Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O Hezbollah é uma ameaça de terrorismo ao Brasil?
Apoiadores do Hezbollah em protesto no Líbano contra o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani.| Foto: AFP

O general iraniano Qasem Soleimani, morto pelo governo dos Estados Unidos na sexta-feira (3), era um grande aliado do Hezbollah, grupo libanês responsável por vários ataques terroristas ao redor do mundo. Diversas fontes garantem que há membros do Hezbollah morando no Brasil e trabalhando em parceria com organizações criminosas da América Latina.

A presença do Hezbollah em um país governado por Jair Bolsonaro, aliado do presidente norte-americano Donald Trump, pode suscitar uma dúvida: há o risco de ações terroristas promovidas pelo grupo em território brasileiro?

O Hezbollah já promoveu atentados terroristas na América Latina. O grupo e o Irã foram acusado formalmente por procuradores da Argentina de planejar e executar o ataque a uma entidade judaica de Buenos Aires, a AMIA, em 1994. Soleimani teria ajudado o Hezbollah na ação terrorista, que matou 85 pessoas e deixou mais de 300 feridos.

Foco do Hezbollah no Brasil é dinheiro

O risco de ações terroristas não pode, é óbvio, ser completamente descartado. Mas é certo que a linha de atuação do Hezbollah na América do Sul mudou desde o atentado à AMIA. O grupo enxergou maior benefício em aliar-se a organizações criminosas do continente, deixando de lado o terrorismo nessa região.

O Hezbollah teria laços com organizações criminosas como o PCC e estaria envolvido, por exemplo, em atividades como o narcotráfico e o contrabando de mercadorias nas fronteiras do Brasil com outros países da América do Sul.

Heni Ozi Cukier, especialista em relações internacionais e deputado estadual (Novo-SP), disse em entrevista à Gazeta do Povo no ano passado que é possível separar a atuação do Hezbollah na América Latina em duas fases distintas.

“A primeira é com uma base de operação terrorista, agressiva, de uso da força. Depois dos atentados na Argentina, tem uma mudança para atividades criminosas com o intuito de levantar dinheiro e financiar outras operações”, explicou Cukier. Segundo ele, depois da etapa em que sua ação internacional se limitava quase exclusivamente a práticas terroristas, o Hezbollah “entrou no negócio de tráfico de drogas, principalmente cocaína e heroína, e outras atividades criminosas que pudessem dar dinheiro para a organização”.

Governo Bolsonaro é cauteloso ao falar sobre o Hezbollah

A aversão ao discurso politicamente correto é uma das marcas da Presidência de Jair Bolsonaro. Por isso, pode surpreender a atitude cautelosa de membros do governo ao falar sobre o Hezbollah, assim como a resistência a classificar o grupo como terrorista, mesmo diante de pressão norte-americana em sentido oposto.

Para entender essa cautela, é preciso levar em conta que, além de praticar ações terroristas internacionalmente, o Hezbollah é um movimento político com grande força e apoio popular no Líbano e em países do Oriente Médio como Irã, Iraque e Síria. O grupo exerceu, por exemplo, grande influência na eleição do novo primeiro-ministro libanês, Hassab Diab, em dezembro de 2019.

Classificar o Hezbollah como terrorista representaria uma ruptura nas relações diplomáticas com parte significativa das autoridades do Oriente Médio – o que tem consequências não só políticas, mas também comerciais. Essa classificação também faria o Brasil contrariar a Organização das Nações Unidas (ONU), que ainda não incluiu o Hezbollah em sua lista de grupos terroristas.

Além disso, desde 2011, a Marinha do Brasil comanda em Beirute a força-tarefa marítima da Unifil – Força Interina das Nações Unidas no Líbano –, uma missão da ONU criada em 1978 para preservar a paz na região, onde já houve conflito com Israel.

A Marinha nacional mantém um navio na costa libanesa e tem a tarefa de impedir a entrada de armas ilegais e contrabandos no Líbano. Contribui ainda para o treinamento da Marinha libanesa. Hoje, há mais de 200 militares brasileiros no Líbano.

Classificar o Hezbollah como terrorista poderia arriscar o posto do Brasil na Unifil – o que, na visão de alguns, faria o país perder o prestígio internacional que essa missão traz – e representar uma ameaça à própria segurança dos militares brasileiros que vivem no Líbano.

Até mesmo o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que costuma manifestar abertamente sua afinidade com as posturas geopolíticas do governo Donald Trump, é cuidadoso ao falar sobre o Hezbollah. Em dezembro do ano passado, em entrevista à Gazeta do Povo, ele foi evasivo ao ser questionado sobre a classificação do grupo libanês como terrorista pelo Brasil.

“Essa classificação precisa levar em conta muitos fatores”, disse ele. “Tem toda uma complexidade, todo um impacto que exige uma análise profunda que nós estamos realizando, escutando. Nós queremos entender bem quais são os problemas, vê-los documentados, quais são os problemas que essa organização pode causar. A gente está atento, com os olhos abertos e, como eu digo, é algo que depende de uma análise muito criteriosa, que está em andamento.”

Brasil tem combatido a maior fonte de receita do Hezbollah na região

Apesar da cautela no discurso, o governo Bolsonaro tem buscado o contato com seus aliados na América do Sul para combater os chamados “ilícitos transnacionais”, o que pode ajudar a enfraquecer a atuação do Hezbollah na região. Esse é um tema frequente de reuniões mantidas por membros do governo brasileiro com autoridades de outros países.

Em 2019, por exemplo, essa foi a pauta de uma série de encontros bilaterais do Itamaraty, do Ministério da Defesa e do Ministério da Justiça e Segurança Pública com autoridades de países da América do Sul como Bolívia, Paraguai e Argentina.

Na Bolívia, desde que Jeanine Añez assumiu a presidência interina do país, a cooperação no combate a organizações criminosas aumentou consideravelmente devido à afinidade política de Bolsonaro com o novo governo boliviano. Em agosto de 2019, antes mesmo da queda do ex-presidente Evo Morales, houve uma reunião de autoridades da Bolívia com membros da pasta de Moro e do Ministério das Relações Exteriores. A cooperação na área de inteligência para o desmonte de organizações criminosas foi o principal assunto do encontro.

O Brasil também assinou em 2019 um acordo com o Paraguai para a criação de equipes conjuntas de investigação de crimes transnacionais.

Em junho do mesmo ano, um dos temas do encontro bilateral entre Jair Bolsonaro e Mauricio Macri, então presidente da Argentina, foi o combate ao narcotráfico.

Brasil: o último refúgio do Hezbollah na Tríplice Fronteira

Diferentemente de Paraguai e Argentina, no entanto, o Brasil ainda reluta em classificar o Hezbollah como terrorista, o que tem consequências no tratamento dado a membros da organização presentes em território brasileiro.

Em recente artigo publicado no site da Foundation dor Defense of Democracias (FDD), instituto norte-americano especializado em política externa e segurança nacional, o analista político Emanuele Ottolenghi afirmou que o Brasil é o “último refúgio” do Hezbollah na Tríplice Fronteira com Paraguai e Argentina, na região de Foz do Iguaçu, Paraná.

“O Brasil é particularmente importante porque as operações do Hezbollah na Tríplice Fronteira dependem muito do sistema financeiro do Brasil para movimentação de dinheiro dentro e fora da área. Washington deve, portanto, pressionar o Brasil a seguir o exemplo de seus vizinhos e designar o Hezbollah como uma organização terrorista”, afirmou Ottolenghi.

38 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]