i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
homicídio qualificado

Ex-prefeito vai a júri popular por morte de prefeito eleito

Gilberto Dranka responde junto com Leonides Maahs pelos assassinatos de Loir Dreveck e Genésio de Almeida

  • PorGazeta do Povo
  • 01/07/2017 10:17
Ex-prefeito de Piên Gilberto Dranka (de azul) e o ex-presidente da Câmara de Vereadores Leonides Maahs (de branco) durante a prisão, em janeiro de 2017. | Jonathan Campos
Gazeta do Povo
Ex-prefeito de Piên Gilberto Dranka (de azul) e o ex-presidente da Câmara de Vereadores Leonides Maahs (de branco) durante a prisão, em janeiro de 2017.| Foto: Jonathan Campos Gazeta do Povo

A Vara Criminal de Rio Negro decidiu que o ex-prefeito de Piên Gilberto Dranka (PSD) e o ex-presidente da Câmara de Vereadores da cidade Leonides Maahs (PR) devem ir a júri popular para responder pela morte do prefeito eleito Loir Dreveck (PMDB) e de Genésio de Almeida. Eles são acusados de associação criminosa e homicídio qualificado. Segundo informações do jornal O Regional, os réus devem permanecer em prisão preventiva até a realização do júri. A defesa pode recorrer da decisão.

Leia também:  Ex-prefeito e mais três viram réus em caso de assassinato do prefeito eleito de Piên

Dreveck teve o apoio Dranka durante a campanha para a prefeitura de Piên, mas, após eleito, não teria cumprido um acordo sobre a distribuição de cargos na prefeitura. O descumprimento do combinado teria levado o então prefeito da cidade e o então presidente da Câmara a contratarem um matador de aluguel. Dranka foi morto a tiro na estrada quando viajava para Santa Catarina. 

Alvo errado

Na primeira tentativa de assassinato, o segurança Genésio de Almeida teria sido confundido, pois passou por onde o matador estava de espreita, na PR-420, em um Logan branco e acabou sendo executado. Dias depois, em um carro de mesmo modelo e mesma cor, o prefeito eleito seria morto próximo ao local em que Almeida foi alvejado e em circunstâncias semelhantes: um motoqueiro se aproximou, parou ao lado do carro e disparou contra ele. 

Quando foi preso preventivamente, em 31 de janeiro, Dreveck tentou se esconder no forro de sua casa, mas acabou sendo levado por policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope).

A reportagem tentou entrar em contato com a defesa de Dreveck, mas não foi possível até o fechamento desta matéria.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.