i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Relações externas

Como os militares brasileiros veem a relação amistosa de Bolsonaro com Trump

  • Brasília
  • 29/10/2020 15:51
Donald Trump e Jair Bolsonaro na Casa Branca: militares brasileiros tem se beneficiado do alinhamento automático entre os dois presidentes.
Donald Trump e Jair Bolsonaro na Casa Branca: militares brasileiros tem se beneficiado do alinhamento automático entre os dois presidentes.| Foto: Alan Santos/PR

Assim como o presidente Jair Bolsonaro, a ala militar do governo federal também torce pela reeleição de Donald Trump na disputa pela Casa Branca. A leitura dos militares do Planalto é de que a relação entre os governos Bolsonaro e Trump foi produtiva para as Forças Armadas, para a política externa e até para os fins estratégicos da inteligência brasileira. Por isso, seria interessante mantê-la.

Historicamente, os militares brasileiros guardam uma posição de não alinhamento automático com os Estados Unidos e monitoram com atenção a relação do governo brasileiro com a Casa Branca. Isso não mudou nos dois anos de proximidade entre Bolsonaro e Trump. Nem vai mudar em uma eventual reeleição do americano. Mas os militares entendem que as semelhanças entre os dois governos na agenda geopolítica e de valores ajudaram a fortalecer um relacionamento que há muito tempo não era considerada tão boa para o Brasil.

Para os militares do Planalto, ter o republicano por mais quatro anos na Casa Branca seria a garantia de aprofundar as relações por pelo menos mais dois anos – ou seja, sem considerar uma possível reeleição do presidente brasileiro em 2022. “Teríamos mais espaço para consolidar essa aproximação”, diz um assessor do Palácio do Planalto.

Aliança militar, Alcântara, Amazônia: os motivos da torcida por Trump

Um ponto muito enaltecido pelos militares é a concessão oficial ao Brasil, pelo governo Trump, do status de aliado militar preferencial do país fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a principal aliança militar do Ocidente.

O status passou a facilitar a aquisição de tecnologia militar e armamentos dos Estados Unidos. Desde 2019, o Brasil pode comprar equipamentos, veículos e qualquer produto da indústria de defesa norte-americana não utilizado, localizado em depósitos ou não.

Outro ponto destacado pelos militares é o acordo do Brasil com os EUA para o uso, pelos americanos, do Centro de Lançamentos de Foguetes e Satélites de Alcântara, no Maranhão. É um projeto estratégico para o Brasil, tanto na questão militar quanto comercial. As negociações se estendiam desde o início dos anos 2000 e só foram concluídas pelos governos Bolsonaro e Trump.

Os Estados Unidos são detentores de praticamente 90% da tecnologia de lançamento de foguetes, e o relacionamento construído com o Brasil facilitou a conclusão do acordo – que pode colocar Alcântara no promissor mercado internacional de lançamento de satélites, além de possível transferência de tecnologia.

Com Bolsonaro e Trump no comando dos dos países, o Brasil também emplacou um general como subchefe do comando militar norte-americano responsável por cuidar da América Latina – o que indica o estreitamento das relações entre os dois países.

Além disso, o Exército vai participar, em 2021, nos Estados Unidos, de um intercâmbio entre paraquedistas brasileiros e norte-americanos. Trata-se de uma operação conjunta inédita que, segundo os militares do Planalto, vai conduzir o Brasil para uma reunião bilateral de Estado Maior entre as duas Forças Armadas.

A troca de experiências é vista como estratégica por militares no governo e das Forças Armadas. Uma das preocupações é com o dinheiro chinês e russo investido para armar países vizinhos, como a Venezuela. Por isso, a visão do Planalto é que é bom para o Brasil se alinhar aos Estados Unidos, pensando na defesa nacional e fronteiriça.

“A Colômbia era o principal aliado estratégico [na América do Sul] deles [EUA], por conta do combate às drogas. Mas, agora, eles têm uma preocupação maior com a geopolítica, de se contrapor à China. E isso nos elevou a outro patamar”, diz uma fonte do Palácio do Planalto. Aprofundar as relações com Trump é visto, portanto, como positivo para a geopolítica brasileira.

Na questão ambiental, os militares também veem com bons olhos o presidente Trump. O atual governo americano não é crítico das políticas do Brasil para o meio ambiente de um modo geral e da Amazônia em particular – ao contrário de líderes das principais nações europeias. Para integrantes das Forças Armadas, esse tipo de crítica pode encobrir desejos de questionar a soberania brasileira sobre a floresta amazônica.

A ala militar do Planalto avalia que só o fato de Trump não criticar o Brasil já é positivo. Mas o americano foi além. Em agosto de 2019, quando Bolsonaro era internacionalmente criticado por causa de queimadas na Amazônia, Trump postou em suas redes sociais ter conversado com o presidente brasileiro para demonstrar apoio: “Eu disse a ele que os Estados Unidos podem ajudar na questão dos incêndios da Floresta Amazônica. Estamos prontos para dar assistência”. A declaração foi comemorada no governo brasileiro.

Os militares reforçam, contudo, que não há alinhamento automático com os Estados Unidos e que o Brasil vai manter sua política de não intervenção à soberania de outra nação. Isso significa, por exemplo, que, se os EUA decidissem invadir a Venezuela, as Forças Armadas não cederiam território brasileiro para militares americanos. Tampouco apoiariam os ataques.

Benefícios da relação superam problemas, dizem militares do governo

Os militares do governo Bolsonaro reconhecem, porém, que há problemas para o Brasil no relacionamento com o governo Trump. Mas dizem que os benefícios dessa relação são maiores do que eventuais prejuízos.

As imposições comerciais por parte dos norte-americanos são exemplos de perdas recentes que o Brasil teve. Os Estados Unidos cortaram a importação de 80% do aço brasileiro até o fim do ano; e o Brasil ainda aumentou em quase 200 milhões de litros a importação com taxa zero de etanol produzido pelos americanos.

Ambas as medidas foram questionadas por senadores ao chanceler brasileiro Ernesto Araújo, em sabatina recente. Nos bastidores, especula-se que seriam concessões brasileiras para facilitar a reeleição de Trump, já que as medidas beneficiam produtores americanos às vésperas da eleição para a Casa Branca.

Além disso, o Brasil apoiou a eleição de um norte-americano para a presidência do Banco Interamericano (BID), tendo um candidato do Ministério da Economia para indicar. Foi um fato inédito: nunca um cidadão dos EUA havia ocupado a cadeira de presidente da organização financeira.

Mas, para interlocutores governistas oriundos das Forças Armadas, esses são exemplos de revezes pontuais que podem abrir caminho para a inserção do Estado brasileiro em fóruns estratégicos – a exemplo da Otan e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o "clube" dos países ricos. “São pequenos embates econômicos, não estratégicos e geopolíticos, se levarmos em consideração os avanços no acesso à Otan e à OCDE”, diz uma fonte militar do governo.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Marcelo M

    ± 2 dias

    Melhor lamber botas dos americanos, que lamber o **** dos comunistas. Todo parceiro americano prosperou, todo parceiro de comunistas virou ditadura e socializou a escassez e a pobreza. Trump vai se reeleger, Bolsonaro idem, e quem investiu no caos e na desordem vai ser responsabilizado, a turminha do quanto pior melhor não perde por esperar, a reação virá e será do tamanho da traição perpetrada. Quem hoje fala e faz o que quer, amanha vai se esconder, mas nao vai adiantar ,,,

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    ROGÉRIO J. BORGES

    ± 2 dias

    Lambe botas de americanos. Capacho de qualidade duvidosa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • I

      IvoHM

      ± 2 dias

      Socorro Xi Jin Ping, venha nos salvar dos estadunidenses. Méééé!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 3 dias

    Militar de hoje gosta é de vencimentos elevados

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Repolhinho Bocó

    ± 3 dias

    Vamos falar a purz verdade: somos um país pobre, é melhor se alinhar com ricos do que com países mais pobres ainda!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Santos

    ± 3 dias

    A dúvida que começa a povoar nossas mentes, é se a China irá tomar a frente do líder EUA. Imagino que a maioria da América, se posicionaria a favor dos EUA. Não tenho dúvida, que se tivesse que optar ficaria com o irmão rico da América, por tudo o que representa, a décadas, de DEMOCRACIA, e proteção aos seus cidadãos, e mais, para quem não os conhece, são educados e pragmáticos. Entre dois candidatos a um cargo, normalmente é escolhido aquele que dará mais retorno, seja ele oriundo do país que seja. São objetivos, e se fores BOM, lhe será dada uma OPORTUNIDADE. Rio quando falam em racismo, em um país com 13% de negros, Obama ter sido eleito DUAS vezes. Afinal quem foram seus eleitores ?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]