i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
INfraestrutura

Paraná prepara desenho para mudar o Anel de Integração idealizado por Lerner

Pelo menos mais mil quilômetros devem ser incluídos entre os trechos pedagiados no estado, formando um mosaico

  • PorKatia Brembatti
  • 25/02/2019 20:12
Quando governador do Paraná, Jaime Lerner idealizou o Anel de Integração, ligando rodovias que passaram a ser pedagiadas. | Albari Rosa/Arquivo Gazeta do Povo
Quando governador do Paraná, Jaime Lerner idealizou o Anel de Integração, ligando rodovias que passaram a ser pedagiadas.| Foto: Albari Rosa/Arquivo Gazeta do Povo

Quem viu a propaganda eleitoral em meados da década de 90 certamente se lembra do governador Jaime Lerner desenhando a proposta do que seria o Anel de Integração – plano de desenvolvimento regional que passava pela concessão de rodovias à iniciativa privada. O sistema estadual de pedágio, que formou uma espécie de trapézio no mapa paranaense, está prestes a ser reconfigurado. O governo do Paraná agora negocia com a União para incluir pelo menos mais mil quilômetros de rodovias estaduais nos lotes que serão concedidos a partir de 2021.

A intenção é incluir as PRs 323, 280 e 092, além de outros trechos menores, como os contornos de Londrina, Ponta Grossa e Cascavel, que representariam mil quilômetros a mais no Anel de Integração, que tem 2,5 mil km, sendo 1,8 mil km federais e 700 km estaduais. Caso a negociação avance, a lógica será invertida: atualmente, rodovias federais estão delegadas ao governo do Paraná, que coordena o sistema de concessões. Pela proposta apresentada, as rodovias estaduais é que passariam a ser de responsabilidade da União, que não abre mão de fazer a nova licitação para escolha das empresas para cobrar pedágio e fazer obras.

O secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex de Oliveira, em entrevista à Gazeta do Povo no dia em que tomou posse, em 13 de fevereiro, declarou que a inclusão das rodovias anunciadas visa promover uma integração mais efetiva, que não se concentra apenas no miolo do Paraná, mas que amplia a ligação com os estados de Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Qual a análise do novo desenho?

Para João Arthur Mohr, consultor de infraestrutura da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), a nova proposta representa um avanço em relação ao modelo de duas décadas atrás, criticado por estar desatualizado e por ter intensificado o isolamento de áreas já empobrecidas, como a região central do estado.

É preciso destacar que no momento em que foi idealizado, o Anel de Integração teve o mérito de priorizar as cidades-polo, que sofriam com ligações rodoviárias sucateadas. Já a proposta feita agora é mais capilarizada, com a intenção de promover o desenvolvimento regional e propiciar corredores de escoamento de safra e produção industrial, inclusive entre estados.

LEIA TAMBÉM: Os prós e contras de o governo federal licitar o pedágio no Paraná

Além das estradas estaduais já anunciadas, outros trechos rodoviários estão em estudo e ainda podem ser incluídos no novo pacote de licitação. Caso todas as rodovias em estudo sejam efetivamente transformadas em vias pedagiadas, o desenho do Anel ou trapézio será transformado em um mosaico, com pequenos pedacinhos interligados. “Deixa de ser um Anel de Integração e passa a ser um sistema rodoviário”, comenta o consultor. Mohr explica ainda que o aumento na quilometragem de rodovias, algumas com fluxo razoável, deve aumentar a viabilidade dos lotes para a licitação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
  • Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.