i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Infraestrutura

Quais as melhorias esperadas para os aeroportos que serão leiloados no Paraná

Curitiba, Londrina e Foz têm aeroportos que serão concedidos à iniciativa privada. Edital saiu nesta segunda. Entenda as mudanças que estão na lista de prioridades para cada local

  • PorKatia Brembatti
  • 15/03/2019 19:17
Aeroporto Afonso Pena, na Grande Curitiba. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Aeroporto Afonso Pena, na Grande Curitiba.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Quatro aeroportos do Paraná estão no lote de leilão cujo edital foi publicado nesta segunda-feira (18) no Diário Oficial da União – e que deve ser executado em 2020. Além do Afonso Pena, em São José dos Pinhais, e do Bacacheri, em Curitiba, também os aeroportos de Foz de Iguaçu e Londrina devem ser os primeiros do estado a terem a operação transferida para a iniciativa privada. A Gazeta do Povo listou algumas das características de cada um e as melhorias esperadas.

RECEBA diariamente pelo WhatsApp as principais notícias do Paraná

Ainda que não tenha ingerência direta nos espaços que serão concedidos em leilão, o governo do Paraná apresentou uma série de reivindicações à União. Segundo o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex de Oliveira, algumas modificações pedidas nas atuais estruturas são imprescindíveis para propiciar as condições esperadas para o desenvolvimento do Paraná.

LEIA MAIS: Aeroportos do Paraná vão para a iniciativa privada - como funciona e o que significa

Para isso, ele listou a prioridade número 1 de cada aeroporto. Em Foz do Iguaçu seria, por exemplo, o aumento da pista, principalmente para comportar aviões maiores, principalmente vindos do exterior. Como segundo maior destino turístico do país – e com potencialidade de crescimento, Foz enfrentaria limitações relacionadas aos 2.195 metros de pista.

Segundo Wilson Rocha Gomes, professor da Academia de Ciências Aeronáuticas da Universidade Positivo, uma série de fatores precisa ser considerada no momento de projetar as dimensões de uma pista de pousos e decolagens. Altitude, temperatura média e pressão interferem na estimativa da necessidade de espaço para as aeronaves.

Também é preciso projetar as necessidades futuras, num horizonte de 20 anos, do tipo de avião que será usado e também das condições do pavimento, para suportar o peso. Gomes reforça que, nos últimos tempos, a pista de Foz apresentou vários problemas operacionais e esteve em obras. Já Sandro Alex mencionou que também é esperada a melhoria do terminal de passageiros.

SAIBA MAIS: Paraná estuda reduzir imposto sobre aviação - passagens podem baratear

Já relacionado a Londrina, o secretário espera maior número de voos e de destinos. Essa situação não está diretamente nas mãos da futura concessionária, mas a gestão pode tentar negociar com as companhias aéreas. Sem espaço disponível para ampliações de pista, teria demanda retraída para uma circulação maior de passageiros – foram 486 mil em 2018 –, mas também dependeria de melhorias no sistema ILS, para pousos em condições climáticas adversas.

Sobre o Bacacheri, na capital, também sem possibilidade de expansão – já que está encravado na área urbana –, a expectativa principal é de melhorias na estrutura para passageiros. O aeroporto é voltado para voos executivos, aulas de aviação e aeronaves usadas em operações policiais e de salvamento. No ano passado, foram 14 mil decolagens, com 16 mil passageiros embarcados. Segundo o professor, há a demanda de melhorias no acesso, que costuma ser complicado.

VEJA TAMBÉM: Número de voos no Paraná encolheu e passagens ficaram mais caras

Em relação ao principal aeroporto do Paraná, o Afonso Pena, o secretário levou a Brasília o pedido de construção da terceira pista, com a perspectiva de aumento na circulação de voos internacionais. Para o professor, é necessário dimensionar exatamente a demanda para avaliar o investimento. Atualmente, não haveria a necessidade, diante do fluxo estimado de passageiros e cargueiros (principalmente voltados à importação).

Como o custo da obra é muito alto, uma hipótese é a aplicação de um “gatilho”, como existe em outros aeroportos com administração privada, que preveem a execução do projeto apenas caso alguns indicadores de fluxo e procura sejam atingidos. Também é esperada a instalação de equipamentos que permitam a operação em condições meteorológicas adversas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.