103122

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. Paraná
  4. STJ revoga liminar que barrou licenciamento da Faixa de Infraestrutura

litoral

STJ revoga liminar que barrou licenciamento da Faixa de Infraestrutura

Governo ainda não foi notificado, por isso não antecipou os próximos passos; Ratinho Jr. já revelou que pretende levar adiante a obra, cujo impacto ambiental preocupa entidades

  • Giulia Fontes
  • Atualizado em às
Nova estrada seria paralela à PR-412. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Nova estrada seria paralela à PR-412. Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O ministro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu reverter uma liminar do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que havia suspendido o licenciamento concedido pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para a construção da Faixa de Infraestrutura.

A liminar foi assinada pelo desembargador Cândido Leal Junior em novembro do ano passado, após pedido realizado pelo Ministério Público do Paraná (MPPR). O governo estadual, que recorreu da decisão, afirma que ainda não foi notificado formalmente sobre o despacho – e que, por isso, não pode dar detalhes dos desdobramentos do caso a partir de agora. 

Em declaração pública realizada na semana passada, porém, o governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) já apontou a intenção do Executivo estadual em levar a obra adiante. “Nós temos dinheiro em caixa reservado para isso. Tem uma discussão jurídica aí que estamos trabalhando para avançar ambientalmente, e vamos avançar”, disse o governador durante o Show Rural em Cascavel, na região Oeste.

Uma licitação para a obra, no valor de R$ 270,4 milhões, já havia sido lançada pelo governo estadual no ano passado. O processo, porém, acabou suspenso por prazo indeterminado por causa de dúvidas técnicas das empresas interessadas a respeito da obra.

“Não é o fim do processo”

Apesar da fala do governador, a construção da Faixa de Infraestrutura ainda é assunto longe de estar pacificado.O conjunto de obras prevê 24 quilômetros de rodovia de pista dupla, um canal de drenagem, uma linha de transmissão de energia elétrica, um gasoduto e um ramal ferroviário. A primeira etapa, prevista na licitação interrompida, compreende 20 quilômetros de estrada, cinco viadutos, quatro pontes e a ampliação do canal de macrodrenagem.A nova rodovia seria paralela à PR-412.

A controvérsia ocorre porque organizações não governamentais e universidades consideram que o projeto traria impactos sociais e ambientais irreversíveis à região.

“Não compreendemos essa decisão judicial como um fim do processo. Há um conjunto amplo de questões que ainda precisam ser melhor esclarecidas”, diz Clóvis Borges, conselheiro do Observatório de Justiça e Conservação, a respeito da decisão do STJ.

LEIA TAMBÉM: Francischini assume a presidência da CCJ e quer acelerar “pauta econômica”

Prós e contras

Para ele, o projeto não é sustentável apenas com “a afirmação genérica de que trará desenvolvimento regional”. “Se a Faixa de Infraestrutura for realizada, será viabilizado um conjunto de instalações industriais – incluindo um porto privado – que irão transformar Pontal em uma nova Paranaguá. Isso é um favor que está sendo concedido aos empresários com dinheiro público”, critica Borges.

Por outro lado, defensores da Faixa afirmam que a obra traria desenvolvimento para o Litoral, já que acabaria, por exemplo, com os congestionamentos que afetam a região durante a temporada.

LEIA MAIS: MPF denuncia Fernanda Richa por lavagem de dinheiro

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>