Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Doria e Eduardo Leite prévias do PSDB
João Doria e Eduardo Leite são os principais candidatos nas prévias do PSDB| Foto: Divulgação/Governo de São Paulo e Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

Com uma disputa acirrada entre os governadores João Doria, de São Paulo, e Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, o PSDB iniciou oficialmente, nesta semana, as campanhas para as prévias presidenciais que vão escolher o nome que representará o partido nas eleições de 2022. Apoiadores dos dois postulantes negam que o processo seja a demonstração de um racha no partido, mas apresentam visões diferentes sobre quem melhor representará a "terceira via" nas urnas.

Algumas comissões executivas estaduais já declararam apoio a um ou outro presidenciável. Para o gaúcho, a maior ajuda está vindo do PSDB de Minas Gerais, que tem o segundo maior colégio eleitoral do partido. Lideranças tucanas acreditam que Leite é o nome com mais condições de construir uma terceira via para as eleições presidenciais.

“Vejo o Eduardo Leite com maiores condições de unir o centro político brasileiro. Ele tem simpatia do MDB, do Democratas. Sinto que, com ele, teremos condições de alcançar o almejado desejo de ver o centro político brasileiro unido”, disse à Gazeta do Povo o deputado Paulo Abi-Ackel, presidente do PSDB-MG.

O governador gaúcho também obteve o apoio oficial das executivas da Bahia, Alagoas, Amapá e Paraná, além, claro, do próprio Rio Grande do Sul. O paulista João Doria, por sua vez, conta com o apoio oficial dos diretórios de São Paulo — estado com maior número de filiados — Pará, Acre e Distrito Federal.

De acordo com o presidente do PSDB de São Paulo, Marco Vinholi, uma das principais vantagens de Doria é a associação dele com a produção de vacinas contra a Covid-19. “As medidas que tomou no enfrentamento da pandemia, especialmente no que diz respeito à produção da vacina contra a Covid-19, demonstram, sem sombras de dúvida, que Doria é o homem certo para o momento incerto pelo qual passa o nosso país”, declarou Vinholi à Gazeta do Povo, citando como outro ponto positivo da gestão Doria a previsão do crescimento econômico do estado, de quase 8%, acima da expectativa nacional.

Essas demonstrações de apoio são importantes porque mobilizam as executivas estaduais em torno da campanha de um dos candidatos das prévias, mas não significam que todos os filiados de um estado devem votar pelo mesmo nome.

Em São Paulo, por exemplo, Leite conta com o apoio do prefeito de Santo André, Paulo Serra. No Rio Grande do Sul, Doria recebeu respaldo de Yeda Crusius, ex-governadora e presidente do PSDB Mulher. No Paraná, apesar do apoio da executiva ao gaúcho, Doria diz que muitos políticos paranaenses estão ao seu lado nas prévias. (Veja abaixo como funcionam as prévias do PSDB e as datas mais importantes.)

Também estão concorrendo o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio e o senador e ex-governador do Ceará, Tasso Jereissati, mas com menos engajamento de campanha.

Doria aposta em discurso antipetista

Em sua carta de inscrição às prévias presidenciais, Doria afirmou que o Brasil vive “tempos de retrocesso institucional, democrático, econômico, ambiental, social, político e moral”. Sem citar o presidente Jair Bolsonaro, ele disse que as instituições do país têm sido atacadas e defendeu o voto pela urna eletrônica.

Por outro lado, quem aparece nominalmente no documento são os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Ele criticou os governos petistas, lembrando do “maior esquema de corrupção da história do país”. “Fazer políticas públicas para os mais pobres não dá direito, a quem quer que seja, de roubar o dinheiro público. Os fins não justificam os meios”, escreveu.

O coordenador da campanha do paulista nas prévias, Wilson Pedroso, disse à Gazeta do Povo que Doria sempre adotou uma postura anti-PT, mas que, devido ao posicionamento de Bolsonaro durante a pandemia e a crise com o Judiciário, o governador paulista passou a encampar também o movimento anti-Bolsonaro. Desde o começo da crise sanitária, a troca de acusações entre o presidente e o governador de São Paulo se acirrou.

Doria também defendeu sua gestão no governo de São Paulo, mencionando a reforma da previdência e a reforma administrativa realizadas no estado, o programa de privatizações e iniciativas de cunho social, como Bolsa do Povo e o Vale Gás.

Doria já viajou por dez estados e neste fim de semana deve visitar Mato Grosso e Tocantins, a convite dos diretórios estaduais do PSDB, onde se encontra com lideranças e militância do partido. Nesses encontros, além de falar da sua gestão no Palácio Bandeirantes, Doria também apresenta propostas para os estados.

Em um dos eventos, ele disse que, se for o escolhido do partido nestas prévias, terá uma mulher como companheira de chapa.

“As prévias estão nos dando oportunidade de ouvir a militância, ter visões diferentes de país e compartilhar oportunidades de construir nosso plano de governo”, disse Pedroso, acrescentando que João Doria é “filho das prévias”, já que passou pelo processo quando foi candidato a prefeito de São Paulo e a governador do estado.

Eduardo Leite aposta na moderação

O governador do Rio Grande do Sul, por sua vez, está evitando criticar os futuros adversários na corrida presidencial. “Não desejo ser presidente para brigar com Lula ou Bolsonaro”, disse na carta de inscrição às prévias.

Se mostrar como um nome capaz de vencer a polarização é um dos objetivos de Leite. “Ele conseguiu construir consensos em um ambiente tão polarizado quanto a política do Rio Grande do Sul”, afirmou Fabio Bernardi, coordenador de comunicação da campanha de Eduardo Leite, citando reformas estruturais aprovadas no mandato do governador.

Na opinião de seus apoiadores, ser um nome ainda não tão conhecido do eleitorado brasileiro e com baixa rejeição em relação aos demais cotados para a Presidência do Brasil é algo que favorece o candidato. Em uma pesquisa recente do Datafolha, ele aparece com 4% das intenções de voto, igual ao percentual obtido por Doria para o mesmo cenário, o que, na visão dos tucanos do seu entorno, sinaliza que ele será a melhor opção para o PSDB.

Com o apoio dos tucanos de Minas Gerais, Eduardo Leite também está conseguindo estreitar laços com a bancada do partido no Congresso, o que pode ajudá-lo a conquistar votos de parlamentares federais e também o apoio de prefeitos e vice-prefeitos que são alinhados aos congressistas.

O fator Bolsonaro

Na avaliação do analista político Lucas Fernandes, da BMJ Consultoria, o PSDB está tentando recuperar o protagonismo e o espaço político que perdeu nas eleições de 2018, com a ascensão de Jair Bolsonaro ao poder. Naquela época, alguns tucanos abandonaram a candidatura de Geraldo Alckmin para se aliar ao atual presidente do país – o ex-governador paulista acabou fazendo menos de 5% dos votos e ficou em quarto lugar.

No entanto, os tucanos, tanto os que apoiam Doria quanto os que apoiam Leite, estão confiantes de que na campanha de 2022 as coisas serão diferentes. “O eleitorado do PSDB, que em 2018 foi atraído pela novidade que representava Bolsonaro, agora está em busca de um novo nome, de centro. Logo, os parlamentares que hoje votam com o governo, deverão permanecer fiéis ao candidato do PSDB”, disse Abi-Ackel.

O presidente do PSDB paulista, Marco Vinholi, também está confiante de que os tucanos apoiarão o candidato escolhido pelo partido para disputar as eleições do ano que vem. “Bolsonaro soma mais rejeição que apoiamentos e tenho confiança que, no  momento oportuno, os tucanos atenderão ao chamado do partido”, disse.

Protagonismo ou papel secundário

Contudo, há desentendimentos entre as duas alas do partido sobre as eleições de 2022. Parece haver uma abertura maior entre os apoiadores de Leite para que o pré-candidato escolhido nas prévias do PSDB costure acordos com os demais partidos de centro, podendo até ocupar uma posição secundária na chapa presidencial da chamada terceira via.

Em entrevista à Folha de São Paulo em março, o deputado federal Aécio Neves, uma das lideranças tucanas mais importantes de Minas Gerais, chegou a dizer que o PSDB poderia abrir mão da candidatura em 2022 para unir o centro.

“Desejamos que o candidato do centro seja do PSDB, mas temos a responsabilidade de escolher um candidato capaz de unir as outras forças de centro. Se ele [Leite] vencer as prévias e julgar que existe outro candidato de centro, o PSDB vai ter que sentar à mesa com demais atores de outros partidos”, disse Paulo Abi-Ackel, presidente do PSDB de Minas, acrescentando que, apesar disso, tem muita convicção de que se o gaúcho vencer as prévias, vai liderar o processo.

João Doria, por outro lado, não parece disposto a abrir mão da candidatura à Presidência caso vença as prévias. Pedroso, o coordenador da campanha das prévias do paulista, salientou que o diálogo com outros partidos é importante, mas disse que o governador paulista “é candidato a presidente” nas prévias, quando perguntado se o tucano abriria mão de disputar como principal nome da chapa.

"Temos experiência, foco, organização e um candidato que quer ser candidato, que tem propostas para o país, que foi anti-Lula e agora é anti-Bolsonaro”, comentou Pedroso, concluindo que Doria “é a síntese da necessidade da terceira via”.

Como funcionam as prévias do PSDB

Quem está na disputa? Quatro concorrentes: os governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, o senador Tasso Jereissati, do Ceará, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto.

Qual é o dia da votação? 21 de novembro. Se houver segundo turno, ocorrerá em 28 de novembro.

Quem pode votar? Podem votar as pessoas que se filiaram ao partido até 31 de maio de 2021. De acordo com o presidente do partido, há 1,3 milhão de filiados habilitados a participar.

Como será a votação? O PSDB nacional vai disponibilizar um aplicativo de votação, no qual o filiado terá que se cadastrar — entre os dias 14 de outubro e 14 de novembro — para poder votar. Também haverá votação presencial em Brasília para detentores de cargos eletivos e presidente e ex-presidentes da executiva do partido.

Como serão contados os votos? Haverá quatro grupos de votantes, todos com peso de 25% do total dos votos válidos. Esses grupos são: filiados; prefeitos e vice-prefeitos; vereadores e deputados estaduais (deputados representam 50% e vereadores outros 50%); e o último grupo é formado por governadores, vice-governadores, ex-presidentes e o atual presidente da Comissão Executiva Nacional do PSDB, senadores e deputados federais. Vence a eleição o candidato que alcançar a maioria absoluta. Caso isso não ocorra, haverá segundo turno.

Haverá debates? Neste novo modelo de prévia, o PSDB está planejando cinco debates presenciais, um em cada região do país, a partir de 18 de outubro. Eles serão transmitidos nos canais e redes sociais do partido. Contudo, datas e locais ainda não foram definidos.

Metodologia da pesquisa citada

A pesquisa do Datafolha foi realizada de maneira presencial com 3.667 pessoas, com 16 anos ou mais, em 190 cidades, entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]