i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Confusão na CCJ

Oposição acusa deputado do PSL de estar armado em sessão de relatoria da Previdência

  • PorJéssica Sant'Ana
  • Brasília
  • 09/04/2019 19:00
  • Atualizado em 27/08/2019 às 15:33
Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara, foi acusado de estar armado na sessão da CCJ. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara, foi acusado de estar armado na sessão da CCJ. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil| Foto:

Assim como na audiência com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a sessão de leitura da relatoria da reforma da Previdência na Comissão e Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados foi marcada por confusões. Antes da apresentação do relator da reforma na CCJ da Câmara, Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), houve bate-boca entre governo e oposição.

O deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE) acusou o colega delegado Waldir (PSL-GO) de estar armado. Antes, a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), discutiu com a deputada Maria do Rosário (PCdoB-RS).

Veja também: Após sessão confusa, relator apresenta parecer pela admissibilidade da reforma da Previdência

No momento mais tenso, em que houve a suspeita da presença de arma, a sessão acabou sendo interrompida por 10 minutos pelo deputado Felipe Francischini (PSL-PR), presidente da comissão. "Isso aqui não é uma rinha de galo", bradou Francischini. Alguém gritou: "Fecha a porta. Não deixa ninguém sair, presidente".

Waldir, porém, mostrou a um jornalista que não estava armado: ele 'apenas' levava um coldre na cintura.

Veja o momento da confusão:

Antes, Maria do Rosário (PCdoB-RS) acusou Joice Hasselmann (PSL-SP) de a estar filmando. Joice não é membro da CCJ, mas sentou ao lado do presidente da comissão, causando indignação na oposição.

"Estou como vice-líder do PSL e assim como outros deputados estou ocupando o espaço na mesa. Dois lugares foram oferecidos para a oposição, que ficou apenas gritando", afirmou Joice.

Objetivo da sessão

A sessão da CCJ é para a leitura do parecer pela admissibilidade ou não do texto da reforma da Previdência. Não há análise de mérito nesta etapa. Com isso, a comissão não pode fazer alterações no conteúdo do texto, como propor mudanças nas idades mínimas.

Mesmo assim, a oposição entrou com diversos pedidos de ordem e requerimentos para atrasar a leitura do relatório. Após mais de quatro horas de sessão, o documento ainda não havia sido lido pelo relator.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.