i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Vídeo

Entenda em 1 minuto: Trump e a polêmica lei da Produção de Defesa

  • PorGazeta do Povo
  • 14/04/2020 09:36
Os Estados Unidos acionaram o chamado Ato de Produção de Defesa, uma lei dos anos 1950 que dá poderes ao governo donald trump para intervenção na indústria do país. A medida é uma resposta à pandemia do coronavírus.
Os Estados Unidos acionaram o chamado Ato de Produção de Defesa, uma lei dos anos 1950 que dá poderes ao governo donald trump para intervenção na indústria do país. A medida é uma resposta à pandemia do coronavírus.| Foto:

Vigora nos Estados Unidos o chamado Ato de Produção de Defesa, uma lei dos anos 1950, que dá poderes ao governo Donald Trump para intervenção na indústria do país. A medida é uma resposta dura à pandemia do coronavírus.

Na prática, a lei dá ao governo federal autoridade para direcionar as empresas privadas para que elas cumpram as necessidades de defesa do país, como produzir máscaras e respiradores.

O Ato da Produção de Defesa foi assinado em 1950 porque os EUA temiam ter problemas de abastecimento durante a Guerra da Coreia. Ele foi acionado diversas vezes desde então em situações como guerras, furações e prevenção a terrorismo.

Os efeitos têm reflexos no Brasil. A 3M, por exemplo, empresa entre as maiores produtoras das máscaras, disse o que o governo de Trump pediu para que parasse de exportar para o Canadá e para a América Latina.

E não está pegando bem. Os EUA foram acusados também de confiscar máscaras e respiradores negociadas com outros países de pirataria moderna.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Cético

    ± 0 minutos

    A matéria ficou solta, sem conclusão lógica, sem sentido. O que a Gazeta do Povo quis informar com esse texto? Em caso de guerra, também no Brasil há legislação que regula essa conduta, conforme previsto no inciso XIX, do artigo 84 da Constituição federal, trata-se da Lei 11.631, de 27 de dezembro de 2007, regulamentata pelo decreto nº 6.592, de 2 de outubro de 2008. Nessa hipótese o poder executivo pode intervir nas empresas orientando a produção para os itens necessários ao enfrentamento da situação. Não é nenhuma novidade, todo país minimamente organizado tem uma norma com essa finalidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso