Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Filho de Mourão vira assessor do presidente do BB e triplica salário

progressão

Filho de Mourão vira assessor do presidente do BB e triplica salário

Antonio Hamilton Rossell Mourão atuava há 11 anos como assessor da área de agronegócio da instituição e ganhava cerca de R$ 12 mil. O novo salário será de R$ 36,3 mil

  • Da redação, com Folhapress
 | Fabio Pozzebom/Agência Brasil
Fabio Pozzebom/Agência Brasil
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Antonio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, será assessor especial do presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes. A promoção foi confirmada pela assessoria do banco.

Com o novo cargo, ele mais que triplicará seu salário, passando a ganhar R$ 36,3 mil por mês. A nova função equivale a um cargo de executivo.

LEIA MAIS: Após polêmica, governo começa a retirar marcas e logotipos alusivos a Bolsonaro

Funcionário de carreira do banco há 18 anos, Rossell Mourão vinha atuando há 11 anos como assessor na área de agronegócio da instituição, ganhando cerca de R$ 12 mil mensais.

Segundo o estatuto do BB, o presidente tem direito a nomear três assessores especiais. Pela tradição, ele se cerca de especialistas na área jurídica, de comunicação e do agronegócio.

Na presidência, Rossell Mourão continuará exercendo a mesma função, mas aconselhando o presidente do banco, Rubem Novaes, diretamente.

A forma como o filho de subiu na carreira foi considerada inusual por funcionários. A ascensão, segundo eles, costuma ser progressiva. 

O vice-presidente compareceu à posse de Rubem Novaes na segunda-feira (7) na sede do banco, em Brasília. Mourão não foi à posse do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

Mourão diz que filho tem ‘mérito’ e foi ‘duramente perseguido’

Após a veiculação de notícias sobre a nomeação de Rossell Mourão, o vice-presidente declarou ao jornal O Estado de S. Paulo que o filho foi promovido por ter “mérito”. “(Meu filho) possui mérito e foi duramente perseguido anteriormente por ser meu filho”, afirmou Mourão.

Em 2015, o atual vice-presidente foi exonerado da chefia do Comando Militar do Sul após críticas ao governo Dilma Rousseff. Ele havia falado, durante uma palestra em Porto Alegre, que era preciso um “despertar para a luta patriótica” como saída para a crise política do país.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE