana que possam ter ocorrido anteriormente, o que tem sido comum nos boletins da Sesa. A análise desses números nas próximas semanas permitirá confirmar se o número realmente estacionou.

Queda no registro de novos casos

Mais um índice que vinha crescendo exponencialmente era o de número diário de novos casos. Depois de passar quase todo o mês de junho registrando uma média de 800 novos casos por dia, o Paraná teve 1.534 novos casos conformados em 30 de junho, antes de entrar em quarentena. O número seguiu aumentando, com o recorde de 2.377 registros somente no dia 4 de julho. Passada a quarentena, o estado aproximou-se do recorde com os 2.364 casos registrados no último dia 22, mas, desde então, o número vem diminuindo. Na última segunda-feira, foram “apenas” 767 novos casos registrados. Nesta terça-feira, foram 1.368.

Veja no infográfico como a quarentena impactou nos números da Covid-19 em cada uma das sete regionais atingidas pelo decreto.

Diminuição da taxa de retransmissão

A desaceleração no crescimento de casos e mortes por Covid-19 tem reflexo direto na taxa de transmissão do coronavírus no estado, o Rt. O índice calculado por professores do departamento de estatística da Universidade Federal do Paraná, em parceria com a epidemiologia do Hospital de Clínicas, chegou a 1,6 em 4 de julho, indicando que cada 10 paranaenses infectados estavam contaminando outras 16 pessoas. Desde então, este número, baseado nos casos confirmados pela Sesa, vem decrescendo e, na última segunda-feira, pela primeira vez desde maio, o índice foi menor que 1 (0,98) o que indica que um caso confirmado gera menos que um novo caso, apontando uma tendência de diminuição da curva de novos casos, se o índice for mantido no longo prazo.

O estudo também calcula o Rt com base nos óbitos, método considerado mais preciso pelos pesquisadores por não sofrer variação por causa de uma maior ou menor testagem por parte do estado. Esse índice também já chegou a 1,6, baixou de 1 nos dias 20 e 21 de julho, mas está, hoje, em 1,16. “Continuamos mal na transmissibilidade. Apesar de termos estabilizado, o Rt de 1 vai manter o panorama atual. E o panorama atual não é confortável. É um panorama limítrofe. Qualquer excepcionalidade que levar a um aumento do Rt pode levar ao colapso. E tudo isso num contexto de cansaço da população, não tolerância às medidas de isolamento”, avalia o infectologista Bernardo Montesanti Machado de Almeida, membro da equipe da UFPR. “Ter atingido o R de 1 é resultado das medidas mais fortes que foram tomadas há algumas semanas, mas também é um dado preocupante porque já houve retrocesso destas medidas e isso pode trazer aumento novamente nos próximos dias”, acrescenta.

Ocupação de UTIs

Outro indicador que levou o governador a decretar a quarentena era a taxa de ocupação de UTIs, principalmente nas regionais de saúde da Região Metropolitana de Curitiba e da regional de Cascavel, que se aproximavam, no final de junho dos 90% de ocupação. Se, em Cascavel, a quarentena, bem como outras medidas adotadas localmente, antes mesmo do decreto estadual, conseguiram desafogar as UTIs (hoje, a ocupação da macrorregião Oeste é de 67%), na Região Metropolitana de Curitiba não houve desafogo e as vagas em UTI exclusivas para Covid-19 só não se esgotaram porque novos leitos foram habilitados pelo estado e pela prefeitura da capital. A ocupação de leitos de UTI na macrorregião Leste é de 92%.

Na Região Metropolitana de Curitiba, de acordo com dados disponibilizados pela Secretaria de Estado da Saúde nesta terça-feira, 96% dos leitos de UTI adulto para pacientes com Covid-19 estavam ocupados, o que corresponde a apenas 18 leitos livres dos 445 habilitados.

“Estamos trabalhando no limite da capacidade do sistema de saúde. Em alguns setores, como o dos recursos humanos, já estouramos esse limite e estamos recorrendo a profissionais com pouca experiência no atendimento em terapia intensiva. Mas há uma curva de aprendizado natural no manejo de pacientes críticos do coronavírus”, explica Bernardo de Almeida.

Ele ainda diz concordar com a avaliação da secretaria de Saúde de Curitiba, Marcia Huçulak, de que a cidade se fechou muito cedo para o coronavírus e, agora, não encontra adesão para novas medidas de restrição de circulação de pessoas. “A outra forma de reduzir a transmissibilidade da doença é ampliando a capacidade e velocidade da realização de testes, identificando e isolando os casos e seus contatos. Mas não estamos vendo isso ser adotado no Brasil”, lembra.

O médico também comenta sobre o crescimento do debate acerca da imunidade de rebanho como estratégia de redução da transmissibilidade, mas pontua o tamanho do risco desta medida. “Essa é uma discussão bastante incerta ainda, pois ninguém sabe a porcentagem da população que seria necessário estar imune para quebrar a cadeia de transmissão. Mesmo as previsões mais otimistas são de que é preciso contaminar 15% a 40% de uma população e hoje, em Curitiba, temos 2% a 5% de habitantes que podem ter sido expostos ao vírus, o que mostra que estamos muito longe, sendo, assim, impossível se pensar em uma estratégia como essa, de forma isolada, no momento pelo número de pessoas que ainda precisariam ser expostas, adoecer e correr o risco de morrer”.

15 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 15 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Alto da XV

    ± 2 horas

    Tudo que os governos estaduais e municipais conseguiram foi criar caos e pobreza, e a pandemia seguiu seu curso quase natural. Respostas exageradas e equivocadas de gente com espírito ditatorial, despreparada para gerir uma crise, e com a desfaçatez de negar que tivessem apoiado lockdown em algum momento. As eleições virão , é importante responder à altura dos malefícios que eles nos causaram.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    C R Berger

    ± 2 horas

    Desde abril, as emissoras de televisão tem relatado horários de pico de passageiros em ônibus Curitiba. Pessoas se tocando, tosse, espirros, máscaras vencidas, suor. Enquanto houver isso, a incidência da Covid continuará. E agora, só faltava essa....falta de medicamentos. Governadores conseguiram no STF gerir a pandemia...agora lasquem-se. O morto de número 500 de Curitiba sairá até sexta feira, 31 de julho. Tristeza. Luto. Velórios. Enterro.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Dias

    ± 2 horas

    Ninguém sabe de nada nesta pandemia; a tal "ciência" da terra parada (lockdown) ERROU miseravelmente, a começar pelo Dória e pelo pico do Mandetta, que mais uma vez eles acham que será na semana que vem que vai acontecer, mas claro, isso é segundo a "ciência" deles.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Meg Litton

    ± 3 horas

    Efeito??? Veja o pessoal quase passando fome em casa... Palhaçada!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Adriano

    ± 3 horas

    A diminuição do registro de casos parece mais uma evolução natural da própria epidemia do que efeito da quarentena, já que o próprio governo admite que a adesão da população à circulação foi pequena. Regras de distanciamento, principalmente em transporte público, são muito mais eficazes e isso nem foi mencionado entre as estratégias de combate.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ALVARO JOSE JUNQUEIRA NUNES

    ± 4 horas

    As estatisticas oscilam ao seu bel prazer, a rigor as autoridades estão batendo cabeça, a mídia induzindo ao caos e nós, cidadãos, abandonados à nossa própria sorte.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bernardo Coelho

    ± 4 horas

    Ainda bem que as nossas autoridades estão agindo baseado na "ciência" e temos conseguido excelentes resultados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • R

      Rita Lina

      ± 2 horas

      Meg Litton: claro!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • M

      Meg Litton

      ± 3 horas

      É ironia???

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz Carlos Giublin Junior

    ± 7 horas

    Os burrocratas sempre inventam estatísticas para comprovar suas "teorias". O confinamento só funcionou entre março e fim de maio. Ruas desertas, tudo fechado e pânico geral, implantado pela Globolixo e seus "especialistas". Era época de calor, seco, sem a circulação do vírus(como cita a reportagem, em maio tínhamos taxa de retransmissão inferior a 1) e com hospitais e UTI's vazias. Agora, com frio e com o vírus circulando, não tem muito o que fazer, pq o povo tem que sobreviver. Se tivessem feito apenas o distanciamento naquela época, o resultado seria diferente. Mas os idiotas resolveram seguir o São Mandetta. E os seguidores dele devem lembrar. Ele disse que máscara não serve para nada....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • R

      Rogerio Retka

      ± 6 horas

      assino embaixo!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • X

    Xicote

    ± 7 horas

    Ainda nao consigo acreditar que pessoas com nivel secundario nao entendam o que é o confinamento !!! E pura matematica !!! Contaminação por progressao geometrica !!!! Um que contamina 2 ..que contamina 4..que contamina 16 ... Se TODOS usassem mascaras...o assintomatico deixaria de contaminar no periodo de 14 dias ..mas o ****** circula sem mascaras !!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Meg Litton

      ± 3 horas

      Acredita em fada do dente?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcelo

    ± 8 horas

    Isolamento serve para gerar mais crise além disso qualquer leigo sabia que em março é cedo demais e que junho seria o inicio dos problemas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    EDUARDO SABEDOTTI BREDA

    ± 17 horas

    Supondo que os governantes sabem o que é Ciência e com base nesta decidam as medidas de controle da doença, fica a impressão de que finalmente entenderam que isolamento serve para nada e que nos mantiveram enclausurados sem qualquer efeito prático. Mas, como sempre há quem defenda o contrário sem elementos palpáveis, a Gazeta continua argumentando que o isolamento resolve. Vida que segue...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]