Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Richa: decisão da Copel defendida pelo governo garante R$ 150 milhões a mais ao governo do estado. | Ricardo Almeida/ ANPr/Fotos Públicas
Richa: decisão da Copel defendida pelo governo garante R$ 150 milhões a mais ao governo do estado.| Foto: Ricardo Almeida/ ANPr/Fotos Públicas

Exatamente um mês após ver rejeitado o pedido para dobrar o pagamento dos lucros da Copel, o governo Beto Richa (PSDB) virou a mesa e conseguiu aprovar a mudança. No mês passado, o Conselho de Administração da companhia havia derrotado a proposta para aumentar de 25% para 50% a divisão do bolo entre os acionistas. Na última sexta-feira (28), porém, a medida foi aprovada em assembleia geral, garantindo ao Executivo estadual a entrada em caixa de R$ 150 milhões nas próximas semanas.

Principal acionista da Copel e, portanto, maior interessado nessa nova divisão dos lucros da empresa, o governo defendeu a mudança em reunião do Conselho de Administração no dia 28 de março por meio de um dos seus representantes no grupo, o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa. Prevaleceu, no entanto, o posicionamento da direção da companhia de manter o porcentual em 25%, a fim de garantir recursos em caixa e evitar prejuízos ao cronograma de investimentos da Copel.

Reforma de Richa “derreteu” caixa da Paranaprevidência em R$ 3,8 bilhões

Irredutível, o governo voltou à carga neste mês, desta vez na assembleia geral de acionistas. E, por maioria, conseguiu aprovar o aumento do pagamento dos lucros obtidos em 2016 de R$ 283 milhões para R$ 506,2 milhões. Controlador maior da Copel com 85.029 ações ordinárias − 58,6% do total que dá direito a voto −, o Executivo paranaense receberá pouco mais de R$ 150 milhões, a serem pagos ainda neste primeiro semestre.

Fazenda destaca valorização de ações da companhia

Por meio da Secretaria da Fazenda, o Executivo estadual afirmou que, a exemplo de anos como 2013 e 2014, propôs novamente a distribuição aos acionistas de 50% do lucro obtido pela Copel no exercício anterior. “O governo, dono de 31% das ações da companhia, entende que a Copel possui disponibilidade financeira adequada para suportar o pagamento de 50% de dividendos aos acionistas”, justificou.

Além disso, defendeu que, graças à nova política de distribuição de dividendos aprovada na última sexta, as ações da companhia subiram 6,5% nesta terça-feira (2), o que “ajudará nas operações de captação de recursos programadas”.

Diretoria da Copel era contra ao aumento no repasse dos lucros

A posição defendida pelo governo do estado e seguida pela maior parte dos acionistas contrariou entendimento da diretoria da Copel de que essa diferença de 25% sobre os lucros – cerca de R$ 223,3 milhões − deveria ser destinada à “constituição da Reserva de Retenção de Lucros, cuja finalidade é assegurar o programa de investimentos da Companhia”.

Segundo funcionários da companhia ouvidos pela reportagem, essa perda de recursos pode comprometer o cronograma de investimentos projetados pela empresa. “Qualquer passo mais forte em distribuição de lucros neste momento é temerário para as condições financeiras da Copel e para a perspectiva de manter o ritmo adequado de investimentos. O esforço será muito grande para poder enfrentar esse desafio”, resume um deles.

Esse prognóstico ruim se deve ao fato de que atualmente o grosso do que é investido pela Copel vem de recursos próprios, oriundos, principalmente, de uma ampla carteira de investimentos no mercado de capitais. Além disso, a companhia paranaense sofre de limitações de crédito junto ao BNDES e a outros órgãos de financiamento devido a restrições impostas pelo Conselho Monetário Nacional, que privilegia as estatais federais.

Diretor nomeado pelo governo é demitido

Diretor de Finanças e de Relações com Investidores da Copel, Luiz Eduardo Sebastiani foi comunicado pelo Palácio Iguaçu que será substituído do cargo. Ex-secretário de Finanças da prefeitura de Curitiba e ex-secretário estadual de Administração, da Casa Civil e da Fazenda – sempre nas gestões Beto Richa (PSDB) –, Sebastiani foi o porta-voz do comando da Copel na defesa da manutenção do porcentual de 25% dos lucros a ser repassado aos acionistas. Na reunião de março do Conselho de Administração, coube a ele explicar as razões pelas quais a direção da companhia era contra o aumento para 50%.

Apesar dos anos dentro do governo Richa, divergência com quem o nomeou para o cargo não foi perdoada. A saída de Sebastiani ainda não foi oficializada, mas já é criticada por setores dentro da Copel. Em reunião do Conselho de Administração na última quinta-feira (27), outros conselheiros externaram terem recebido com “desalento e perplexidade” sua iminente demissão, diante da dedicação dele ao trabalho e do “comprometimento com a busca por melhores resultados para a empresa”.

No encontro, os conselheiros demonstram ver relação direta com a postura de Sebastiani de tentar “não colocar em risco covenants financeiros da companhia e garantir a execução dos investimentos necessários ao atingimento dos parâmetros técnicos pactuados no contrato de concessão da empresa”, que se pauta por atuar em prol do interesse público.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]