i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Agora é com o Senado

Câmara aprova MP que muda regras trabalhistas durante a pandemia

  • Brasília
  • 17/06/2020 13:36
  • Atualizado em 17/06/2020 às 17:06
Plenário da Câmara dos Deputados durante sessão virtual.
Plenário da Câmara dos Deputados durante sessão virtual.| Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (17) o parecer do deputado Celso Maldaner (MDB-SC) sobre a medida provisória (MP) 927/2020, que flexibiliza regras trabalhistas durante a pandemia do novo coronavírus. Na votação do mérito da MP, foram 332 votos a favor e 132 contra. Os deputados ainda vão analisar os destaques (pedidos pontuais de mudança) em outra sessão. Depois, o texto segue para o Senado.

A MP foi editada pelo governo e está em vigor desde o dia 22 de março. Ela permite que empregador e empregado celebrem acordos individuais ou coletivos durante o estado de calamidade pública decretado em virtude da pandemia do novo coronavírus. O objetivo é facilitar:

  • o teletrabalho;
  • a antecipação de férias individuais;
  • a concessão de férias coletivas;
  • o aproveitamento e antecipação de feriados; e
  • a compensação do banco de horas.

Todos esses pontos foram mantidos pelo relator e aprovados pelo Plenário da Casa. Os deputados, por meio do relator, apenas acrescentaram a permissão para antecipar feriados religiosos, algo que não estava no texto do governo. E retornaram com o artigo que permite a suspensão do curso ou programa de qualificação profissional durante a pandemia ou a sua oferta em modalidade à distância.

Em seu parecer, Maldaner afirmou que esse conjunto de medidas contemplam as necessidades de variados tipos de empresas durante este período. “Há empresas cujas atividades podem ser desenvolvidas a distância. Nesses casos, é possível a adoção do teletrabalho, por exemplo. A atividade de uma microempresa, por outro lado, pode ser incompatível com esse tipo de trabalho. Para elas, uma alternativa pode ser a antecipação de férias. Já uma grande indústria pode se favorecer das férias coletivas ou da interrupção da atividade, com posterior compensação”, explica.

O relator também reforçou que os acordos são válidos somente durante o estado de calamidade pública, ou seja, até no máximo 31 de dezembro, e que ao término desse período voltarão a ser aplicadas as regras previstas na CLT.

Saúde e segurança no trabalho

Os deputados também mantiveram a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho durante o período de pandemia. Com isso, fica suspensa a obrigatoriedade de realização dos exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceto dos exames demissionais.

Uma mudança feita pelos parlamentares em relação a esse item foi de manter a obrigatoriedade de realização de exames ocupacionais e treinamentos periódicos aos trabalhadores da área de saúde. O texto também determina que esses trabalhadores terão prioridade em exames identificação de contaminação por Covid-19.

Ainda segundo a MP, todos os exames ocupacionais devem ser feitos até 60 dias após o fim do decreto de calamidade pública.

FGTS e abono salarial

Além de flexibilizar as regras trabalhistas durante a pandemia, a MP editada pelo governo mexe com o FGTS e o abono salarial.

O texto permitiu ao governo suspender por três meses o recolhimento do FGTS por parte das empresas. Como se trata de uma MP, essa medida já está em prática desde abril. Os deputados mantiveram a suspensão do recolhimento.

A MP também permitiu a antecipação do pagamento do abono salarial, uma espécie de 14º salário pago pelo governo a quem recebe até dois salários por mês. A primeira parcela foi paga em abril e a segunda começou a ser paga no fim de maio.

Todos esses pontos foram mantidos pelo relator e pelo plenário da Câmara.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • V

    Valdecir persch Kienelt

    ± 0 minutos

    Ainda nosso povo tá gostando mas os políticos tá com medo na próximo eleição?????

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso