O governo de São Paulo apresentou aquela que pode ser a primeira vacina contra a Covid-19 totalmente brasileira. A butanVac, como foi batizada, está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e aposta em uma tecnologia já conhecida e aplicada no país para potencializar a produção.

Mas como isso vai funcionar? Entenda em um minuto.

Entenda os detalhes da ButanVac, a nova vacina brasileira

Muita gente foi pega de surpresa não só pelo anúncio da vacina como também pelo fato de ela usar ovos para a sua produção.

Só que esse tipo de matéria-prima já é bem conhecida e usada aqui no país. A vacina da gripe que a gente toma todo ano, por exemplo, funciona assim. Isso faz com que essa seja uma tecnologia mais barata e acessível.

Mas como eles fazem essa vacina? Os pesquisadores usam um outro vírus como vetor. No caso, é o vírus da doença de newscastle, uma infecção altamente contagiosa que só atinge aves como galinhas, perus e patos, mas não causa nenhum sintoma em humanos.

Esse vírus é modificado geneticamente e recebe um pedaço do coronavírus nele. Esse pedaço é o código genético que dá instruções de como fazer a proteínas, que é usada pela Covid-19 para infectar as células humanas.

Assim, esse vírus modificado é colocado em ovos para se reproduzir. Depois, os vírus são inativados e fragmentados. Então temos uma proteínas purificada que se transforma no IFA, a matéria prima para a produção das vacinas.

A boa notícia é que os testes em animais já mostraram que a butanVac desenvolve reposta imune maior até do que outras vacinas contra a Covid-19, segundo o próprio Instituto Butantan.

Agora, é preciso que a Anvisa libere a realização dos testes clínicos. Se tudo correr bem, as duas primeiras fases devem ser concluídas já na metade de 2021.

Conteúdo editado por:Jenifer Ribeiro dos Santos
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]