i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Especial

São Paulo vai terceirizar gestão de novas penitenciárias

  • PorKatia Brembatti e Giulia Fontes
  • 14/06/2019 16:38
O governador de São Paulo João Doria durante coletiva de imprensa.
O governador João Doria, de São Paulo, quer investir pesado em presídios privados.| Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

São Paulo tem 225 mil presidiários – equivalente à população carcerária de todo o México – e também é o berço de facções criminosas que agem dentro das penitenciárias. Essas condições colocam o estado em uma posição peculiar para a área de gestão prisional privada: é um atrativo, diante da potencialidade e do ganho em escala, e ao mesmo tempo um desafio para gestores.

Ainda candidato, o agora governador João Doria anunciou que estava decidido a repassar a administração de presídios para a iniciativa privada. O estado tem 85 penitenciárias em funcionamento e mais 10 em construção. Em um primeiro momento, o tucano cogita fazer licitação apenas para as novas estruturas, que devem agregar 8 mil vagas ao sistema.

Um padrão cruzado – em que uma empresa assume a gestão de uma penitenciária e “herda” outra – chegou a ser proposto, mas complicações com aspectos legais e também as características próprias de cada unidade inibiram o projeto. Assim, o plano passou a ser a abertura de concorrência para que as empresas disputassem a gestão das penitenciárias. Ainda não há data prevista para a realização da licitação.

O governo paulista estaria disposto a pagar mensalmente de R$ 3,8 mil a R$ 5,5 mil por preso. O valor é bem superior ao que se desembolsa no sistema público, na faixa de R$ 2,4 mil (contudo, sem considerar os gastos previdenciários).

A relação com a iniciativa privada, porém, pode ser ampliada em breve. Como as 10 penitenciárias já em obras serão suficientes para atender apenas 10% da demanda do estado – estima-se que sejam necessárias 80 mil novas vagas no sistema –, não estão descartadas Parcerias Público-Privadas (PPPs), em que empresas ficariam responsáveis também pela construção dos espaços.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.