Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Brasil não conseguiu amplacar estratégia de massificação de testes para a Covid-19.
Drive thru para testes rápidos em Águas Claras, no Distrito Federal: Brasil não conseguiu emplacar estratégia de massificação de testes para a Covid-19.| Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Uma das estratégias mais replicadas por países que conseguiram sucesso nas ações de combate ao coronavírus foi a testagem em massa de seus habitantes. O Brasil quer promover essa massificação dos testes. Mas, entre a vontade do poder público em adotar essa medida e colocá-la em prática, há alguns obstáculos que ainda não foram superados. Da surpresa pela rapidez com que a Covid-19 se disseminou no país à escassez de insumos e recursos físicos e humanos, também pesa a falta de estratégia para a testagem em massa.

A meta do governo é de ter 46,2 milhões de testes e realizar os exames em 22% da população. O problema é que esse objetivo não consegue sair do papel. Até esta quinta-feira (21), o Ministério da Saúde já havia repassado 8,4 milhões de testes, entre moleculares e sorológicos, para os estados. Isso representa cerca de 18% da meta inicial.

Pior: não há um controle de quantos testes já foram feitos no país, porque os boletins diários do Ministério da Saúde só compilam os casos positivos para o coronavírus vindos de laboratórios particulares. A pasta disse que vai divulgar dados consolidados da rede particular somente na próxima terça-feira (26).

Mesmo na rede pública, o controle sobre os dados não é total. De acordo com dados da pasta, foram distribuídos 3.087.184 testes moleculares para os laboratórios públicos, os Lacen. Desses, há um estoque de 2,6 milhões de exames. Houve solicitação para 585.307 exames e foram analisados de fato 423.438 testes, o que significa que 72% foram processados. Segundo a pasta, o tempo para o processamento desses exames varia, mas 75% são analisados em até cinco dias. De todos os testes feitos no Brasil, quase metade tem o resultado apresentado em até dois dias. Os dados foram atualizados pela pasta até o dia 20 de maio.

Essas informações são parciais, porque só incluem as dados das unidades que fazem parte do sistema Gal (Gerenciador de Ambiente Laboratorial). O Distrito Federal, por exemplo, não está nessa plataforma.

“Esses números [de testes] refletem o aumento da capacidade laboratorial do Brasil, por meio dos laboratórios públicos. Nós temos um quantitativo bastante razoável de testes RT-PCR já distribuídos, temos apoiado os laboratórios públicos para que eles aumentem a sua capacidade, principalmente fazendo esses remanejamentos para os laboratórios que tem uma capacidade maior. A parceria público-privada que está sendo trabalhada para ser anunciada nos próximos dias, como um reforço a essa estratégia de testagem, justamente vai dar ao Brasil a capacidade de realizar o maior número de testes e diminuir a subnotificação, e ver a situação epidemiológica de forma mais real”, disse Eduardo Macário, diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de doenças não transmissíveis, em coletiva na tarde desta quinta-feira (21).

Enquanto isso, as estatísticas da doença só pioram: o número acumulado de casos confirmados até 21 de maio é de 310.087 e 20.047 pessoas morreram pela Covid-19.

As três razões para a demora dos testes em massa

O virologista Eduardo Furtado Flores, professor de saúde pública e epidemiologia na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), aponta três razões para a demora na testagem no Brasil. A primeira é que o país foi pego de surpresa, no início de março, com a chegada do coronavírus e sua disseminação. Depois, faltou coordenação das autoridades sanitárias para começarem a fazer a testagem. Por fim, faltaram insumos e o país demorou a adquirir produtos no mercado externo.

“Esses fatores contribuíram para que ainda estejamos atrasados em relação à testagem. A situação já vem se normalizando, principalmente a testagem molecular, porque dezenas de laboratórios começaram a fazer os testes, inclusive os de universidades. Com o tempo, a tendência é que essa testagem fique menos defasada”, observa.

Estratégia de testes da Saúde não engrenou

Ainda em março, o Ministério da Saúde anunciou que disponibilizaria 22 milhões de testes, entre os rápidos e moleculares, em todo o país. Era dia 24 de março quando a informação foi divulgada pelo então ministro Luiz Henrique Mandetta. Naquele momento, o país estava na 13.ª semana epidemiológica da Covid-19 e tinha 2.201 casos e 46 mortes confirmadas pela doença.

A distribuição dos testes, no entanto, não avançou na mesma velocidade do vírus. No dia 6 de maio, já na gestão de Nelson Teich na pasta, a Saúde anunciou o plano de testagem da população como um dos pilares da estratégia de prevenção e combate ao coronavírus. Quando assumiu o cargo, no dia 17 de abril, Teich defendeu a massificação dos testes para um retrato mais fiel do que está acontecendo no país.

A iniciativa anunciada no dia 6 de maio havia sido construída em parceria com secretarias estaduais e municipais de saúde – e foi só então que surgiu a meta de aquisição de 46 milhões de testes e de realizar exames em 22% da população. Nesse momento, o país já tinha 125.218 casos confirmados da doença e 8.535 mortes.

A estimativa do ministério era de encaminhar 1,5 milhão de testes aos estados até o final de maio. O cronograma do programa ainda prevê envios de mais 4 milhões em junho, outros 4 milhões em julho, 3,2 milhões em agosto, 3,1 milhões em setembro, 3,1 milhões em outubro, 3,1 milhões em novembro e 3 milhões em dezembro. Na ocasião, o então secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, disse que o país tinha capacidade instalada de 2,7 mil testes por dia e que, com essa estratégia, alcançaria a marca de 70 mil testes diários.

Testes diferentes para informações distintas

A estratégia da Saúde era subdividida em duas, variando conforme o tipo de teste. A “Confirma Covid” é para os testes moleculares, o padrão-ouro para detecção da doença e chamado de RT-PCR. O objetivo é ter 24 milhões de unidades desse teste. Até o dia 20 de maio, haviam sido distribuídos apenas 3,08 milhões de unidades.

A outra frente, chamada de “Testa Brasil”, é composta pelos testes sorológicos, sobretudo os rápidos, que detectam a presença de anticorpos no paciente. A meta é adquirir 22 milhões desses testes. A pasta já distribuiu 5,35 milhões desses testes.

O virologista Eduardo Furtado Flores lembra que cada um desses testes tem uma finalidade específica. “O teste molecular detecta se a pessoa está excretando o vírus, se está infectada. Esse é o teste para ser usado e, em caso de positivo, convidar essas pessoas a se isolarem para não transmitirem o vírus”, diz.

Já em relação ao teste sorológico, Flores lembra que ele só tem utilidade pra saber se aquela pessoa já foi infectada ou não pelo vírus. “Em um segundo momento, para fazer a triagem daquelas pessoas que podem voltar ao trabalho e a sua vida normal, seria interessante ter esse teste sorológico, porque as pessoas que já foram testadas positivas e estão imunes podem ser encaminhadas para o trabalho sem risco para a saúde.”

Massificação de testes emperrada

A massificação desses dois tipos de testes acrescentaria muito para o combate ao coronavírus. Mas emperra em questões variadas. Flores lembra que o teste molecular é mais complexo: depende da coleta de amostras, laboratórios com estrutura física, equipamentos especializados e profissionais capacitados. Já os sorológicos são rápidos e permitem ações como testagem em fila do transporte público ou modelos de drive-thru. O problema é que há itens de má qualidade que falseiam resultados e mais atrapalham do que ajudam.

“O mundo hoje está vivendo uma situação única, em que a demanda por kits de reagentes para diagnósticos de uma única doença é enorme. É difícil a aquisição, poucos laboratórios estão produzindo e a demanda é muito grande. Para agravar o problema, muitos testes sorológicos não tem aprovação da Anvisa”, aponta. Ele lembra que o Brasil não produzia esse tipo de teste, mas passou a fazê-lo e vai suprir parte da demanda interna nos próximos meses, embora não se torne autossuficiente e siga dependendo da importação – sobretudo da China, Europa e Coreia do Sul.

Conhecimento sobre quadro epidemiológico auxilia na tomada de decisão

Ter o controle desse tipo de informação – sobre a aplicabilidade de cada teste e perfil da população testada – é fundamental para o gestor público, porque com o domínio do cenário epidemiológico enfrentado é possível coordenar ações para isolamento social e reabertura gradual. No atual momento da pandemia no país, Flores defende o avanço da testagem molecular, para isolar as pessoas contaminadas. “Os dois testes têm utilidades, com diferentes aplicações e perspectivas de resultados”.

Por ora, o que o gestor público tem, para além dos testes, é incentivar a população a seguir as orientações das autoridades de saúde, afirma o virologista. “No momento, o que se pode fazer é evitar aglomerações e seguir protocolos de distanciamento social e cuidado, com o uso de máscaras, lavagem frequente das mãos e álcool em gel”, aponta.

Para ele, o Sars-Cov-2 veio para ficar, assim como outros vírus, a exemplo da influenza, sarampo, rubéola e herpes. “São vírus que circulam na população e a tendência é que o coronavírus faça parte da nossa vida nos próximos anos”, diz. Voltar à rotina normal ainda está fora do alcance. “O término é só com boa vacina e vacinação em massa”, pontua.

Veja a incidência do coronavírus no Brasil

22 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]